RELÓGIO

PARTICIPE SENDO UM SEGUIDOR DO BLOG

www.stepaway-polio.com

Google+

MAPA MUNDI

free counters

quinta-feira, 27 de maio de 2010

SOLICITANDO NOSSOS DIREITOS AO SUS

Solicitação de Serviço
062989-10-25


Serviço : Solicitações diversas - SMS
Cadastro Solicitação
SOLICITANDO NOSSOS DIREITOS AO SUS

Descrição : Não tendo atendimento por parte do SUS aqui em nossa cidade, busquei atendimento para a minha doença na cidade de São Paulo pela UNIFESP-NEUROMUSCULAR onde fiz consultas e me foi solicitados exames complementares que pelo nosso SUS não são pagos e sendo assim teria de retornar para o local que me foi feita a solicitação e que os exames são feitos na rede de hospitais sendo integralmente pagos pelo SUS. Sendo as passagens bem como local para ficar até a conclusão dos exames são caras e necessitando dar continuidade ao tratamento já diagnosticado por dois médicos neurologistas da UNIFESP que atestam a necessidade de tais procedimentos, O que solicito é que me seja dada a oportunidade de fazer estes exames aqui sem a necessidade do deslocamento ate SP. Caso se faça necessário remeto para a constatação as referidas solicitações para exames bem como o laudo dos médicos. Desde já e no aguardo , Muito obrigado

 LUTA CONTRA O DESCASO COM QUEM TEM SPP
MEU BLOG SOBRE SPP
 http://sindromepospolio.blogspot.com/
SEJA UM SEGUIDOR DE MEU BLOG

quarta-feira, 26 de maio de 2010

VAMOS NOS UNIR

Estamos começando os primeiros contatos para o que será em um futuro proximo nossas solicitações atendidas.
Vamos com a ajuda da comunidade fundar aqui no RS uma associação para o apoio e tratar dos interesses daqueles individuos que possuem Póliomelite e estão ou estarão com SPP - Sindrome Pós Polio e que ate hoje ainda não temos atendimento por parte do SUS e também para aqueles que necessitarem de acompanhamento jurídico junto ao INSS para a solicitação de auxílio doença e ou aposentadoria por invalidez , já que a doença é incurável e se faz necessidade de descansos para manter a qualidade de vida.
Seja você também um colaborador de nossa iniciativa.
Contamos com sua ajuda

Contatos para :   paulocadaval@gmail.com
com o assunto :SPP

ACESSIBILIDADE EM PORTO ALEGRE-PLC

Acessibilidade: sugestões deverão virar emendas

A Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab) da Câmara Municipal de Porto Alegre deverá, a partir de agora, transformar em emendas as sugestões apresentadas pelo Grupo de Trabalho para Assuntos de Acessibilidade (GTAA) ao Projeto de Lei Complementar (PLC) do Executivo que institui o Plano Diretor de Acessibilidade de Porto Alegre. A garantia foi dada pelos vereadores da Cuthab, nesta terça-feira (25/5) à tarde, durante reunião que voltou a debater o projeto do Executivo.
O PLC, que propõe o estabelecimento de normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, deverá receber parecer da Cuthab antes de ir a discussão e votação em plenário. O projeto também dispõe sobre a acessibilidade orientada pelo desenho universal - concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender simultaneamente todas as pessoas - do Município. O presidente da Cuthab, vereador Elias Vidal (PPS), indicou o vereador Engenheiro Comassetto (PT) para ser o relator do parecer sobre a matéria na Comissão.

A arquiteta e urbanista Belkis Regina Menezes Moraes, representante do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do RS (Crea-RS) no GTAA, reafirmou as críticas feitas ao projeto, anteriormente, pelos integrantes do Grupo de Trabalho. Ela ressaltou a necessidade de que haja uma adequação do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental (PDDUA) de Porto Alegre aos critérios de acessibilidade. "O PDDUA passou recentemente por revisão e não incorporou questões de acessbilidade e desenho universal relativas ao Decreto Federal 5.296/2004", disse Belkis.
Segundo ela, é necessário que haja estudos sobre o impacto financeiro e orçamentário que permitam saber se é viável a aplicação da proposta do Executivo. O GTAA também reivindica que seja excluída da proposta de Plano Diretor de Acessibilidade toda a matéria que já esteja contemplada em legislação federal. "Sugerimos que seja organizado um seminário sobre o sistema de mobilidade urbana da Capital", disse Belkis.

Burocracia

Sergio Koren, do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), e Milton Oliveira, da Sociedade de Engenharia do RS (Sergs), manifestaram a preocupação de que a proposta do Executivo possa burocratizar mais ainda a tramitação de processos para execução de obras na cidade. "As dificuldades tendem a aumentar com a análise dos projetos por mais uma Secretaria (a Seacis)", disseram os técnicos.
Rebatendo as críticas feitas pelo GTAA, o secretário especial de Acessibilidade e Inclusão Social (Seacis), Tarcízio Cardoso, ressaltou que a proposta do Plano de Acessibilidade foi elaborado por um grupo de técnicos do Executivo municipal e não apenas pela Seacis. Cardoso disse que o Executivo aceita a discussão sobre o projeto, desde que ela seja feita de acordo com o processo legislativo, com propostas de emendas, pois o debate já foi feito em audiências públicas. Sobre uma possível burocratização na aprovação de projetos de obras pelo Município, o secretário informou que já existe uma proposta de reestruturação do organograma da Seacis. "O Plano visa a organizar a política de acessibilidade em Porto Alegre."
Coordenando a reunião, o presidente da Cuthab, vereador Elias Vidal (PPS), disse que as sugestões e alterações à proposta do Executivo devem ser encaminhadas a Cuthab para que sejam transformadas em emendas ao projeto, a fim de serem debatidas e votadas em plenário. Nilo Santos (PTB) comemorou "o fato histórico" de Porto Alegre ser a primeira capital brasileira a ter um Plano Diretor de Acessibilidade. Ele admitiu que o projeto possa ser aperfeiçoado a partir das discussões e emendas propostas, mas manifestou preocupação no sentido de acelerar o processo, "pois os cidadãos estão sendo privados do direito à acessibilidade". Segundo ele, o plano deve ser votado e aprovado.
Paulinho Rubem Berta (PPS) destacou a importância da cidade ter políticas públicas voltada às pessoas portadores de deficiência. Para o vice-presidente da Cuthab e relator do projeto, vereador Engenheiro Comassetto (PT), o plano deve transparecer o caráter transversal do tema "acessibilidade". Ele destacou que iniciativa do Executivo tem o mérito de provocar a discussão sobre o tema e lamentou que as políticas de acessibilidade não tenham sido discutidas na revisão do PDDUA. "Vou trabalhar para que meu relatório traduza a participação de todos nas emendas propostas", disse Comassetto.



Carlos Scomazzon (reg. prof. 7400)


Tipo PLCE


Nº Proposição (Matéria) 5


Data 24/09/2009


Autores Governo Municipal


Ementa Dispoe Sobre A Acessibilidade Orientada Pelo Desenho Universal No Municipio De Porto Alegre, Institui O Plano Diretor De Acessibilidade De Porto Alegre, Que Estabelece Normas Gerais E Criterios Basicos, Para A Promocao Da Acessibilidade Das Pessoas Com Deficiencia Ou Com Mobilidade Reduzida.


Situação Para Parecer


Sit. Plenária Em Tramitacao
Localização Cuthab Comissao De Urban,Transp E Habitacao


Dt. Chegada 10/03/2010
Documentos associados ao processo


Efetuar download de todos os documentos


http://200.169.19.94:4000/sisprotweb/processo_detalhe/103919?pagina_atual=1#Processo 04180/2009

CRÉDITOS DAS FOTOS

Código: 17703 - CUTHAB - 25/05/2010

Debate técnico sobre o projeto de lei que institui o Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre
Na foto: Belkis Moraes, Coordenadora do Grupo de Trabalho e representante do CREA
Foto: Maria Helena Sponchiado
Código: 17705 - CUTHAB - 25/05/2010
Debate técnico sobre o projeto de lei que institui o Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre
Foto: Maria Helena Sponchiado
O uso das fotos produzidas pela Câmara Municipal de Porto Alegre é livre. De acordo com a legislação em vigor, é obrigatório registrar o crédito.
ex.: Nome do Fotógrafo / CMPA

terça-feira, 25 de maio de 2010

Câmara aprova aposentadoria especial de pessoas com deficiência

Câmara aprova aposentadoria especial de pessoas com deficiência


28/04/2010

O Plenário aprovou na quarta-feira, dia14/04, o Projeto de Lei Complementar 277/05, que permite às pessoas com deficiência se aposentarem com menos tempo de contribuição à Previdência Social. No caso de deficiência moderada, os homens poderão se aposentar com 27 anos de contribuição e as mulheres com 22 anos. São três a menos que a regra atual. Se a deficiência for grave, a redução será de cinco anos: 25 anos para o homem e 20 anos para a mulher. A matéria segue para o Senado.
O texto aprovado unanimemente por 324 deputados é o de uma emenda do deputado Ribamar Alves (PSB-MA), relator do projeto pela Comissão de Seguridade Social e Família. O presidente Michel Temer elogiou o autor da proposta, o ex-deputado Leonardo Mattos. "Espero que ele esteja feliz com a aprovação desse projeto", afirmou.
Para contarem com o benefício previsto, os segurados terão de comprovar que possuíam a deficiência durante todo o período de contribuição. Para quem adquirir a deficiência após a filiação ao regime geral da Previdência, os tempos diminuídos serão proporcionais ao número de anos em que o trabalhador exerceu atividade com deficiência.

Grau leve

Ribamar Alves explicou que, a pedido do governo, não houve redução para os portadores de deficiência leve, porque nesses casos não há impedimentos e dificuldades que justifiquem um tempo menor de contribuição.
Segundo o deputado, um regulamento especificará o grau de limitação física, mental, auditiva, intelectual ou sensorial, visual ou múltipla que levará à classificação do segurado como pessoa com deficiência. O regulamento também definirá em que grau (leve, moderada ou grave) cada deficiência será enquadrada.
O texto aprovado já especifica, entretanto, que para efeitos do projeto a deficiência deverá restringir a capacidade de exercer diariamente um trabalho.

