RELÓGIO

PARTICIPE SENDO UM SEGUIDOR DO BLOG

www.stepaway-polio.com

Google+

MAPA MUNDI

free counters

quinta-feira, 31 de março de 2011


DISQUE SAÚDE 0800 61 1997Ministério da Saúde 
Esplanada dos Ministérios - Bloco G - Brasilia / DF 
CEP: 70058-900
Caros profissionais de saúde:
Apresentamos a você a nova versão revista e atualizada do CD-ROM sobre a dengue.
Cientes da importância do combate a essa doença e do valor da sua atuação profissional no manejo da dengue trazemos neste CD-ROM uma série de imagens e vídeos coletados em trabalho de campo, além de entrevistas e textos sobre a doença.
Ao utilizar-se do conteúdo deste CD-ROM, todas as vezes que você visualizar esta página, e ao mesmo tempo estiver conectado à Internet, estaremos mapeando sua entrada.
Esperamos que ele possa auxiliá-lo no seu trabalho com os pacientes, na prevenção, e na formação das equipes de saúde.
Esse material foi elaborado pelo Ministério da Saúde, em parceria com a Secretaria de Vigilância em Saúde, a Secretaria da Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde e com o apoio da Sociedade Brasileira de Infectologia, Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Conselho Federal de Enfermagem e do Conselho Federal de Medicina.
Bom trabalho!
Não esqueça: Dengue. Se você agir, podemos evitar.
SAÚDE É BOM SABER
tOPO

Aqui você encontra informações de especialistas do Ministério da Saúde sobre como ter uma vida saudável e manter hábitos de promoção e proteção da sua saúde. Escolha uma das especialidades abaixo, navegue e saiba o que o Governo Federal, por meio do Ministério, tem feito para promover a sua saúde e de seus familiares.
DISQUE SAÚDE 0800 61 1997Ministério da Saúde 
Esplanada dos Ministérios - Bloco G - Brasilia / DF 
CEP: 70058-900


30/03/2011 , às 15h42 

Ministério incorpora recursos para procedimentos de Média e Alta Complexidade


O Ministério da Saúde estabeleceu, nesta terça-feira (29), o remanejamento de R$ 18,5 milhões do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC) para o Teto Financeiro de Média e Alta Complexidade de estados, municípios e Distrito Federal. Os recursos serão repassados anualmente, a partir de abril, a municípios de 24 estados e ao Distrito Federal. 

A portaria que estabelece a transferência foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira. O texto dá cumprimento à portaria 90, de 15 de março de 2011, que altera atributos, valor e tipo de financiamento na tabela de procedimentos, medicamentos e órteses, próteses e materiais especiais do SUS. 

Confira a portaria 568 
Da Agência Saúde – Ascom/MS 
61/3315-3713 / 3315-3987 / 3315-3580 

voltar

DISQUE SAÚDE 0800 61 1997Ministério da Saúde 
Esplanada dos Ministérios - Bloco G - Brasilia / DF 
CEP: 70058-900

30/03/2011 , às 17h45 

Ministério da Saúde libera recursos do Saúde da Família para 159 municípios


Foram habilitadas mais de 2,4 mil equipes e 18 mil agentes. Também foi publicada no DOU lista de equipes com duplicidade de cadastro em fevereiro 

O Ministério da Saúde publicou, nesta terça-feira (29), portarias que habilitam 2.460 Equipes de Saúde da Família (ESF) e mais 18.631 Agentes Comunitários de Saúde (ACS), para atuarem em 159 municípios brasileiros. Essa medida autoriza a liberação de recursos para os respectivos fundos municipais, com o objetivo de ampliar o acesso da população à atenção básica. O ministério trabalha no fortalecimento da Estratégia Saúde da Família, que já conta com uma cobertura de mais de 100 milhões de pessoas. 

Os valores repassados aos municípios integram o chamado Piso da Atenção Básica Variável, que prevê um incentivo que varia de R$ 76,8 mil a R$ 115,2 mil por Equipe de Saúde da Família e R$ 8,56 mil por Agente Comunitário de Saúde, ao ano. Atualmente são 31.883 ESF e 245.236 ACS atendendo no país. Junto às comunidades acompanhadas, as equipes desenvolvem ações de promoção da saúde, prevenção de agravos, diagnóstico e tratamento, recuperação, reabilitação de doenças. 

