RELÓGIO

PARTICIPE SENDO UM SEGUIDOR DO BLOG

www.stepaway-polio.com

Google+

MAPA MUNDI

free counters

sábado, 5 de dezembro de 2009

ENTENDA A SINDROME POS POLIO



O CICLO DA PÓLIO E DA PÓS-PÓLIO

A explicação mais plausível para a síndrome pós-pólio é o cansaço dos neurônios motores que foram sobrecarregados






O sistema nervoso motor é responsável pelos movimentos. Neurônios motores levam as informações de movimento do cérebro para todos os músculos do corpo, por meio de suas ramificações. O vírus da pólio atinge os neurônios da medula espinhal. As partes do corpo com movimento comprometido estão diretamente ligadas aos neurônios afetados pelo vírus


1- Um neurônio motor, responsável pela contração muscular, antes de ser atingido pelo vírus da pólio


2- O neurônio, depois de ser infectado pelo vírus, começa a perder suas ramificações


3- O neurônio é destruído e morre. As fibras musculares pelas quais ele era responsável ficam sem movimento


4- Um neurônio sobrevivente passa a expandir suas ramificações e abranger outras fibras musculares, de modo a suprir as funções do neurônio que morreu. Esse trabalho extra explica por que muitos sobreviventes da pólio, após algum tempo, conseguem recuperar vários movimentos


5- Passados 30 a 50 anos da infecção, o neurônio começa a não dar mais conta de todo o trabalho e descarta tanto as fibras musculares ''adotadas'' como as próprias. Por isso os doentes de pós-pólio muitas vezes apresentam fraqueza em membros que não tinham sido afetados pelo mal


SINTOMAS MAIS COMUNS


Os sinais da doença são semelhantes aos do


envelhecimento precoce


Fraqueza muscular, tanto em músculos afetados previamente pela poliomielite como em partes que não foram acometidas


Dor nos músculos e articulações


Fadiga


Intolerância ao frio


Dificuldades respiratórias


Problemas para dormir


16/03/2005 - 15:09

Edição nº 357 -REVISTA ÉPOCA
medicina
Fotos: Maurilo Clareto/ÉPOCA



O fantasma da pólio



Uma nova doença neuromuscular chamada síndrome pós-pólio afeta pessoas que tiveram poliomielite, 30 a 50 anos depois



Divulgação


MEDO Vítima da poliomielite na infância, Boris Casoy acredita não ter pós-pólio, mas conhece os sintomas e está atento

O Brasil se esqueceu da poliomielite. A doença, transmitida por vírus e causadora da paralisia infantil, foi erradicada do país, em 1989. Até há pouco tempo, ela só aparecia nas propagandas do Ministério da Saúde, durante as campanhas anuais de vacinação. Mas as pessoas que contraíram pólio no passado estão começando a sofrer novos sintomas, como fraqueza, atrofia em músculos e cansaço. É uma nova doença, mas que tem tudo a ver com o passado: a síndrome pós-pólio.

A síndrome começou a aparecer em proporções significativas nos anos 80. No fim daquela década, a fisiatra Linamara Batistella, diretora da Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas e presidente da Sociedade Internacional de Medicina Física e de Reabilitação, leu trabalhos de pesquisadores americanos e imaginou que os sobreviventes da pólio no Brasil também estariam sofrendo da síndrome. ''Foi aí que comecei a prestar atenção nas queixas de meus pacientes'', diz Linamara. Para o fisiatra Acary Bulle, diretor do setor de Investigação em Doenças Neuromusculares da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), era intrigante receber pacientes que haviam tido poliomielite e agora apresentavam novos problemas musculares e de cansaço. ''Não havia relacionado uma coisa com a outra. Na literatura médica internacional, comecei a encontrar relatos parecidos'', diz. Em 2002, o ambulatório de Doenças Neuromusculares da Unifesp fez uma pesquisa com 52 sobreviventes da pólio. De 2003 a 2004, foi realizada outra, com 167 pacientes. Ambas constataram um dado alarmante: cerca de 70% dos sobreviventes da poliomielite tinham os sintomas da síndrome pós-pólio.

Existem várias teorias que tentam explicar a origem da síndrome. Chegou-se a pensar que o vírus teria de alguma forma resistido no organismo e voltado a atormentar os sobreviventes da doença. Mas a busca pelo poliovírus no sangue dos pacientes mostrou-se infrutífera. Hoje, a hipótese mais aceita é a de que a síndrome esteja relacionada à sobrecarga dos músculos e das articulações. Os neurônios motores sofrem uma espécie de esgotamento, devido ao grande trabalho que tiveram para proporcionar movimentos do corpo perdidos com a infecção do vírus da pólio.