Aposentadoria por idade

A aposentadoria por idade também poderá ser requisitada com cinco anos a menos que a idade exigida atualmente, de 65 anos para homem e 60 para mulher. Tanto o homem quanto a mulher com deficiência deverão ter contribuído por um mínimo de 15 anos, devendo comprovar essa condição durante todo esse tempo.
Em todos os casos de aposentadoria especial, o grau de deficiência será atestado por perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a cada cinco anos.
No caso de agravamento da doença, o segurado poderá pedir uma perícia em tempo inferior a cinco anos. Isso possibilitaria a mudança de enquadramento de deficiência moderada para grave, por exemplo.


Renda mensal

A renda mensal das pessoas com deficiência aposentadas por tempo de contribuição será de 100% do salário de benefício. Na regra geral, o aposentado recebe 70%, podendo atingir o total se trabalhar mais cinco anos.
No caso da aposentadoria por idade, o provento a receber será de, no mínimo, 70%, mais 1% a cada doze meses de contribuição. Esse método deve-se ao fato de que a contribuição mínima exigida da pessoa com deficiência é de 15 anos na aposentadoria por idade. Portanto, o segurado que houver contribuído mais receberá mais.


Reportagem – Eduardo Piovesan
Edição – João Pitella Junior
Fonte: Agência Câmara de Notícias

Reunião Ordinária do Conade em Julho será transmitida ao vivo pela Internet

Reunião Ordinária do Conade em Julho será transmitida ao vivo pela Internet


19/05/2010

Com o apoio do Ministério Público Federal, o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência passará a transmitir em tempo real, pela Internet, as reuniões plenárias do Conade que são realizadas em Brasília, na sede da Procuradoria Geral da República. A ação inédita possibilitará que os diferentes conselhos, ministérios públicos, entidades de defesa de direitos e brasileiros de forma geral acompanhem as discussões e deliberações do Conselho Nacional, possibilitando a diminuição das distâncias e instrumentalizando todas(as) a participar e acompanhar mais efetivamente das políticas públicas de nosso país.
O Conade é um órgão paritário e deliberativo integrante da estrutura básica da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República que tem por principal competência acompanhar e avaliar a política nacional para integração da pessoa com deficiência e as políticas setoriais ligadas a esse segmento.
Em conversa mantida com a Presidente do Conade momentos antes da 199ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Humana, Drª Gilda Pereira de Carvalho, Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão, responsável por essa ação inédita, confirmou que a transmissão das reuniões ao vivo, pela Internet, já está assegurada..
A parceria do Conade com a PGR ocorre desde 2006 e, para a Presidente do Conade, Denise Granja, “ela é um exemplo de construção conjunta e exitosa. Possibilitando a transmissão ao vivo pela Internet, a PGR dá mais um passo e uma contribuição efetiva para a democratização da informação em nosso país”.

A 69ª Reunião Ordinária do Conade será realizada nos dias 15 e 16 de julho.

Fonte: Conade

Cadeirante passa em primeiro lugar em concurso mas não é chamado

Cadeirante passa em primeiro lugar em concurso mas não é chamado


19/05/2010

A explicação que parece mais óbvia é preconceito. O veterinário aprovado já tinha desempenhado função semelhante antes.
O que explica o segundo colocado em um concurso público ser chamado antes da pessoa que ficou em primeiro lugar? O caso aconteceu e chamou atenção no interior de São Paulo.
A explicação que parece mais óbvia é preconceito. É que o candidato é portador de deficiência física é cadeirante. Mas, no edital do concurso nada dizia que ele não poderia participar. Ao contrário, até havia vagas reservadas para deficientes. Decidido a superar mais este obstáculo, ele agora busca ajuda da Justiça.
O médico veterinário que trabalha na prefeitura de Jales, a 600 quilômetros de São Paulo, já se acostumou às dificuldades para se locomover. Mas o obstáculo mais difícil que ele já enfrentou não é uma barreira física: é precisar provar que é capaz de trabalhar na função para a qual prestou concurso e passou em primeiro.
João Paulo quer trabalhar como fiscal do Conselho de Medicina Veterinária, que controla o exercício da profissão. O médico veterinário, que já trabalhou em função semelhante no Paraná, acompanhou passo a passo a publicação dos convocados. Para surpresa do candidato, o segundo colocado foi chamado antes dele.
“Tem que falar para outras pessoas que você é capaz. Isso é muito frustrante”, reclama o veterinário João Paulo Fernandes Buosi.
Inconformado com a situação, João Paulo decidiu procurar o Ministério Público Federal. Só quando a Procuradoria da República entrou no caso, o Conselho de Medicina Veterinária do estado de São Paulo decidiu chamar o candidato para uma perícia médica que vai dizer se ele pode ou não exercer a atividade.
“Na hora de fazer o concurso, a documentação mostrou que ele estava apto. Ele foi aceito pelo conselho. Simplesmente depois de aprovado, a ordem de classificação foi ignorada e ele não foi nomeado”, explica o procurador da República Thiago Lacerda Nobre.
O representante do Conselho de Medicina Veterinária diz que o candidato não foi chamado porque não se enquadrava nos requisitos para o cargo, mas a posição será revista.
“A Procuradoria fez a recomendação e o conselho prontamente entendeu a necessidade de rever os seus atos e assumiu os erros administrativos. Está chamando o candidato para rever a situação”, declara o delegado regional do Conselho de Medicina Veterinária de São Paulo Fernando Buchala.
“É uma pessoa batalhadora que foi atrás dos direitos. Hoje eu posso dizer que graças a ele, que procurou o Ministério Público Federal e que permitiu a nossa atuação, ele está reintegrado no concurso e hoje pode continuar no processo seletivo”, diz o procurador Thiago Lacerda Nobre.
“É mais a sociedade incapaz de receber o cadeirante, não permitindo a acessibilidade, do que o cadeirante incapaz de se incluir”, fala o veterinário.
João Paulo já passou pela perícia médica, mas ainda não recebeu o resultado da avaliação. Imagine a frustração: ele se inscreveu em um concurso para uma função na qual já havia trabalhado, a inscrição foi aceita sem qualquer problema, ele passou em primeiro lugar e não foi chamado. Fica parecendo que o problema é dele e não de quem faz a seleção.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

portal.saude.gov.br

Saúde da Pessoa com Deficiência
Título Conteúdo  Curso inédito

O Ministério da Saúde (Área Técnica de Saúde da Pessoa com Deficiência) e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - pioneira e referência em pesquisas e tratamento da Síndrome Pós-Poliomielite no país - promovem, nos dias 12 e 13 de maio de 2010, o Curso de Capacitação em Síndrome Pós-Poliomielite (SPP), na cidade de São Paulo.
Esta já é a quarta turma do curso e participam médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais e equipes de vigilância à saúde. Até final de 2010 serão 1.000 profissionais capacitados. As inscrições estão abertas em todo o país no site da Unifesp.

A SPP é uma desordem do sistema nervoso que se manifesta em indivíduos que tiveram a poliomielite há mais de 15 anos. O paciente acometido apresenta fraqueza muscular progressiva, fadiga, dores musculares nas articulações, o que resulta na diminuição da capacidade funcional e no surgimento de novas incapacidades. Estimativas da Organização Mundial de Saúde apontam para 12 milhões de pessoas em todo o mundo com algum grau de limitação causado pela poliomielite.

Por iniciativa do Brasil, a SPP entrará na 11ª revisão da CID (Classificação Internacional de Doenças). Isto significa que a síndrome passa a ser reconhecida como uma enfermidade. Uma importante conquista e um marco. A Unifesp apresentou este pedido ao Centro Brasileiro de Classificação de Doenças em 2008.

Para divulgar as características da doença entre os profissionais e usuários do SUS, além do curso, o Ministério da Saúde, reeditou em parceria com a UNIFESP as publicações:

- Síndrome Pós-Poliomielite – Orientações para Profissionais de Saúde
- Nós os pacientes diagnosticados com Síndrome Pós-poliomielite apresentamos: Dicas

Para mais informações: http://proex.epm.br/eventos10/poliomielite/index.htm
Saúde da Pessoa com Deficiência
Título Conteúdo  Direitos no SUS

Assim como todo cidadão, as pessoas com deficiência podem procurar os serviços de saúde do SUS quando necessitarem de orientação, prevenção, cuidados ou assistência médica e odontológica
Toda pessoa com deficiência tem o direto de ser atendida nos serviços de saúde do SUS, desde os Postos de Saúde e Unidades de Saúde da Família, até os Serviços de Reabilitação e Hospitais. Tem direito à consulta médica, ao tratamento odontológico, aos procedimentos de enfermagem, à visita dos Agentes Comunitários de Saúde, aos exames básicos e aos medicamentos que sejam distribuídos pelo SUS.

É importante procurar uma Unidade de Saúde próxima ao local de residência, cadastrar-se como usuário e fazer uma avaliação do estado geral de saúde. Essa unidade básica será responsável pelo acompanhamento permanente de seus usuários.

As pessoas com deficiência são homens e mulheres de todas as faixas etárias, bebês, crianças, jovens e adultos. Todos devem ser acolhidos nas Unidades de Saúde e ter respondidas suas necessidades, sejam elas vinculadas ou não à deficiência que apresentam.

De acordo com suas características, as pessoas com deficiência têm direito ao encaminhamento para serviços mais complexos, a receber assistência específica nas unidades especializadas de média e alta complexidade, à reabilitação física, auditiva, visual ou intelectual, como também às ajudas técnicas, órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção de que necessitem, complementando o trabalho de reabilitação e as terapias.

As equipes das unidades especializadas de reabilitação devem ser multiprofissionais e trabalhar de forma interdisciplinar, envolvendo as famílias, as unidades básicas de saúde e as comunidades, buscando recursos locais que facilitem o desenvolvimento integrado de processos de inclusão da pessoa com deficiência.

sábado, 22 de maio de 2010

Sócrates.