O Programa Saúde da Família é a principal estratégia do Ministério da Saúde para reorientar o modelo de atenção à saúde da população a partir da atenção primária. Equipes multidisciplinares ¿ formadas por um médico, um enfermeiro, um técnico ou auxiliar de enfermagem e até 12 agentes comunitários de saúde ¿ atendem as famílias de determinado território. 

FISCALIZAÇÃO - O Ministério da Saúde suspendeu o pagamento a 316 Equipes de Saúde da Família (ESB), 2.304 Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e 266 Equipes de Saúde Bucal (ESB) que apresentaram duplicidade no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES). A medida também foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (25) e dá transparência a fiscalização mensal realizada pelo ministério para liberar o incentivo aos municípios. Houve irregularidades nas informações prestadas por parte de 356 prefeituras, em relação ao mês de fevereiro. 

A transferência dos recursos é restabelecida assim que os gestores locais comprovarem ao Ministério da Saúde que as inadequações foram solucionadas. A medida não representa a interrupção do Programa Saúde da Família e Brasil Sorridente nestas localidades. Os municípios citados na portaria vão deixar de receber somente a parcela do incentivo correspondente às equipes e agentes com problemas. 

A suspensão é feita sempre que o ministério identifica irregularidades por parte das secretarias municipais de saúde, responsáveis diretas pela execução dos programas, ou é informado de eventuais impropriedades por órgãos de controle externo. O processo de fiscalização é feito regularmente e dá transparência na aplicação dos recursos conhecidos como a parcela variável do Piso de Atenção Básica (PAB). 

Confira portarias em:

http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=87&data=29/03/2011 
http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=29/03/2011&jornal=1&pagina=88&totalArquivos=232 
http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=29/03/2011&jornal=1&pagina=89&totalArquivos=232 
http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=29/03/2011&jornal=1&pagina=90&totalArquivos=232 
http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=101&data=29/03/2011 

31/03/2011 , às 16h47 

Brasil produzirá medicamento contra rejeição de transplantes de rins


Fiocruz produzirá ainda neste ano 9 milhões de comprimidos de Micofenolato de Mofetila. Custo será reduzido de R$ 1,87 para R$ 1,67 
A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz, do Ministério da Saúde) assinou um acordo com a multinacional Roche que permitirá ao Brasil produzir o medicamento Micofenolato de Mofetila, indicado contra a rejeição de órgãos transplantados, principalmente rins. Ainda em 2011, a Fundação fornecerá 9 milhões de comprimidos ao Sistema Único de Saúde (SUS). A parceria com a Roche também prevê intercâmbio científico para o desenvolvimento de novos tratamentos e transferência de tecnologia para a produção de medicamentos contra câncer, doenças neurológicas e virais. 

O acordo levará a uma redução do preço praticado com o Ministério da Saúde (MS) durante o período de transferência de tecnologia (o valor passará de R$ 1,87 para R$ 1,67) e também propiciará o domínio de todas as fases do processo, incluindo a produção do insumo farmacêutico ativo (IFA). Com a incorporação do todo o processo de produção do medicamento, a estimativa é que o gasto anual do governo diminua nos próximos anos. A partir de 2012, a produção da Fiocruz atingirá 20 milhões de unidades por ano. 

O presidente mundial da Roche, Severin Schwan, e o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, participaram da assinatura, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro. Para o presidente da Fiocruz, o acordo com a multinacional permitirá aumentar a sustentabilidade do SUS e é mais um avanço no fortalecimento da política nacional de pesquisa e desenvolvimento (P&D), além de abrir oportunidade para outras parcerias. 

“Essa capacidade de diálogo e intercâmbio tecnológico e científico é fundamental para o país, trazendo benefícios para a população”. Gadelha lembrou que o projeto contribui para reduzir o déficit comercial brasileiro na área da saúde, e que a Fundação e o Brasil ganham ao firmar parcerias que tenham como contrapartida o investimento em ciência e tecnologia. “Estamos garantindo o acesso a medicamentos”, complementou. 