Os sintomas da síndrome são facilmente confundíveis com stress e depressão. As atividades do dia-a-dia passam a se tornar esgotantes, os músculos parecem não agüentar o mínimo esforço. O mais agravante é o total desconhecimento dos profissionais de saúde em relação à doença. A escritora Solane Carvalho, de 42 anos, que mora em Niterói, peregrinou por vários médicos até chegar ao diagnóstico correto. Ela teve poliomielite com 1 ano e meio de idade e ficou com a perna esquerda paralisada. Cinco anos e 15 cirurgias depois, voltou a andar de muletas. Levava uma vida normal, até dirigia. Aos 37 anos, começou a sentir cansaço e muito incômodo nos ombros. ''Tinha distensão muscular com qualquer movimento brusco que fazia. Vivia nas emergências de hospitais e não sabia o que era'', conta Solane. ''Suspeitavam que eu tinha anemia, artrite, depressão. Até a uma geriatra eu fui.'' Demorou dois anos até que Solane se desse conta de que tinha síndrome pós-pólio. Para se sentir melhor, começou a economizar o máximo de energia. Passou, por exemplo, a se locomover em cadeira de rodas há um ano. ''A cadeira me resgatou prazeres, como fazer compras, que eu tinha perdido por causa das dores'', afirma.


POUPANDO ENERGIA


Solane adotou a cadeira de rodas e Cerignoni adaptou os móveis

14 comentários:

  1. O meu interesse pelo assunto da sindrome pos-polio depois que fiz algumas leituras e percebi alguns sintomasc estranhos no meu corpo parecidops com uma gripe.O ano passado .
    Devido a correria da faculdade passei a sentir um cansaço fora do normal.em seguida tive algo parecido com stress.Os meus dedos passaram a chicotear.No entanto so sintomas sumiram.
    Nao estou dizendo que tenho sindrome pos polio , porem é bem melhor ficarmos atentos.sai pela internete pesquisando e ja tirei algumas conclusoes.Infelizmente ainda ha um desconheciemento por parte da medica,. mas especificamento os medicos.Temos percebido algumas mudanças , pois essa sindrome torna a pessoa um pouco incapacitante.Aqui na minha cidade ,Caicó ja tive de presenciar a morte de dois amigos meus que tinha deficiencia.A morte acontecia apos uma consulta medica e acredito depois do uso de medicamentos inadequados.calro que o medo persegue a nossa mente.Mas para supera-lo a informnaçao é a melhor defesa na questao do entendimento.
    Outra coisa gostaria de informa-los que estou publicando uma materia de voces no meu blog.Acho que merece divulgar um trabalho tao serio como o de voces.

    ResponderExcluir
  2. PREZADO AMIGO, O BLOG É NOSSO E SERVE PARA LUTARMOS POR UM ATENDIMENTO MELHOR E QUALIFICADO, EM SAO PAULO NA UNIFESP- LABORATORIO DE NEUROMUSCULAR TEM COMO MEDICO O DR PROF ACARY LA VOCE TERA UM ACOMPANHAMENTO E OU INDICAÇÃO PARA TRATAMENTO DA SPP BEM COMO O DIAGNOSTICO CORRETO. PARA VOCE ENTENDER MELHOR EXISTE NO BLOG UM LINCK ONDE EM PDF TEM UMA CARTILHA INFORMATIVA SOBRE SPP PRODUZIDA PELA EQUIPE DO DR ACARY.
    GRANDE E FRATERNO ABRAÇO.

    ResponderExcluir
  3. Estou triste pela desinformação dos médicos e profissionais da saude aqui no rs. Estou com sintomas bem agravados e perícias medicas são negadas em função do desconhecimentos dos medicos peritos. Percebo que os médicos confundem ssp com sequelas da polio que são doenças destintas.
    Gostaria de ter maior infomação.
    Muito obrigada.
    Mari ruppenthal

    ResponderExcluir
  4. mari estou lhe encaminhando em anexo um documento que deveras levar para a pericia medica quando fores marcar e fazer, este documento mostra que existe uma norma interna para a SPP , tambem esta incluso manual sobre a SPP que foi redigito pela Unifesp equipe do Dr Acary que é o medico e professor especialisado em SPP bem como uma apostila feita por uma pessoa que tem SPP e luta tambem para o perfeito reconhecimento desta doença.
    Caso voce desejar fazer exames laboratoriais para o diagnostico da SPP o local onde estou fazendo é em Sao
    Paulo na Unifesp com um atendimento espetacular.
    Grande abraço e continue a lutar por seus direitos

    ResponderExcluir
  5. descobrir que tou com a sindrome pós-poliomelite os peritos negam dizem que eu não tenho nada ,não consigo mais trabalhar tou passando por dificuldaes,a cada dia mi sinto mais fraca o medico tambem paresse não conhecer a doença,o que devo fazer?por favor mi ajuda ja tou entrando em desespero muitos acham que eu tou com preguiça devido ao meu cansaço e desanimo,o que faço?