“Eu não posso ensinar nada a ninguém, eu só posso fazê-lo pensar.”



Sócrates.





A UNIÃO FAZ A DIFERENÇA









Beijos no coração e alma.

BIGA A PRIMEIRA MOTOCICLETA PARA CADEIRANTES

Biga, Um Triciclo Projetado Especialmente para Cadeirantes

http://digitaldrops.com.br/drops/2007/09/biga-um-triciclo-projetado-especialmente-para-cadeirantes.html#comments







Biga, Um Triciclo Projetado Especialmente para Cadeirantes



O Biga, um triciclo sensacional que foi projetado com muita criatividade para melhorar a qualidade de vida de pessoas portadoras de necessidades especiais. Com o Biga pessoas com cadeira de rodas podem ter maior liberdade de locomoção do que em um veículo adaptado, pois tem as vantagens de não apresentar as dificuldades na entrada e saída do carro. O biga é um triciclo motorizado de três rodas com uma roda na dianteira e duas traseiras, dotado de todos os sistemas necessários para locomoção como sistema de freio, sinalização, iluminação, suspensão, e os demais que são exigidos por lei. A roda do motor é a dianteira, assim a parte de trás ficou toda para a rampa articulada que fica entre as duas rodas traseiras, bem próxima ao solo. Ao subir na rampa, o cadeirante fica firme no lugar graças ao peso da cadeira e dispositivos de aperto rápido. Na frente da cadeira de rodas existe um guidão, do mesmo tipo usado em motocicletas, com todos os comandos necessários para a dirigibilidade do triciclo. O banco do triciclo é sua própria cadeira de rodas. Quando acabar o passeio é só sair da mesma forma, sem qualquer necessidade de ajuda.
Segundo o seu autor, o projeto do triciclo para PNEs utiliza conhecimentos tecnológicos da Área de Mecânica Automotiva, Mecânica de Motocicleta, Mecânica Geral (Tornearia e Ajustagem), Soldas e Conhecimentos de Física (Resistência de Materiais). Ele aproveita para dizer que está preparando uma produção em série e se coloca à disposição para responder suas dúvidas pelo seu endereço de e-mail.
Atenciosamente



Oraci Silva da Costa


O&N - Triciclos Especiais

Para saber mais, envie um e-mail para   oraci.ms@gmail.com    com a palavra Biga no campo do assunto.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

O poder da palavra


O poder da palavra

Certa vez, um homem tanto falou que seu vizinho era ladrão, que o vizinho acabou sendo preso. Algum tempo depois, descobriram que o rapaz era inocente, ele foi solto, e, após muita humilhação resolveu processar seu vizinho (o caluniador).
No tribunal, o caluniador disse ao juiz: - comentários não causam tanto mal.... e o juiz respondeu: -Escreva os comentários que você fez sobre ele num papel, depois pique o papel e jogue os pedaços pelo caminho de casa e amanhã, volte para ouvir a sentença!
O homem obedeceu e voltou no dia seguinte, quando o juiz disse: - Antes da sentença, terá que catar os pedaços de papel que espalhou ontem! -Não posso fazer isso, meritíssimo! - respondeu o homem - o vento deve tê-los espalhados por tudo quanto é lugar e já não sei onde estão! Ao que o juiz respondeu: - Da mesma maneira, um simples comentário que pode destruir a honra de um homem, espalha-se a ponto de não podermos consertar o mal causado; se não se pode falar bem de uma pessoa, é melhor que não se diga nada!
Sejamos senhores de nossa língua, para não sermos escravos de nossas palavras.
'No mundo sempre existirão pessoas que vão te amar pelo que você é, e outras que vão te odiar pelo mesmo motivo. Acostume-se....'

Quem ama não vê defeitos. Quem odeia não vê qualidades e quem é amigo vê as duas coisas!!!

POS POLIOMELITE


"Casos registrados "Síndrome Pós-Poliomielite"


(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)
 
21/40. Lordosis torácico do paralítico e kyphosis lombar. Um relatório do caso.


Um exemplo do lordosis torácico da borne-poliomielite e do kyphosis lombar sem scoliosis é apresentado. Uma reversão verdadeira do contorno sagital normal da espinha é demonstrada. O tratamento cirúrgico deu um resultado gratificante. (+info)


22/40. hipnose para o & da síndrome do postpolio; Tipo-Um comportamento.


Muitas das centenas de milhares de sobreviventes da poliomielite estão desenvolvendo agora a síndrome do postpolio. Os sintomas incluem a fraqueza de músculo progressiva, a fatiga, resistência diminuída, dor da junção e de músculo, ganho de peso, dificuldades respiratórias, e distúrbio do sono, frequentemente precipitado ou agravado por um Tipo-Um teste padrão da personalidade. Um paciente do postpolio com Tipo-Um personalidade foi ensinado o self-hypnosis como um componente vital do tratamento. o teste do Pre-borne incluiu o perfil de estados do modo, do inventário da ansiedade do Estado-Traço, do inventário da raiva do Estado-Traço, e do inventário pessoal da orientação; o patient' o esposo de s foi entrevistado durante a continuação. Na continuação de 6 meses, as melhorias foram documentadas no nível da dor, depressão, auto-consideram, o self-acceptance, capacidade para o contato íntimo, a competência do tempo (que vivem no presente), a confusão, ansiedade, insónia, e na raiva do traço e do estado. Somente uma melhoria suave ocorreu na fatiga, e nenhuma melhoria foi encontrada no controle de peso. A continuação em 12 meses confirmou a manutenção das melhorias. O treinamento do Self-hypnosis pode provar extremamente útil para pacientes do postpolio e pode provar útil em modificar características centrais do Tipo-Um personalidade. (+info)


23/40. patologia da medula espinal da síndrome da Borne-poliomielite. Relatório do caso com immunopathology.


a síndrome da Borne-poliomielite (PPS) descreve o início clínico da fraqueza muscular progressiva muitos anos após a sobrevivência da poliomielite aguda do paralítico, frequentemente em grupos do músculo clìnica não afetados pelo processo original da doença. As descrições patológicas desta frequentemente desabilitação, mas não geralmente fatais prévios, síndrome foram scanty. Estes emfatizaram a presença de inflamação persistente ou nova nos meninges, na medula espinal, e nos músculos de pacientes afetados. A inflamação sugere diversas hipóteses patogenéticas, incluindo a infecção ativa persistente do poliovírus, o ataque auto-imune em elementos de sistema nervoso centrais e periféricos, ou a vulnerabilidade aumentada do tecido poliovírus-danificado às infecções novas. Nós temos examinado recentemente o sistema nervoso central de um paciente do PPS. O cabo mostrou que inflamatório crônico intraparenchymal perivascular focal infiltra. A mancha do Immunoperoxidase demonstrou que infiltra eram populações virtualmente puras dos linfócitos de B (immunopositive com anticorpo L26, e immunonegative com o marcador de célula T UCHL1 assim como o marcador HAM56 do macrófago). Havia os macrófagos raros (HAM56 immunopositive) e as nenhumas pilhas de T. O caráter do infiltra sugere que o PPS poderia ser uma desordem auto-imune negociada pelos anticorpos produzidos in situ, e não por um processo comunicado pelas células. As características patológicas importantes adicionais eram a presença nos chifres anteriores de spheroids axonal e da degeneração moderada de Wallerian nas colunas laterais. O cérebro era inteiramente normal, sem a perda detectável da pilha de gliosis nas cápsulas internas ou nos giros precentral. (+info)


24/40. classificação nacional do membro do hospital da reabilitação para o exercício, a pesquisa, e os ensaios clínicos em pacientes da borne-poliomielite.


Uma necessidade existe para uma classificação objetiva de pacientes da poliomielite para finalidades clínicas e da pesquisa que toma em consideração o focal, assimétrico, e freqüenta a natureza subclinical de lesões da poliomielite. A fim prescrever um programa seguro, eficaz do exercício, nós desenvolvemos (classes IV) um sistema de classificação membro-específico de cinco níveis baseado na história remota e recente, na examinação física, e em um estudo electrodiagnostic da quatro-extremidade (EMG/NCS). Classe eu os membros não tenho nenhuma história da fraqueza remota ou recente, da força normal, e de um EMG normal. Os membros da classe II não têm nenhuma história da fraqueza remota ou recente (ou se a história remota da fraqueza, recuperação cheia ocorreu), da força normal e da evidência do EMG da doença prévia da pilha de chifre anterior (AHCD). Os membros da classe III têm uma história da fraqueza remota com recuperação variável, de nenhuma fraqueza nova, da força diminuída, e da evidência do EMG de AHCD prévio. Os membros da classe IV têm uma história da fraqueza remota com recuperação variável, da fraqueza clínica nova, da força diminuída, e da evidência do EMG de AHCD. Os membros da classe V têm uma história da fraqueza severa com pequeno-à-nenhuma recuperação, força e atrofia severamente diminuída, e pouco-à-nenhumas unidades de motor no EMG. Em um estudo em perspectiva de 400 membros em 100 pacientes consecutivos da borne-poliomielite que atendem a nossa clínica, 94 membros (de 23%) eram classe mim, 88 (22%) eram classe II, 95 (24%) eram classe III, 75 (19%) eram classe IV, e 48 (12%) eram directrizes da classe V. para o uso desta classificação em um ajuste clínico/pesquisa são apresentados junto com anamneses da amostra e recomendações classe-específicas do exercício. (+info)


25/40. esclerose múltipla que apresenta como tarde a deterioração funcional após a poliomielite.


Nós descrevemos cinco pacientes com poliomielite precedente que desenvolveu a esclerose múltipla (dois definitivos e três suportados laboratório clìnica definitivos). Os sintomas iniciais da deterioração funcional desenvolveram um meio de 30 anos que seguem a poliomielite. A deterioração funcional inicial era devido à fraqueza progressiva do membro ou a mobilidade danificada e em três casos isto conduziu a um diagnóstico inicial da atrofia muscular da borne-poliomielite. O diagnóstico clínico tornou-se aparente com o desenvolvimento subseqüente de características clínicas características, incluindo o nervo ótico, o brainstem, o cerebelo, e a participação da medula espinal. A ocorrência da esclerose múltipla nestes pacientes emfatiza que a deterioração funcional atrasada pode ser aparentemente não relacionada à poliomielite precedente. Além disso, as características clínicas características podem ser mascaradas pelo prejuízo neuromuscular e ortopédico pre-existing severo que conduz ao atraso e à confusão diagnósticos com a síndrome clínica mal definido da atrofia muscular da borne-poliomielite progressiva. (+info)


26/40. síndrome de Postpolio. doença incomun na prática rural da família.