Segundo o diretor do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz), Hayne Felipe, o acordo possibilita à instituição incorporar novas tecnologias e aumenta sua autonomia. 

O presidente mundial da Roche, Severin Schawn, afirmou que espera desenvolver uma cooperação de longo prazo com a Fundação e o país. “É uma oportunidade para inovar e crescermos juntos. Por isso não penso em termos de meses ou em projetos de curto prazo. O Brasil é cada vez mais importante no mundo, e a Roche, que está aqui há 80 anos, quer ficar pelo menos mais 80”. 

O número de transplantes realizados no país apresenta crescimento sustentado nos últimos anos. Enquanto em 2003 foram realizados 12.722 procedimentos, em 2009 o Brasil contabilizou 20.253 cirurgias desse tipo – um aumento de 59,2%. Só no primeiro semestre de 2010, o número de transplantes de órgãos sólidos (coração, fígado, rim, pâncreas e pulmão) chegou a 2.367. A quantidade é 16,4% maior que o número de procedimentos realizados no mesmo período de 2009 (2.033 transplantes). 

A Roche é uma empresa suíça e ocupa a sétima posição no ranking das maiores empresas farmacêuticas em âmbito mundial, com um faturamento de 49,1 bilhões de francos suíços (US$ 50,7 bilhões) e investimento em pesquisa e desenvolvimento de 9,9 bilhões de francos suíços (US$ 10,3 bilhões), em 2009. A multinacional atua nas áreas de medicamentos e diagnósticos, com foco em oncologia, infecções virais, disfunções dos sistemas metabólico e nervoso central e doenças inflamatórias. Em 2009, com a aquisição da Genentech, empresa líder em biotecnologia, por US$ 46,8 bilhões, a Roche assumiu também a liderança no setor de oncologia. 

Da Agência Saúde – Ascom/Fiocruz 
21/2270-5343 




Pedra maia não anuncia fim do mundo em dezembro de 2012
PUBLICIDADE
DA FRANCE PRESSE
A pedra do calendário maia, interpretada erroneamente como um anúncio do fim do mundo marcado para dezembro de 2012, foi apresentada na Tabasco, no México, nesta semana.
Formada de pedra calcária e esculpida com martelo e cinzel, a peça está incompleta.
"Em nenhum de seus lados diz que em 2012 o mundo vai acabar", enfatizou José Luis Romero, subdiretor do Instituto Nacional de Antropologia e História.
Há uma inscrição com data de 23 de dezembro de 2012, o que provocou rumores de que os maias teriam previsto o fim do mundo para este dia. Até uma produção hollywoodiana, "2012", foi lançada apresentando esse cenário de Apocalipse.
"No pouco que se pode ler, os maias se referem à chegada de um senhor dos céus, coincidindo com o encerramento de um ciclo numérico", explicou Romero.
A data gravada em pedra se refere, na verdade, ao Bactum 13, que significa o início de uma nova era, insistiu Romero.
Renè Alberto Lùpez-29.mar.2011/AFP
Descrição: Data de 23 de dezembro de 2012 incrustada em pedra (foto) se refere ao início de uma era, e não ao fim do mundo
Data de 23 de dezembro de 2012 incrustada em pedra (foto) se refere ao início de uma era, e não ao fim do mundo


video
video
video
Previdência Social

PAGAMENTO: INSS começa o pagamento para quem recebe acima do piso nesta sexta-feira (1º)
Segurados que têm cartão com final 1 ou 6 recebem nesta data
31/03/2011 - 10:50:00



Da Redação (Brasília) – O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) deposita nesta sexta-feira (1º) os benefícios dos aposentados, pensionistas e demais segurados que recebem acima do piso e têm cartão com final 1 ou 6 - desconsiderando-se o dígito. Nesta mesma data, o INSS deposita o pagamento para quem recebe até um salário mínimo e tem cartão com final 6, desconsiderando-se o dígito.

Cronograma – Os segurados do INSS podem acompanhar o calendário de pagamentos de 2011 pelo site da Previdência Social. Basta acessar o ícone “Agência Eletrônica: Segurado” e seguir as datas pela tabela de pagamento de benefícios de 2011. Cartazes com o cronograma também foram distribuídos à rede bancária e às Agências de Previdência Social. 