    ResponderExcluir
  6. O ideal seria voce ter em maos exames e marcar uma consulta para diagnostico de spp em são paulo na unifesp com a equipe medica do dr acary.
    Voce mora perto da unifesp ou longe?
    A unifesp fica em são paulo capital.
    Posso lhe passar o endereço caso voce queira.
    Com exames em maos tambem poderia ajuizar uma ação na justiça exigindo reparação. Ja estão concedendo aposentadoria baseado em laudo de spp.
    Estamos esperando sua resposta.
    Lutar sempre ,desistir jamais.

    ResponderExcluir
  7. Este é o endereço para marcar avaliação de SPP UNIFESP Avaliação de Síndrome Pós-Poliomielite AGENDE ANTES Ligue com o cartão do SUS em mãos As 2º, 4º e 6º feiras das 9:00 às 15:00h Local: Rua Estado de Israel,899 Fone: (11) 5571 3324 Vila Clementino - São Paulo Paralela a Rua Sena Madureira na altura da Marinha. Tenha boa sorte e que suas duvidas sejam sanadas. Grande e fraternal abraço

    ResponderExcluir
  8. moro em Brasilia,não tenho condições finaceiras para ir até São Paulo,será que aqui em Brasilia tem algum medico que entenda do assunto?ja tive que sair do trabalho,minha perna a cada dia que passa ta afinando mais,as vezes nem consigo andar direito,a fadiga aumenta a cada dia,ja marquei outra pericia medica.o ortopedista madou que eu continuasse com a fisioterapia,a cada dia sinto mais depresiva,tenho que tomar remedio pra dormir ,meu amigo é tanta coisa que tou sentindo,tenho muito medo de ficar sem andar novamente,mais sigo emfrente conto com sua ajuda,mi explicando mais sobre o problema,em todo caso vou ver se consigo ajuda para ir até São paulo,fico muito grata pela atenção,que Deus o abençõe,não dezistirei da minha luta.

    ResponderExcluir
  9. Amiga, voce pode solicitar junto ao seu medico assistente que pode pedir TFD (tratamento fora do domicilio) sendo as despesas decorrentes da ida e volta bem como hospedagem o governo paga, existe lei federal para isso. Tente desta maneira , caso nao consiga vamos tentar outro modo.
    Vou perguntar para a Dra Tatiana de São Paulo se ela conhece lugar perto ou em brasilia.
    Grande e fraternal abraço.
    LUTAR SEMPRE, DESISTIR JAMAIS.

    ResponderExcluir
  10. Luiz Baggio 28 de julho de 2011 22:12
    Paulo, ela pode acionar o MP para garantir esse benefício. Aliás o Ministério da Saúde fez capacitação de médicos do SUS. Portanto, o Sistema não pode ignorar a SPP e deve oferecer alternativa de atendimento lá ou aqui.

    ResponderExcluir
  11. o que quer dizer mp?quanto ficaria a consulta ai na unifesp?o exame so faz ai mesmo?minha pericia foi marcada para o dia 1 de setembro,o que devo levar para mi ajudar na pericia?tou bastante depresiva e anciosa,não consigo dormir,devo procurar um pisiquiatra,ou posso tomar algum calmante?hoje amãnhecir sentido muitas dores as vezes fico toda dormente é horrivel.aguardo resposta que Deus o abençoe!Desistir jamais!!!!

    ResponderExcluir
  12. TFD- TRATAMENTO FORA do DOMICILIO este deve ser solicitado pelo seu medico assistente e sera analizado por junta medica. Quanto a ir solicitar calmante acho que deves procurar apoio e remedios para amenizar suas dores e ansiedades , nunca deixe de continuar o tratamento indicado.Ao INSS voce pode falar a eles que existe uma norma interna que trata da pericia medica para portadores de SPP (portaria 143 do INSS).Ideal seria conseguir laudo solicitando novos exames pela suspeita de SPP e com este levar junto na Pericia do INSS.
    abaixo um comentario de pessoa com SPP:

    Cida Guerra : Em Brasilia tem a Rede Sarah,mas infelizmente não fazem tratamento da SPP.Pelo conhecimento sei apenas da UNIFESP,mas pode conseguir pelo TFD TRATAMENTO FORA DO DOMICILIO é só procurar a Secretaria de Saúde e se informar como funciona.

    ResponderExcluir
  13. por favor mande seu email para meu email particular para que possamos manter contato.
    paulocadaval@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. Me chamo Mauro Sarmento e tive polio com 5 meses.
    Tenho 46 anos e estou muito cansado e com dor cronica pelo corpo.
    Lendo sobre a SPP acredito que tenho a sindrome.
    Gostaria de saber se existe algum centro que possa me auxiliar em Porto Alegre. De outra maneira eu irei a São Paulo em Janeiro e permanecerei por 5 dias. Posso fazer os exames.
    Agradeço esclarecimentos e parabenizo pela generosidade do seu coração.
    Meu email pessoal é:
    mauro@maurosarmento.com

    Forte abraço

    ResponderExcluir

PRIMEIRA VACINA

PRIMEIRA VACINA

FOTOS

FOTOS
NEUROMUSCULAR EM SÃO PAULO

Postagens populares

HIDROTERAPIA

HIDROTERAPIA