A síndrome de Postpolio é um sequela da poliomielite do paralítico considerado em aproximadamente 25% de vítimas da poliomielite. Porque os sintomas são não específicos, pode ser difícil diagnosticar. Começ a informação sobre o diagnóstico e o tratamento de condições incomuns em regiões rurais e remotas pode ser difícil, e os médicos encontram-se às vezes na posição de ser o " no local; expert." Os médicos devem fazer decisões difíceis com pacientes e suas famílias sobre terapias life-giving, diretrizes orientadoras avançadas, e semelhante. (+info)


27/40. Radiculopathies cervicais multilevel unilaterais como um efeito atrasado da poliomielite. Um relatório do caso.


Um radiculopathy cervical esquerdo-tomado o partido severo que se tornasse depois que um ferimento work-related é relatado. Porque isto envolveu o membro superior oposto a um sequela de longa data do postpolio, é sugestivo da síndrome do postpolio. O Work-up mostrou o stenosis adquirido multilevel esquerdo-tomado o partido do foraminal. Estas mudanças degenerative unilaterais eram muito prováveis o resultado do uso excessivo das junções apophyseal cervicais, a conseqüência do desequilíbrio do músculo criado pela poliomielite. Foi tratada com sucesso pela descompressão cirúrgica apropriada. (+info)


28/40. reabilitação pulmonaa com complicações respiratórias da síndrome do postpolio.


A reabilitação pulmonaa esforça-se para aliviar sintomas, melhorar o status funcional, e para realçar a qualidade de vida para pacientes com doença pulmonaa. Este artigo descreve a circunstância chamada síndrome do postpolio e suas complicações pulmonaas associadas. Quarenta e dois por cento dos respondentes a um exame nacional nos efeitos atrasados da poliomielite experimentavam os problemas novos relativos à respiração. A reabilitação pulmonaa, desenvolvida original para endereçar o prejuízo funcional e relacionado com a incapacidade à doença pulmonaa obstrutiva crônica, pode beneficiar pacientes com síndrome do postpolio. Um estudo de caso é apresentado. (+info)

29/40. dispnéia em uns anos pacientes após a poliomielite severa. O papel do teste cardiopulmonar do exercício.
dispnéia depois que a poliomielite pode ocorrer para uma variedade de razões, incluindo a doença neuromuscular e anomalias superiores da via aérea resultando da intubação prolongada, incluindo o stenosis, o tracheomalacia, e a paralisia tracheal do cabo vocal. Os estudos da rotina tais como o spirometry e medidas voluntárias máximas da ventilação (MVV) podem dar resultados semelhantes nestas circunstâncias. Nós apresentamos uma mulher dos anos de idade 50 que porque uma criança desenvolveu a poliomielite que exigiu a ventilação do tracheostomy e de pressão negativa. Trinta e nove anos mais tarde, desenvolveu a dispneia com spirometry normal mas diminuiu MVV. O laço do volume de fluxo mostrou aplainar dos membros inspiratory e expiratórios, consistente com uma obstrução de via aérea superior fixa ou uma fraqueza neuromuscular. O teste do exercício com medida de laços do volume de fluxo do exercício e de pressões respiratórias foi executado. O paciente era limitado ventilatório com aumento do volume de pulmão extremidade-expiratório com o exercício. Os laços do volume de fluxo confirmaram a limitação do fluxo. As pressões respiratórias não mudaram após o exercício máximo. Uma avaliação mais adicional confirmou a paralisia esquerda e o tracheomalacia do cabo vocal. Este paciente demonstra que as causas da dispnéia depois que a poliomielite pode ser multifactorial, e que a avaliação rotineira pode não explica o fator de limitação. Neste caso, o teste do exercício forneceu a introspecção valiosa no fator de limitação para este paciente e desde que dados úteis aconselhando e para uma gerência mais adicional. (+info)
31/40. Muscle o reforço em um assunto da borne-poliomielite com um programa high-resistance do peso-treinamento.



Uma mulher dos anos de idade 48 começou experimentar a fraqueza e a fatiga aumentadas de músculo na idade 44, 40 anos após o início da poliomielite aguda. A poliomielite aguda conduziu aos mais baixos músculos severamente fracos do membro e em conseqüência, tinha usado muletas por mais de 40 anos. Os sistemas assistidos por computador do transdutor da força foram usados para determinar a força de músculo isométrica. O quadríceps e os dorsiflexors esquerdos do tornozelo eram severamente fracos e não podiam gerar nenhuma força mensurável. A força de músculo isométrica de seus dorsiflexors direitos do tornozelo era 77 newtons (N) (aproximadamente 1/3 de normal); a força de músculo isométrica das flexores do cotovelo direito (171N) e das flexores esquerdas do cotovelo (160N) estava dentro da escala normal, embora se queixasse do enfraquecimento baseado em sua inabilidade escalar duas escadas de cada vez com muletas como foi usada a. Submeteu-se ao treinamento high-resistance do peso de seus dorsiflexors direitos do tornozelo e flexores esquerdas do cotovelo por um ano. O treinamento do peso era três vezes por a semana, cinco jogos de dez repetições por a sessão; a duração total da contração do músculo (com exclusão dos períodos de descanso) era dois e um meio de minutos por a sessão, 30 minutos por o mês. Força de músculo (N) foi remedido após quatro, oito, e 12 meses. A força de músculo de dorsiflexors direitos do tornozelo aumentou por 61%, visto que aquela das flexores esquerdas do cotovelo aumentou por 32% após um ano de treinamento do peso. Igualmente expressou um sentimento subjetivo da força de músculo aumentada. O músculo da duração High-resistance, curto que reforça programas do exercício deve conseqüentemente ser dado uma grande consideração na gerência da reabilitação dos músculos moderada fracos de assuntos da borne-poliomielite. (+info)


32/40. Stenosis espinal que apresenta como o " o syndrome" do postpolio;. Revisão de quatro casos.


O diagnóstico da síndrome do postpolio é baseado primeiramente em uma história completa suportada pela examinação clínica e do laboratório. Similarmente, a presença de um stenosis espinal occult pode ser suspeitada inicialmente por uma história da dor radicular lombar ou cervical progressiva, assim como a fraqueza concomitante da extremidade e/ou sinais myelopathic. As examinações electrodiagnostic apropriadas, incluindo potenciais e o electroneuromyography espinal-evocados somatosensory, assim como estudos da imagem latente, varredura computer-assisted do tomography, imagem latente de ressonância magnética e/ou myelography são tudo úteis em confirmar o diagnóstico clínico do stenosis espinal cervical ou do stenosis espinal lombar nos pacientes que igualmente podem ter tido uma história da poliomielite. Quatro pacientes (três homens e uma mulher) diagnosticados previamente como tendo a síndrome do postpolio foram consultados com predominate queixas da dor espinal e da extremidade assim como fraqueza de motor associada. Reconheceu-se subseqüentemente que estes pacientes, variando na idade de 45-65 ano, estavam apresentando realmente com stenosis espinal sintomático. Descobriu-se que dois pacientes tiveram o stenosis espinal cervical; os outros dois tiveram o stenosis espinal lombar. (+info)


33/40. síndrome de Postpolio--resposta ao deprenyl (selegiline).


Dois pacientes com síndrome do postpolio são apresentados. O Parkinson' suave desenvolvido primeiro caso; síndrome de s, para que foi tratada com uma combinação de levodopa/carbidopa seguida pela instituição do deprenyl. Uma melhoria inesperada nos sintomas da síndrome do postpolio foi anotada. O segundo paciente que era não afetado por Parkinson' a síndrome de s foi começada no deprenyl sozinho e relatou uma melhoria similar na sintomatologia. (+info)


34/40. Achalasia. Uma causa atrasada possível da disfagia do postpolio.


O alvo deste papel é descrever um paciente com problemas severos do postpolio que desenvolveram o achalasia. Um paciente dos anos de idade 66 veio a nossa observação para a disfagia severa. tinha sofrido da poliomielite do paralítico na idade de 7 meses e teve deficits residuais severos. Na idade de 62 apresentou com a dor repentina localizada na distribuição dos dermatomes C4 e C5 e em uma inabilidade sequestrar o braço esquerdo. Então, experimentou a somente disfagia ocasional e suave; seu esófago não foi dilatado e não foi esvaziado normalmente. Sobre os seguintes meses sua função muscular melhorou, mas a disfagia agravou-se. Nós encontramos um megaesophagus com uma aparência sigmoid e as características manométricas do achalasia. A dilatação pneumática produziu a boa definição da disfagia. Do ano uma manometria mais tarde mostrou a reaparição do peristaltismo após todas as andorinhas molhadas. Nos pacientes com disfagia do postpolio, a presença possível de achalasia deve ser considerada. (+info)


35/40. Reconhecendo a síndrome da borne-poliomielite.


A desordem consiste na fatiga acompanhada da dor nova de fraqueza de músculo e de músculo ou, para os pacientes cuja a poliomielite aguda tinha incluído da participação bolbosa, da dificuldade nova na absorção ou da mudança na voz. A epidemiologia permanece obscura, abastecendo a ansiedade entre sobreviventes da poliomielite. Contudo seu curso não é dràstica progressivo, e o prejuízo é geralmente limitado. (+info)


36/40. Arthrodesis comum Talonavicular para a instabilidade do forefoot da poliomielite do borne do paralítico.