Previdência Social



PERÍCIAS: Presidente do INSS apresenta nova metodologia ao CNPS
Afastamentos por menos de 120 dias não precisariam de perícia médica
30/03/2011 - 16:17:00


Da Redação (Brasília) – Nova proposta para a realização de perícias médicas foi apresentada pelo presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Mauro Hauschild, nesta quarta-feira (30), ao Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS). “Não é uma proposta definitiva. É um indicativo de que estamos preocupados e estamos discutindo com o CNPS a possibilidade de construir algo melhor para a sociedade”, afirmou o presidente do INSS.

O novo modelo prevê a concessão de auxílio-doença previdenciário, com afastamento de até 120 dias, sem a necessidade da realização de perícia médica. A nova metodologia proposta atinge apenas os segurados obrigatórios (empregado, contribuinte individual, avulso, doméstico e segurado especial) em atividade nos últimos 36 meses antes do requerimento do benefício. Mauro Hauschild explica que o estabelecimento desse prazo se deve ao fato de que 84% dos auxílios-doença têm duração máxima de 120 dias e que, do total de benefícios requeridos, 68% são concedidos administrativamente.

Com as novas medidas, 1,1 milhão de perícias iniciais deixariam de ser realizadas anualmente. “Os peritos poderiam ser aproveitados em outras ações, como a revisão de aposentadorias por invalidez e a revisão dos benefícios concedidos via judicial”, ressaltou Hauschild. Ele acrescentou que estudos preliminares indicam que, caso essas revisões fossem feitas, o INSS teria uma economia anual de R$ 1,7 bilhão.

De acordo com a nova proposta feita pelo INSS, o segurado com um atestado de incapacidade, emitido por um médico da rede pública ou particular, agendaria um atendimento na Agência da Previdência Social para lançamento dos dados do atestado no sistema. Em seguida, seria feito um monitoramento por amostragem, via sistema do INSS e, por fim, o reconhecimento do direito, que seria comunicado ao segurado. Os benefícios concedidos também seriam monitorados por amostragem. “Hoje, a informatização do sistema nos dá segurança em termos de monitoramento”, garante Filomena Gomes, diretora de Saúde do Trabalhador do INSS.

Dentre os critérios de segurança do novo modelo proposto, o INSS poderá, a qualquer momento, convocar o titular do benefício para avaliação por peritos do instituto. Além disso, sendo constatadas irregularidades, o INSS responsabilizará o beneficiário e o médico que emitiu o atestado de incapacidade.

Ficam de fora das novas regras os segurados com menos de 35 contribuições, os contribuintes facultativos, os desempregados, os casos de afastamento decorrente de acidente de trabalho e as indicações de afastamento superiores a 120 dias. Todos esses casos continuariam com o modelo atual, ou seja, com a realização de perícias médicas.

Segundo o presidente do INSS, essas medidas foram propostas por causa da insatisfação do segurado com o modelo atual de concessão de benefícios por incapacidade, pela reincidência da violência contra os peritos-médicos e pelo grande número de perícias iniciais realizadas pelo instituto. “Muito se fez pelo atendimento, agora, muito temos a fazer para melhorar os serviços”, declarou Mauro Hauschild


ATUAL MODELO
NOVA PROPOSTA
A quem se aplica: TODOS os segurados
A quem se aplica: Requerimentos de benefícios de auxílio-doença previdenciário para segurados obrigatórios (empregado, contribuinte individual, avulso, doméstico, segurado especial)
Requisito específico: Estar em atividade nos últimos 36 meses* antes do requerimento.
0 a 15 dias – pago pelo empregador (segurado empregado).
Acima de 15 dias – Qualquer requerimento depende de realização de perícia médica (inicial, pedido de prorrogação e pedido de reconsideração).
0 a 15 dias – Pago pelo empregador (segurado empregado).
Acima de 15 dias e até 120 dias* - O médico assistente do segurado (SUS ou particular) emite atestado de incapacidade de, no máximo, 120 dias*.
Acima de 120 dias* - A perícia médica é realizada (inicial, pedido de prorrogação ou pedido de reconsideração).
* Os prazos contidos na proposta são apenas sugestão do INSS, podendo ser alterados posteriormente.
Informações para a imprensa
Talita Lorena
(61) 2021.5113
Ascom/MPS

quarta-feira, 30 de março de 2011

Previdência Social
FORMALIZAÇÃO: BNDES lança chamada pública para pesquisa sobre o empreendedor individual