Um paciente dos anos de idade 17 apresentou com deformidade do pé esquerdo do valgus do paralítico após a poliomielite. A instabilidade do Forefoot resultou de transferência do peroneus brevis ao segundo osso metatársico. Isto era secundário a abrir medial da junção talonavicular em conseqüência de tração desequilibrada do tendão transferido. O arthrodesis Talonavicular que segue um resection articular medial-baseado da cunha corrigiu a deformidade. (+info)


37/40. Uma associação entre a parte traseira lisa e as síndromes do postpolio: um relatório de três casos.


Os exemplos de três pacientes com uma história da poliomielite do paralítico na infância que desenvolveu a síndrome da parte traseira lisa antes ou depois a fusão espinal para a doença degenerative como adultos foi revista. A síndrome da parte traseira lisa, uma combinação de uma inabilidade estar eretas por causa da flexão para diante do tronco e da dor na parte traseira e/ou nos pés do ponto baixo, ocorrem tipicamente no ajuste do lordosis lombar diminuído em conseqüência da instrumentação da distracção da espinha para o scoliosis, a fratura vertebral, ou a doença degenerative. O foco foi coloc em determinar os fatores responsáveis para o desenvolvimento e/ou a persistência da síndrome da parte traseira lisa nestes pacientes apesar da manutenção, ou na restauração operativa parcial, do lordosis lombar. Considerando o papel essencial que a musculatura do extensor do tronco joga em manter a postura ereta, pode-se ser que um início novo da fraqueza (síndrome do postpolio) nesta musculatura represente um fator de contribuição principal à síndrome da parte traseira lisa nestes pacientes. Os cirurgiões da espinha que consideram procedimentos operativos nos pacientes com uma história remota da poliomielite do paralítico devem estar cientes do risco aumentado possível da síndrome da parte traseira lisa nesta população dos pacientes. (+info)


38/40. " Reticuloendothelial; activation" notável após o splenectomy para ITP e presença de uma assimetria da borne-poliomielite.


Um estudo radiocolloid foi realizado, após o splenectomy, em um homem dos anos de idade 75 que tivesse o purpura thrombocytopenic idiopático. O paciente, que não teve um aumento em contagens de plaqueta após a remoção do spleen ou após infusões da plaqueta, mostrou a acumulação radiocolloid nos pulmões e na medula. Isto sugeriu algum " activation" de pilhas reticuloendothelial, talvez circulando complexos imunes. O fémur esquerdo (local de um episódio da poliomielite muitos anos previamente) teve a tomada menos radiocolloid do que a direita. (+info)


39/40. Fraqueza de músculo laríngea nova na síndrome da borne-poliomielite.


Os autores descrevem as apresentações clínicas da fraqueza de músculo laríngea da borne-poliomielite em três pacientes com infecção prévia da poliomielite que apresentou com as queixas novas que incluem lentamente a dispnéia, a disfagia, e/ou o hoarseness progressivos. As avaliações por videostroboscopy laríngeo e electromiografia revelaram a fraqueza do abdutor e/ou do adutor do cabo vocal, a correia fotorreceptora glottic do posterior periódico em um caso, e, nos dois pacientes que concordaram à electromiografia, à evidência da enervação prévia e ao reinnervation nos músculos laríngeos. O tratamento foi dirigido na tentativa manter uma via aérea e aperfeiçoar a qualidade vocal. Um paciente tirou proveito do tracheostomy, de um tirado proveito do medialization do cabo vocal, e de um tirado proveito do resection de scarring interarytenoid. Os autores concluem que o diagnóstico da síndrome laríngea da borne-poliomielite está facilitado pela electromiografia laríngea. As intervenções dirigidas em manter uma via aérea apropriada e em aperfeiçoar a qualidade vocal podem ser úteis. (+info)


40/40. É a cirurgia bariatric eficaz no tratamento das síndromes neurológicas do deficit do motor?


FUNDO: As pessoas que sofrem das síndromes neurológicas do deficit do motor, tais como a esclerose múltipla, síndrome do postpolio, paralisia cerebral, myotonia ou curso, são em uma desvantagem particular se são igualmente morbidly obesos. Parece estar pouco na literatura médica que descreve o papel da cirurgia bariatric e a gerência destas circunstâncias. métodos: Nós oferecemos nossa experiência com seis tais pacientes. Todos tiveram variações do procedimento gastric do desvio. RESULTADOS: A perda de peso era completamente boa, em comparação com outros pacientes morbidly obesos. Todas as função melhorada notável seis, melhorada geralmente dramàtica. CONCLUSÕES: A manutenção a longo prazo do peso e a melhoria funcional não podem ser avaliadas neste grupo de pacientes. Se deve esperar a dificuldade em fazer uma avaliação a longo prazo na presença de uma doença debilitante de progresso. Os resultados a curto prazo eram bons, e nós acreditamos que a cirurgia bariatric deve ser oferecida a estes pacientes em uma base individual. (+info)

quarta-feira, 12 de maio de 2010



Hino de Porto Alegre






Autor: Breno Outeiral

Decreto nº 8451 de 24/07/84



Hino da Cidade


Porto Alegre Valerosa


Porto Alegre "Valerosa"


Com teu céu de puro azul


És a jóia mais preciosa


Do meu Rio Grande do Sul




Tuas mulheres são belas


Têm a doçura e a graça


Das águas, espelho delas,


Do Guaíba que te abraça




E quem viu teu sol poente


Não esquece tal visão


Quem viveu com tua gente


Deixa aqui o coração.


http://www.achetudoeregiao.com.br/RS/porto_alegre/porto_alegre.gif/hino_Porto_Alegre.wav





Hino Riograndense






Oficializado pelo Lei 5.213, de 5.1.1966


Letra: Francisco Pinto da Fontoura (mais conhecido pela alcunha de Chiquinho da Vovó)


Música: Comendador Maestro Joaquim José de Mendanha


Harmonização: Antônio Corte Real




Como a aurora precursora


do farol da divindade,


foi o Vinte de Setembro


o precursor da liberdade.




Estribilho:


Mostremos valor, constância,


nesta ímpia e injusta guerra,


sirvam nossas façanhas


de modelo a toda terra.




Mas não basta pra ser livre


ser forte, aguerrido e bravo,


povo que não tem virtude


acaba por ser escravo.





terça-feira, 11 de maio de 2010







Assessoria de Imprensa SJDS



O vídeo que foi apresentado durante o lançamento da terceira edição da RPS já está disponível na internet



DPS 2000

Geraes para mim



mostrar detalhes 10:31 (39 minutos atrás)


Caro Paulo,
Ficamos lisonjeados pelo seu contato.


Não há problema algum você postar o projeto em seu blog. Fique a vontade.


Obrigado!
Tiago Buccini.





DESTAQUES:

23-05-2010

DPS2000 é matéria de capa da Revista Nacional de Tecnologia Assistiva
A edição de abril da Revista Nacional de Tecnologia Assistiva, produzida pelo Instituto Muito Especial, traz como destaque de capa o Sistema DPS2000. A matéria pode ser acessada online no site da revista.
23-03-2010


Geraes apresenta o Sistema DPS2000 na 1a Feira de Turismo Muito Especial de Pernambuco

Realizada pelo Instituto Muito Especial com o apoio do Ministério do Turismo, a 1ª Feira de Turismo Muito Especial de Pernambuco acontece entre os dias 24 e 27 de março em Recife - PE. Serão mais de 30 expositores das áreas de serviço em Tur... 18-03-2010


Implantação de hospital de reabilitação incentiva mudanças na acessibilidade em Jaú

A chegada de um hospital para a reabilitação de deficientes a jaú está transformando a cidade em termos de acessibilidade. Rampas nas calçadas mais movimentadas, escolas e transporte coletivo adaptados são algumas das novidades implementadas .


                                           DPS2000

Sistema pioneiro, concebido para tornar possível a deficientes visuais o uso dos serviços de transporte urbano de forma autônoma e segura, através do uso de transmissores de rádio-frequência.
DPS 2000 traz inovação para os transportes públicos do Brasil, gerando acessibilidade



A empresa Geraes, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, desenvolveu em Belo Horizonte um aparelho de sinalização eletrônica voltado para a utilização de meios de transportes públicos urbanos por pessoas com deficiência visual, o DPS 2000.

O equipamento é composto de um aparelho receptor adaptado ao transporte público e um transmissor portátil utilizado pela pessoa com deficiência visual. O aparelho receptor funciona implantado dentro do transporte, seja ônibus, micro-ônibus ou táxi. Já o transmissor portátil fica com a pessoa com deficiência visual, que por sua vez programa no transmissor as linhas de ônibus que usa com mais frequência, além do sentido que pretende seguir. Para realizaressa programação basta acessar os menus de áudio por meio de um botão direcional, já que o aparelho tem informações tanto em braile como na forma sonora.

Já no caso dos táxis, o aparelho também possui um modo de chamada, que no caso dispensa aprogramação, já que o aparelho tem uma programação própria para táxis. Para o usuáriobasta chamar otáxi e aguardar queo primeiro veículo com receptor adaptado que passe pelo local em que o usuário se encontra emita um sinal sonoro indicando que se encontra à disposição da pessoa com deficiência.

O sistema funciona por onda de rádio. Uma vez que o usuário esteja no ponto de ônibus, basta escolher a linha desejada, dentre as já programadas previamente, e ativar o transmissor. Um sinal de rádio com a solicitação dousuário passa a ser continuamente transmitido.

No ônibus ou no táxi solicitados há um dispositivo que, com o veículoa cem metros do ponto onde o usuário se encontra,soa um sinal de alerta parao motorista identificar que, no próximo ponto, terá que fazer uma parada para o embarque de uma pessoa com deficiência visual. Quando o veículo parano ponto, soa um outro aviso sonoro, poralto-falante, para queo usuário saibaque o transporte programado chegou. O sinal sonoro no ônibus só para quando o usuário embarca no transporte.

A empresa Geraes foi aprovada, com esse projeto, no programa Prime 120 de capacitação gerencial da Financiadora de Estudos e Projetos – Finep, desenvolvendo todo o projeto com verba do Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT.

Segundo Adriano Assis, engenheiro elétrico do projeto, a patente do produto foi registrada no ano de 2009, mas o equipamento só será lançado de fato no mercado, para comercialização, a partir de maio de 2010 custando o receptor em tornode R$ 650,00 e o transmissor, em torno de R$ 250,00 por aparelho. Para adquiri-los, as empresas e/ou os usuários deverão, num primeiro momento, entrar em contato com a empresa que desenvolveu o projeto. Posteriormente, o aparelho transmissor, utilizado pelas pessoas com deficiência visual será vendido por organizações não-governamentais que atuam na área da pessoa com deficiência visual, como o Instituto Benjamin Constant, do Rio de Janeiro, e a Instituição Laramara, de São Paulo.


Projeto-piloto

O equipamento será implantado como projeto emJaú, interior de São Paulo, numaparceria com a Prefeitura da cidade que teve início em março deste ano. Antes da cidade de Jaú o equipamento passou por uma experiêncianos ônibus do campus da UFMG, em Belo Horizonte, onde foram executados todos os testes práticos com profissionais rodoviários e pessoas com deficiência visual.


A realidade do transporte público


Segundo estudos realizados nos últimos anos, a mobilidade urbana é uma questão fundamental para o desenvolvimento das grandes cidades brasileiras. Além de afetar a qualidade de vida dos moradores, ela desequilibra a economia das cidades e acentua a exclusão social, principalmente das pessoas com deficiência, que enfrentam grande dificuldade ao utilizar o transporte público devido à prevalência de frotas sem a adaptação necessária para cada deficiência.
De acordo com a Associação Nacional de Transporte Público – ANTP, o colapso nos transportes vem como consequência de um modelo que privilegia automóveis de passeio e motos, que, juntos, respondem por apenas 20% das dos passageiros em trânsito, em detrimento do transporte coletivo ou não motorizado, como bicicletas ou trânsito de pedestres. Os veículos individuais são os principais causadores de um conjunto de custos que supera R$ 5 bilhões por ano com itens como perda de horas produtivas e gasto excessivo de combustíveis em congestionamentos, perdas pessoais e gastos médicos com acidentes de trânsito e destruição de equipamentos públicos, conforme avaliação da ANTP.
Apesar de ter havido alguns avanços nas últimas décadas, como os sistemas de corredores exclusivos de ônibus em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, os esforços para expansão do sistema de trens e metrô se fazem necessários para evitar uma crise no sistema de transporte público.
Para a ANTP, é preciso fazer com que o transporte público de qualidade seja definitivamente um direito essencial mantido para todos, em especial para as pessoas com deficiência que hoje são obrigadas a usar ônibus sem adaptação, o que é constrangedor e desconfortável, uma vez que apenas uma pequena parcela dos veículos coletivos é adaptada.

Crescimento da frota adaptada

Segundo a Prefeitura da cidade de São Paulo, a frota de ônibus com acessibilidade para as pessoas com deficiência física aumentou 54% em 2009, em comparação com 2007. Neste ano, eram 2.263 os ônibus regulares na capital paulista, o equivalente a um total de 15,02% de ônibus adaptados com elevadores de acesso e espaço para acomodação das pessoas com mobilidade reduzida. Em 2009, o número de veículos adaptados cresceu para 3.492, o equivalente a 23,5% da frota total. Esses números em geral não são uma realidade no país, já que há cidades que não possuem ônibus adaptados para pessoas com deficiência.



Por Diego Dantas

SPP-SINDROME POS POLIOMELITE

Tradução do italiano/portugues





Síndrome da poliomielite e pós-pólio

                                   Poliomielite


SÍNDROME de poliomielite anterior aguda *

No passado, esta síndrome sempre foi causada pela infecção por um dos três tipos de poliovírus. Doença clinicamente indistinguível da infecção por vírus da pólio pode ser produzida por outros enterovírus, como vírus Coxsackie do grupo A e B, e Echovirus. Nas regiões onde os programas de vacinação têm sido eficazes, esses vírus são atualmente as causas mais comuns da síndrome da poliomielite anterior. Doenças causadas por estes vírus são geralmente benignos e paralisia associados a eles raramente é importante. Epidemia de conjuntivite hemorrágico (causado por entorovirus 70, uma vez comum na Ásia e África) são um pequeno número de casos associados à paralisia do neurônio motor inferior, assemelhando-se a poliomielite. No entanto, neste grupo, a doença mais importante (paralítico) tem a poliomielite, por isso você só falar sobre isso. Nas regiões onde existe uma ampla vacinação, a poliomielite deixou de ser um flagelo, mas os seus efeitos letais e paralítico ainda estão vivos na memória. No verão, não distante de 1955, quando a Nova Inglaterra, houve a última epidemia, somente em Massachusetts, foram notificados 3.950 casos de poliomielite aguda, que paralisou 2775. Atualmente no poliomielite paralítica E.U. é raro. No entanto, houve pequenos surtos em grupos religiosos que se recusar a submeter à vacinação e as partes do mundo não têm sido realizados programas de vacinação. Nos Estados Unidos, foram relatados 15 casos de poliomielite paralítica por ano, divididos quase igualmente entre as crianças e vacinação de adultos tem estado em contacto com crianças vacinadas. Obviamente as epidemias anteriores de manifestações paralítico estão por toda parte. Nestes últimos casos, a progressão da fraqueza muscular pode ocorrer muitos anos após a doença paralítica aguda (síndrome pós-poliomielite). É, então, deve examinar as principais características desta doença, mesmo na terra que representa um protótipo de infecção viral neurotrópico.

Etiologia e epidemiologia

Esta doença é causada por pequenos grupos de vírus de RNA de enterovírus que pertencem à família dos picornavírus. Do ponto de vista do antígeno foram identificados três tipos distintos e infecção por um deles não protege os outros. Esta doença é muito difundida em todo o mundo, mas quando epidemias de sair, são mais afetados que outros, nas áreas temperadas do norte, onde o estado de saúde é melhor. O pico de incidência de infecção no hemisfério norte, ocorreu no período de julho a setembro. A poliomielite é uma doença altamente contagiosa: o principal reservatório da infecção é o trato intestinal humano (os homens são os únicos hospedeiros naturais conhecidos) ea principal via de infecção é mãos rota fecal-oral, ou seja, a sua boca, como acontece com átrios patógenos entéricos. O vírus se multiplica na faringe e no trato intestinal, e durante o período de incubação que dura 1-3 semanas, pode ser identificado em ambos os locais, em seguida, penetra na parede intestinal e é transportado pelo sangue para todas as partes do corpo . Apenas uma pequena proporção de pacientes infectados é invadido o sistema nervoso. Estima-se que 95-99% dos pacientes infectados é assintomática ou manifestar apenas a doença não-específicas. E o último tipo de paciente - portadora de infecção silenciosa - que desempenha um papel importante na propagação do vírus de uma pessoa para outra.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

Como mencionado acima, a maioria das infecções não é acompanhada de sintomas (infecção inaparente), ou pode ter apenas sintomas leves sistêmica ou gastroenterite com faringite ou gripe (a chamada doença menor ou poliomielite abortiva). Estes sintomas leves da poliomielite são o período de viremia e disseminação do vírus e, em muitos casos, são capazes de estimular uma resposta imune eficaz característica é responsável pela meningite início falha que a poliomielite. Em um percentual relativamente pequeno de pacientes cujo sistema nervoso é afetado, a doença se manifesta com diferentes gravidades, a partir de um leve ataque de meningite asséptica (poliomielite paralítica ou não preparalitica) para a forma mais grave de paralisia (poliomielite paralítica). poliomielite não paralítica ou preparalitica sintomas prodrômicos desta forma da doença são os menores acima mencionados. Geralmente os sintomas são dor de cabeça apatia generalizada, nenhum botão, febre de 38 ° a 40 ° C, rigidez e dor muscular, dor de garganta, sem evidência de infecções do trato respiratório, anorexia, náuseas e vômitos. Em alguns pacientes, geralmente crianças, esses sintomas podem retirar em vários graus, e depois levar novamente depois de 3 ou 4 dias de dor de cabeça e febre acompanhada de sinais de comprometimento do sistema nervoso (desenvolvido chamado "corcova de camelo" ou bifásica). Mais frequentemente, a segunda fase da doença se confunde com o primeiro. A dor muscular, tensão dos tendões da pata de ganso "(espasmo) e dor no pescoço e costas estão se tornando mais intensa, outros eventos de interesse estão nervosos irritabilidade, inquietação e instabilidade emocional. O aparecimento destes sintomas, muitas vezes um prelúdio à paralisia. Em combinação com estes sintomas é observado rigidez de nuca à flexão da cabeça para baixo, os sinais de Kernig e Brudzinski e características CSF de meningite asséptica. Existem 25 a 500 células por mm3, às vezes até mais: os neutrófilos são predominantes nos primeiros dias da doença, mas depois são os linfócitos, proteínas totais estão elevadas, mas raramente acima de 150 mg por 100 ml eo teor de glicose e normal. Estes sintomas podem ser da doença em todo caso, febre e outros sintomas sistêmicos desaparecer dentro de alguns dias, e sinais de irritação meníngea podem persistir por uma ou duas semanas. Alternativamente preparalitici sintomas podem ser seguidos de paralisia: paralisia é evidente quando a febre está em seu pico, ou com a mesma frequência, quando a febre está diminuindo eo quadro clínico geral parece melhorar a paralisia muscular poliomielite paralítica pode ser criada rapidamente, atingindo sua máxima severidade no prazo de 48 horas ou menos, ou pode se desenvolver lentamente ou soluço em uma semana ou mais. Geralmente, quando a temperatura permanece normal durante 48 horas, a paralisação não progressos. A distribuição da paralisia espinhal é bastante variável. A paralisia mais comum ocorre na primeira infância. Raramente há uma paralisia aguda e simétrica dos músculos do tronco e membros similar à síndrome de Guillain-Barré. Alguns fatores relacionados ao hospedeiro individual específicos, tais como o excesso de exercício ou uma sala de injecção, durante o período assintomático da infecção parece favorecer o aparecimento de paralisia nos músculos exercitados ou arte injeção correspondente. Freqüentemente são observadas fasciculações grosseiros como o músculo é paralisado: elas são geralmente transitórias, mas às vezes permanecem. O reflexo abdominal, cremastérico tendão-osso e pode realmente ser aumentada durante a fase aguda como se agravam a paralisia dos músculos abdominais e os membros cair e desaparecer. O paciente freqüentemente se queixa de parestesia nos membros afetados, mas que é objetivamente demonstrável a perda de sensibilidade. A retenção urinária é comum em adultos, embora não seja permanente. Em três semanas de paralisia pode ser observado atrofia dos músculos afetados, mas que é permanente. A paralisia que afeta principalmente a musculatura bulbar é comum em adultos jovens, mas esses pacientes geralmente têm envolvimento espinhal. Qualquer fraqueza muscular pode se tornar um crânio, mas os músculos mais freqüentemente envolvidos são aqueles de engolir por causa do interesse do núcleo ambíguo. Outros riscos são grandes desordens do interesse respiratório bulbar e controle vasomotor: soluços respiração superficial, lento e gradual, cianose, agitação e ansiedade (falta de ar), hipertensão e hipotensão e colapso circulatório passado. Quando esses transtornos são adicionados à paralisia do nervo frênico e os músculos intercostais, a sobrevida do paciente é ameaçada e tornar-se assistência respiratória de urgência e cuidados intensivos. A resposta imune ao vírus é capaz de parar a doença em qualquer fase (sistêmica, meningite, paralisia). Nos indivíduos em que a resposta imune a tumores e reprimidos pelos corticosteróides ou outras drogas, pode-se observar uma lenta paralisia motora progressiva que se desenvolve ao longo de um período de vários meses ou anos (poliomielite crônica).