O objetivo das pesquisas é traçar o perfil deste público para subsidiar o desenvolvimento de ações voltas para o programa
30/03/2011 - 09:36:00


Da Redação (Brasília)- O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no âmbito do acordo de cooperação técnica firmado com o Ministério da Previdência Social (MPS), lançou chamada pública para o financiamento de pesquisas sobre a adesão dos trabalhadores informais ao Programa do Empreendedor Individual.

“O programa tem alcançado grande sucesso na inclusão previdenciária, mas ainda temos muito que avançar para trazer mais empreendedores para a formalidade. A nossa ideia é conhecer melhor esse público; para isso, precisamos fomentar a academia para a realização de estudos acerca deste tema”, destacou o secretário de Políticas de Previdência Social do Ministério da Previdência, Leonardo Rolim.

Prazos - As instituições brasileiras que se enquadram nos requisitos para realizar as pesquisas têm até o dia 28 de abril para esclarecer as dúvidas. As consultas prévias devem ser preenchidas segundo o roteiro de informações específico e ser entregues diretamente no protocolo do BNDES até 13 de maio. Para mais informações, acesse o link

Exigências - As pesquisas científicas irão avaliar o impacto da formalização sobre a demanda de crédito, geração de emprego e receita fiscal. As informações levantadas deverão incluir dados sobre os perfis dos proprietários e empregados, como nível de instrução, carga horária de trabalho, grau de escolaridade, entre outros, bem como dados sobre a geração de empregos e rendimentos, acesso ao crédito, investimentos, dificuldades encontradas nos negócios etc. Os estudos devem abordar também as possíveis razões que ainda impedem a formalização de trabalhadores no país.

Informações para a Imprensa
Ligia Borges
(61) 2021-5113
Ascom/MPS

Linhaça X Emagrecimento -Jornal Hoje- 02/11/2009

Convivendo com o Diabetes - Pfizer

UMA VIAGEM VASCULAR - COLESTEROL - HDL - LDL - ATEROSCLEROSE

Berselli e Kinran desenvolveram DIABY – medidor de glicemia sem furar o dedo

Diaby
Estudos feitos com mães de crianças e adolescentes portadores de diabetes, com o objetivo de identificar os recursos disponíveis e de analisar as dificuldades que essas mães encontram para o controle domiciliar, demonstram que os instrumentos e equipamentos utilizados no domicílio para o controle do diabetes são escassos e, quando disponíveis, não são manuseados adequadamente.

Para ler legendas no seu idioma, clique Arrow Up, em seguida, percorra mais Arrow Left.
Hoje, existe Diaby, um projeto assinado por Maral Kinran e Stefania Berselli do Politécnico de Milão, vencedor do premio Samsung Design Award 2008.
Diaby è um relógio digital de pulso, que tem a capacidade de medir o nível de glucose no sangue, sem a necessidade de furar o dedo, utilizando uma tecnologia a infra-vermelho. A interface é simples e de compreensão imediata, graças, também, à utilização da linguagem gráfica. Diaby se recarrega com energia cinética, memoriza os dados glicêmicos e os transmite com bluetooth a um computador e envia os resultados para os pais da criança.
Mais Informações:

SERÁ QUE SOMENTE COM O EXERCITO FISCALIZANDO O ERÁRIO PÚBLICO É QUE VAMOS VER NOVAMENTE A MORALIDADE JUNTO AO GOVERNO?
A FALTA DE VERGONHA DE POLITICOS E GOVERNANTES É ENORME E ACHO QUE COM MÃOS DE FERRO (MILITAR) NOSSO DINHEIRO SERÁ EMPREGADO DE MANEIRA CORRETA PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOSSO AMADO BRASIL.


MAIS RESPEITO AO NOSSO DINHEIRO

Após atrasos e superfaturamento, até que enfim, o Exército vai fiscalizar obras do Metrô de Salvador!