Patológicos e clínico-patológico

Nos casos fatais de infecção, as lesões estão localizadas no córtex. As lesões cerebrais são limitados aos precentral volta e geralmente não são tão graves a ponto de causar sintomas. O principal impacto da doença sofrida pelo hipotálamo, o tálamo, os núcleos do tronco cerebral motor e da substância que envolve o núcleo reticular e núcleos vestibulares do telhado e do cerebelo. neurônios e das colunas anterior e média. Nestas zonas, os neurônios são destruídos e fagocitados por microglia (nuroronofagia). A reação dos leucócitos está presente apenas por alguns dias. mas as células mononucleares e microglia persistir por vários meses sob a forma de pervasali acumulações. A resposta inflamatória inicial, às vezes pode ser tão intensa como a evocar pequenos focos de necrose e hemorragias petequiais. As alterações histopatológicas e sua relação com os sintomas clínicos, foram cuidadosamente estudados por Bodian, tanto em macacos do que nos homens. A primeira alteração visível é uma chromatolysis central de células nervosas associadas com inflamação. Ambas as mudanças são acompanhadas pela multiplicação do vírus dentro do sistema nervoso central, tanto um ou mais dias antes do início da paralisia. O motor neurônios infectados continuar no cargo até que tenha alcançado um estágio grave de chromatolysis. Além disso, se o dano celular foi limitada apenas ao palco central de chromatolysis, podemos esperar uma recuperação completa morfológica. As células podem sofrer a destruição rápida nos primeiros dias da doença, ou recuperar uma morfologia normal, um processo que requer um mês ou mais. Após este período, pode ser mostrado que o grau de paralisia e atrofia está intimamente correlacionado com o número de neurônios motores destruídos: nos casos em que os membros estão paralisados e atrofiados, é que os segmentos correspondentes da medula espinhal e sobreviveu menos de 10% dos neurônios. As lesões ao nível do núcleo motor do tronco pode ser associado com a paralisia dos músculos correspondentes, mas somente se eles são suficientemente graves. Nos casos fatais podem ser facilmente visto em todas as lesões dos núcleos do tronco cerebral (exceto os da base da ponte e menos azeite), mas raramente observados sintomas correspondentes músculos paralisados, exceto os da face, laringe e faringe. Este facto demonstra a tocar a margem de segurança nos núcleos de oculomotor e motor do trigêmeo e os dell'ipoglosso. Transtornos da deglutição, respiração e controle vasomotores estão relacionados com lesões na substância reticular bulbar, incluindo a região do núcleo ambíguo. A paralisia da musculatura atrofia e arreflexia de tronco e membros depende, naturalmente, a destruição dos neurônios nos segmentos correspondentes do corno anterior e da massa cinzenta intermediária da medula espinhal. Na poliomielite são dificilmente sensibilidade sonora, apesar de existirem lesões freqüentemente desigual nos cornos posterior. A rigidez, dor no pescoço e costas são geralmente atribuídas à "irritação meníngea: eles são, provavelmente, devido à presença modesta de exsudato inflamatório nas lesões meníngeas e geralmente suaves nos gânglios da raiz posterior e chifres posterior. Provavelmente, essas lesões são responsáveis por dor muscular e parestesia no legiões que posteriormente irá experimentar a paralisia. As alterações na função autonômica são provavelmente devido às lesões das vias autonômicas no tronco cerebral e células reticulares dos cornos lateral da medula espinhal. É interessante notar que o vírus da poliomielite foram facilmente isoladas no tecido nervoso em casos fatais, enquanto que raramente são isoladas no LCR durante a doença clínica. Este é o oposto do que acontece com as infecções picornavírus Coxsackie e ECHO, que em vez são freqüentemente isolado no líquido cefalorraquidiano durante a doença neurológica.

TERAPIA

Pacientes com suspeita de poliomielite aguda deve ser obrigado a ler e ospedalizzali se mostrado sinais de comprometimento do sistema nervoso, que devem ser cuidadosamente monitorizados deglutição, os sinais vitais, pulso e pressão arterial para antecipar Qualquer duplicação respiratório e circulatório. Se os sinais neurológicos são limitadas irritação meníngea e dor muscular, ea necessidade de ser dada aspirina ou outros analgésicos leves e aplique compressas quentes para aliviar a irritação. Se a paralisia dos músculos conjuntos dos membros. você tem que usar os comprimidos para os pés, mãos e paus para os braços, os rolos sobre os joelhos e os trocânteres para evitar a queda das deformidades dos pés e outros. O movimento freqüente passivo evita contraturas e anquilose. A insuficiência respiratória é devido à paralisia de músculos intercostais e do diafragma ou depressão do centro respiratório no tronco cerebral. Em ambos os casos é necessário usar um respirador mecânico, de preferência sob pressão positiva, e até mesmo uma traqueotomia. O tratamento de complicações pulmonares e circulatórias, não diferente da estabelecida com outras doenças neurológicas, tais como miastenia grave ou agudo polineneuropatia ascendente, e é melhor feito em unidades personalizadas para o tratamento intensivo especializada de insuficiência respiratória.

PROGNÓSTICO

A taxa de mortalidade total de poliomielite paralítica aguda é entre 5 e 10% maior em idosos e aumentam com a idade avançada, em crianças muito jovens e crianças. Se o paciente sobrevive à fase aguda, paralisia respiratória e da deglutição, geralmente regredir completamente, apenas uma pequena fração desses pacientes e os cuidados necessários respiratória crônica. Além disso, muitos pacientes têm uma recuperação completa do motor, ea maioria tem algum grau de melhora. A recuperação da força muscular é em grande parte nos primeiros 3 ou 4 meses e é o resultado do regresso a morfologia normal dos neurônios parcialmente danificadas. Pode ter alguma importância também a questão de ramos colaterais de axônios dos neurônios motores saudáveis com reinervação das fibras do músculo desnervado de unidades motoras. A lenta recuperação de pequenos sinistros, ainda pode ocorrer durante um ano ou mais para a hipertrofia do músculo não está danificado.

PREVENÇÃO

Evidentemente, é o aspecto mais importante do tratamento e é uma das grandes contribuições da medicina moderna. O cultivo do vírus da poliomielite em tecidos humanos e células embrionárias de rins de macacos, tornou possível a preparação de vacinas que oferecem eficaz e duradoura a imunidade A primeira delas foi a vacina Salk injetável contendo cepas virulentas do vírus inativado, com três sorotipos formalina. Ela foi substituída pela vacina Sabin, que consiste de vírus vivos atenuados, administradas por via oral em duas doses, a uma distância de 8 semanas, um ano antes de iniciar as doses de reforço escolar são necessários. Desde 1965, a incidência anual de poliomielite foi inferior a 0,01 por 100.000 habitantes (em comparação com a incidência anual de 24 casos por 100 mil entre 1951 e 1955). A poliomielite pode ocorrer raramente após a vacinação (0,02-0,04 casos por milhão de doses). Uma parte significativa da população em regiões com baixos níveis de saúde pública não tenha sido vacinado. Pode-se supor que, se aumenta a dose não imunizadas, que poderia ocorrer novamente epidemia de poliomielite

* De "Princípios dNeurologistas"- Cap." Infecções virais do sistema nervoso ", Victor - Adams - Ed. Mc Graw-Hill

Um link interessante que trata da poliomielite é o seguinte:
 
http://www.epicentro.iss.it/problemi/polio/polio.htm


A síndrome pós-pólio


O primeiro relatório de seqüelas tardias da infecção por poliomielite foi de Charcot, que, em 1875, descreveu três casos de uma imagem piora clínica para o aparecimento de "fraqueza e atrofia muscular. Ele especulou que porque era um cabo de reinfecção, devido a outros agentes infecciosos ou excesso de trabalho, como todos os três pacientes relataram praticar trabalho duro.
Até 1973, a literatura indicada apenas 169 casos, enquanto as duas últimas décadas, quer aumentar a sua esperança média de vida de vocês para uma maior atenção ao mundo da deficiência no cumprimento resultados da poliomielite são continuamente aumentado relatos de deterioração repentina da tarde e as funções necessárias para as atividades cotidianas.
Codd em 1985, estimou o impacto no cento 25-30 de pessoas com seqüelas de poliomielite há mais de trinta a quarenta anos. De acordo com estimativas trecentornila Wicchers na maioria dos países industrializados são os sobreviventes da poliomielite aos surtos que precedeu a introdução da vacinação. Eles têm uma idade média de quarenta e cinqüenta anos e estão perto do tempo que é estatisticamente maior ocorrência dessas formas.
Somente nos últimos vinte anos, supunha-se que os diversos problemas encontrados em uma distância de um episódio agudo da pólio foram atribuídas a uma etiologia única. Na verdade, até alguns anos atrás também proeminente clínico persistiu em considerar as consequências da poliomielite estável e bem definida funcionalmente. A situação só piorou para novos eventos ou efeito patológico normal dos processos regressivos. Grossiord (1981) fala da "coincidência" no caso de tiros no final da poliomielite dell'amiotrofia idosos.
Muitos termos têm sido utilizados para definir esta deterioração: atrofia progressiva muscular pós-pólio, seqüelas de pólio, efeitos tardios da poliomielite e, mais recentemente tem chamado Einarson Síndrome Pós-Poliomielite o que significa que todas as dificuldades não-específicas relacionadas com a deficiência.
O diagnóstico de Síndrome Pós-Polio nunca é cedo escotilha e muito antes de os sintomas ocorrerem, muitas vezes com quadros de deterioração repentina. Isso ocorre porque os pacientes que tenham contraído o hábito, os resultados a longo exercício da poliomielite, a viver com dor e déficits funcionais e, em parte, às dificuldades de classificação e objetivação dos sintomas. Muitas vezes, fases iniciais, estes recuam temporariamente para as terapias sintomáticas, o que torna difícil prever sua evolução.