Publicada em 25/03/2011
Ibahia, O Globo
Trens já estão comprados, mas não circulam no Metrô de Salvador - Arquivo
SALVADOR - As obras do Metrô de Salvador, que se arrastam há 11 anos, (onze anos? esta óbra foi inicida em 1977. São 14 anos! )terão a fiscalização das Forças Armadas. O Exército foi chamado pela própria prefeitura da cidade para acompanhar o trabalho. Segundo informou a secretaria de Comunicação da prefeitura ao GLOBO, a presença do Exército é uma forma de dar maior transparência à obra, marcada por desvios de dinheiro, corrupção e superfaturamento.
Até o fim de abril, deve sair o primeiro relatório feito pelo Exército sobre o orçamento. O documento será analisado pelo Tribunal de Contas da União, que já chegou a suspender a liberação de recursos, por ter identificado um sobrepreço de R$ 110 milhões na obra. Nesta quinta-feira o general responsável pela avaliação, Rosalvo Leitão de Almeida, já se reuniu com o prefeito de Salvador, João Henrique, e com o chefe da Casa Civil, João Leão.
O Metrô de Salvador foi lançado no ano 2000 e a previsão era de que, a um custo de R$ 325 milhões, os quase 12 quilômetros de trilhos fossem entregues para a cidade em três anos e meio. Onze anos depois, a construção já consumiu R$ 585 milhões e apenas 6,5 km foram concluídos, mas não funcionam.
Desde então, casos de má gestão, superfaturamento, desvio de recursos e alterações no projeto original foram descobertos. No ano passado, o Ministério Público Federal propôs a ação por improbidade administrativa contra seis construtoras e 11 ex-gestores por suspeita de irregularidades, inclusive na licitação. Entre outros absurdos, descobriu-se que só para guardar os vagões num galpão, durante um ano e nove meses, gastou-se R$ 1,5 milhão.
" Foi preciso o Exército interferir para resolver um problema desse, que poderia ser resolvido tempos atrás "
Segundo os administradores da obra, ainda faltam R$ 80 milhões para terminar a obra. O dinheiro já está disponível, mas agora vai depender da avaliação do Exército para ser liberado. O Tribunal de Contas da União, em parceria com o Departamento de Engenharia do Exército, vai analisar o que realmente falta para o metrô funcionar e fiscalizar a aplicação do dinheiro.
O que mais preocupa é que faltando pouco mais de três anos para a Copa do Mundo, ainda não se sabe de fato quando esse transporte vai começar a funcionar na capital baiana.
- Foi preciso o Exército interferir para resolver um problema desse, que poderia ser resolvido tempos atrás - diz Paulo França, morador de Salvador.
- Com tudo que já foi gasto até agora e nada? - observa Evanício Lopes, aposentado.
- Faltam três anos para Copa e não saiu. Imagine em qual dia vai sair o metrô - questiona Franciele Prata, auxiliar de enfermagem.
Na reunião desta quinta, o prefeito, o general e o o chefe da Casa Civil discutiram medidas para que os 6 km iniciais entrem em operação o mais rápido possível. A obra tem construção feita pela prefeitura, com participação do estado e recursos da União.
- Estamos na corrida para ampliar o sistema de locomoção da nossa população - disse o prefeito João Henrique.
O chefe da Casa Civil afirmou que a participação do Exército na avaliação das obras do Metrô vai garantir transparência no gerenciamento da obra.
Segundo o general do Exército, Rosalvo Leitão, a participação das Forças Armadas foi um pedido da Prefeitura junto ao Ministério das Cidades, com o aval do Tribunal de Contas da União (TCU).
- Estamos à disposição do município para ajudar no que for preciso e assim que avançarmos nas avaliações do orçamento da obra conversaremos detalhadamente com o consórcio Metrosal, o TCU e a Prefeitura - concluiu o general, que íntegra o Departamento de Engenharia e Construção do Exército.
Também esteve presente na reunião, o presidente da Empresa Metroviária de Porto Alegre (Trensurb), Marco Arildo Cunha, que vai trabalhar para que o início das operações do Metrô de Salvador aconteça o mais rápido possível.
- A ideia é montar uma estrutura para que o sistema tenha durabilidade - disse Cunha, que tem a experiência de transportar 190 mil passageiros/dia na capital gaúcha.
A Trensurb também deve ficar responsável pelo treinamento do pessoal de operação do Metrô de Salvador.

terça-feira, 29 de março de 2011

Bem-estar | 29/03/2011 | 06h11min

Oncofertilidade é uma nova subespecialidade da medicina que preserva a fertilidade de pacientes que se submetem a quimio ou radioterapia - Glaicon Covre / Agencia RBS

Oncofertilidade é uma nova subespecialidade da medicina que preserva a fertilidade de pacientes que se submetem a quimio ou radioterapia
Foto:Glaicon Covre / Agencia RBS

Nova área da medicina garante fertilidade após tratamentos de câncer

Oncofertilidade oferece várias alternativas, como congelamento de espermatozoides ou do tecido ovariano

A oncofertilidade é uma nova subespecialidade da medicina que tem o objetivo de preservar a fertilidade dos pacientes que se submetem a quimio ou radioterapia para tratamento de câncer. Segundo o médico urologista Alberto Stein, a radiação e as drogas utilizadas nestes casos causa danos nas células germinativas, podendo provocar a subfertilidade ou infertilidade, que pode ser transitória ou permanente.

— O paciente deve ser orientado a respeito antes de se iniciarem as terapias para combater o câncer e quem ainda não tem ou pretende ter mais filhos pode buscar a oncofertilidade — explica.

De acordo com o médico, a subespecialidade aborda várias alternativas, como o congelamento de espermatozoides, ovócitos e embriões, ou ainda o congelamento do tecido ovariano ou mesmo de parte do ovário da paciente (que é extraído por laparoscopia) e posteriormente é autotransplantado. Os procedimentos são todos rápidos e não retardam o início do tratamento.

— A procura está cada vez maior, pois os pacientes estão sendo cada vez mais bem orientados pelos médicos que mostrar a chance de cura da doença juntamente com a possibilidade de restabelecer suas vidas com qualidade depois da terapia, inclusive realizando até o desejo de ter filhos — analisa Alberto.

Conforme o urologista, mesmo para os pacientes que não preservaram a fertilidade antes de tratar o câncer existem técnicas específicas que podem auxiliá-los a ter filhos.

BEM-ESTAR

Estudante recebe transplante
completo de mão nos Estados Unidos

Cirurgia, que durou 19 horas, reconstruiu ossos, nervos, tendões e pele
Do R7
John Bazemore/APJohn Bazemore/AP
Ela está usando um suporte de alta tecnologia até conseguir dominar as funções do novo membro

Publicida
A estudante Linda Lu, de 21 anos, recebeu um transplante completo de mão na Escola de Medicina da Universidade de Emory, nos Estados Unidos. A cirurgia ocorreu no dia 12 de março, mas o resultado foi apresentado nesta segunda-feira (28).
Linda perdeu sua mão esquerda quando tinha apenas um ano de idade por causa da Síndrome de Kawasaki. Essa doença causa inflamação nas paredes dos vasos sanguíneos de várias partes do corpo. Ela também pode restringir o fluxo sanguíneo para extremidades do organismo, o que exige a amputação do membro.
A cirurgia durou 19 horas e envolveu duas equipes de profissionais, entre cirurgiões, anestesias e enfermeiras. Enquanto um grupo dava atenção integral à paciente, o outro cuidava do implante da mão esquerda.
Os médicos conectaram diversas estruturas entre o membro de Linda e o braço que ela recebeu, incluindo ossos, tendões, nervos, vasos e a pele.
Após a cirurgia, Linda ficou isolada durante 48 horas e agora está usando um suporte de alta tecnologia até conseguir dominar as funções do novo membro. Essa etapa de reabilitação está apenas começando e deve levar cerca de três meses, dizem os especialistas.
Segundo Linda, ela sabe que nunca terá um braço normal, mas espera que o implante possa ajudá-la nas atividades cotidianas.
- Eu estou cheia de emoções e não sei como descrever o que estou sentindo, se é felicidade, esperança ou gratidão.

PRIMEIRA VACINA

PRIMEIRA VACINA

FOTOS

FOTOS
NEUROMUSCULAR EM SÃO PAULO

Postagens populares

HIDROTERAPIA

HIDROTERAPIA