Síndrome de diagnóstico e tratamento de pós-pólio

Segundo os autores americanos, existem factores que podem ser considerados "Risco" para a síndrome pós-pólio:- A idade primitiva do ataque de poliomielite, mais de 10 anos,- Se o emprego ou interesses comerciais, até à data têm sido particularmente pesados pode-se supor uma tensão crônica que é um outro fator de risco estabelecido- A síndrome ocorre com mais freqüência nos pacientes mais gravemente afetados pelo ataque agudo
- O sexo feminino- O envolvimento bulbar anteriores de um ataque agudo.
Os critérios de diagnóstico
O reconhecimento da síndrome pós-pólio proporciona a satisfação de vários critérios: a história médica, clínica e instrumental.
Anamnésicos critérios:
1) Idade de um ataque agudo. Quais os critérios de diagnóstico é essencial para saber o tempo entre os ataques agudos ea ocorrência de novos sintomas, devem ser passadas pelo menos 10 anos;2) Ataque deve ser seguido por recuperação funcional, completo ou parcial;3) O diagnóstico de um ataque agudo deve ter sido dada para a poliomielite aguda anterior; 4) aumento da fadiga de uma maneira importante e, sem mais explicações nos últimos meses. Dizer que o aumento da fadiga é causada pela Síndrome Pós-Polio é necessário que não há outra explicação para o sintoma. A coleta dos dados deste instrumental é difícil. Os dados único objetivo é obtido através de dispositivos como aparelhos eletrônicos dinamômetros para o exercício isocinético. Com medidas padronizadas e repetidas a cada ano, você pode começar a fadiga muscular, com alguma precisão e comparabilidade (endurance). Caso contrário, os dados devem ser história clínica, interrogatório do paciente, por exemplo, a rota que você pode fazer antes de se cansar.
stumentali critérios clínicos
1) A dor muscular e / ou conjunto. E 'como de difícil interpretação, pois esses pacientes por causa da marcha anormal ou órteses são quase sempre dolorosos da coluna vertebral ou a outros distritos, como os ombros ou cotovelos. Estes são frequentemente tendinopatia insercional ou contrações sem relação com a Síndrome Pós-Polio.2) A fraqueza muscular. Para a avaliação adequada dos dados, você deve seguir o doente há vários anos a funcionar regularmente músculo repetir exames a cada ano. É, portanto, uma observação que é característica de centros específicos para os resultados do PAA (Acute Paralysis Front) e é difícil executar uma consulta ou uma observação ocasional. Us (Centro de Estudos de Pós-Polio Malcesine) utilizam o teste em 5 pontos (Williams-Daniels-Worthingam Fundação Nacional para Paralisia Cerebral, 1946) e integrar-se com um instrumento de teste com equipamento isocinético para executar tanto perna flessoestensori membros. Se a força muscular é insuficiente para levantar o braço de medição banco, o dispositivo deve ter um programa específico de medição de força em todos os tons do curso que é realizado passivamente. 3) A perda de capacidades funcionais existentes motor. A história sobre esta questão não termina com a análise da capacidade de caminhar ou capacidade funcional. Se assim que nós poderíamos ser confrontados com os erros devido à perda fisiológica de força com a idade. Um dos critérios que nós (o Centro de Pesquisa de Pós-Polio) que nós usamos é o de comparar a atribuição de ano paciente ortopédico. A adopção de órtese é um objectivo mais abrangente sinais de perda de capacidade para executar determinadas independentemente de atividades físicas. 4) Intolerância ao frio. É um fato que é observado em quase todos os pacientes, como parte dos sintomas de acompanhamento da doença, tais como poliomielite e é devido aos juros do sistema nervoso autônomo. 5) Nova atrofia muscular. Além da relevância clínica da descoberta da verdadeira fraqueza na musculatura atrofia muscular previamente certamente isso é algo que é demonstrado pela comparação da eletromiografia de diagnóstico realizados quando o paciente se queixou de sintomas ainda não fez com que, no momento da doença manifesta.6) O diagnóstico é feito por exclusão de qualquer outra causa possível para estes sintomas. A este respeito, um exame clínico completo já exclui muitas dúvidas. Os testes instrumental são inúmeras, e em outros casos nós encontramos na síndrome pós-pólio suspeitos incluem:
- Perto do canal cervical- Câncer da medula óssea- Distrofia muscular Cinta.
Fazer um diagnóstico é necessário ter um quadro completo da situação da eletromiografia. Para nós, (Centro de Estudos e Pós-Polio Poliodi Malcesine) ao invés de excluir outras causas possíveis do exame eletromiográfico também tem características únicas. Nós encontramos muitos pacientes que se queixam de cansaço associação particular, entre o motor ea unidade de unidades motoras gigantes "miopático". Entre eles, após todas as investigações, foram selecionados um subconjunto limitado ao que nós colocamos PostPoliomielitica diagnóstico de atrofia muscular progressiva, enquanto em outros, que não preenchem todos os critérios que temos reivindicou para diagnosticar a disfunção muscular pós-pólio.
Terapia
O tratamento é essencialmente físico definido e ortopédicos, porque até agora não há unicidade de tratamento médico, mas apenas ensaios. Us (Centro de Estudos e Pós-Poliomielite Poliomielite Malcesine) estão à espera de autorização do Ministério da Saúde para usar a gabapentina experimental, enquanto que na literatura têm sido propostos:
- Creatinina- Piridostigmina (Cashman Trojan-1992)- L-acetilcarnitina- Prednisolona- Amantidiina- EdrofónioFisioterapiaGinástica
A definição do tratamento com o exercício começa com a identificação de grupos musculares específicos utilizados porque menos afetados pela doença ou que tenham sido limitados pela cinta. Realiza-se nos músculos tratados com exercícios de fortalecimento com carga submáxima, repetições, com pausas curtas intercaladas com recuperação adequada para cada paciente para evitar o burnout. Esta é a terapia necessariamente físico individualmente.Um centro de fitness que realizou um trabalho juntamente com a mobilização e reforço da terapia na água (piscina).
Hydrokinesitherapy
As características do hydrokinesitherapy são a redução da gravidade, do calor (30 °), o relaxamento total. A flutuação permite executar movimentos complexos do que em condições normais são geralmente negado a esses pacientes ambulatoriais como levantar Sonza órtese ou membros inferiores. Do ponto de vista psicológico, há, portanto, a manutenção da "imagem corporal" do movimento.
Fisioterapia
fisioterapia tradicional sobre a dor muscular envolvida, inserção ou articular. Trata-se de resolver as contrações musculares freqüentes, a tendinite insercional, edema, dor ao osteodegenerativa a base. Em particular, o uso de massagens, eletroterapia, termoterapia exógenos e endógenos, o tratamento, a pressão, drenagem linfática manual.
A terapia ortótica
O uso de órteses melhor guarda fadiga muscular preciosas. Pense sobre as economias do peso da substituição do joelho do metal em um modelo de carbono recomendar aos pacientes com perda de força especial. O suporte permite a manutenção do emprego satisfatório ou relacionamentos. As órteses são prescritas, controladas e, eventualmente, modificada reabilitador sob supervisão de um especialista para que ele seja o mais funcional para o doente individual não pode causar atrofia muscular de não-utilização, mas eficaz, permitindo simultaneamente a melhor autonomia possível.
conselhos para a vida
O tratamento é completado com dicas gerais de higiene e de vida para estes pacientes específicos. Evite excesso de peso é fundamental Para eles, a funcionalidade que cinesiologia Menteng com um delicado equilíbrio de estática e dinâmica. O ganho de peso, ainda que ligeiramente, alterar o equilíbrio por exceder o limite de função de movimento garantido pela força muscular residual.
Similarmente função cardiorrespiratória deve ser reforçada tanto quanto possível.
A atividade física regular, a este respeito pode aumentar capacidade cardiorrespiratória em qualquer idade.Fundamental evitar hábitos incorretos, como o fumo ou deformidades esqueléticasTais como cifoescoliose, causa má ventilação pulmonar característicos da fadiga muscular sobreposição da doença.
Cirurgia
A cirurgia corretiva deve ser cuidadosamente selecionado pela equipe de tratamento consiste em (no nosso centro) do fisiatra, fisioterapeuta, cirurgião ortopédico. Acreditamos que somente o terapeuta físico que tenha experiência em tratar estes pacientes para saber as indicações corretas para cirurgia que pode ser de outra forma magistralmente executado a partir de um ponto de vista técnico, mas provar desastroso para a capacidade funcional

Os sintomas da síndrome pós-pólio

Os dados de notificação dos casos de acordo sobre a incidência dos sintomas. Para Smith o sintoma mais freqüente é a dorDetectável em noventa por cento dos casos. Este, por frequência, está localizada nos bairros mais estressados, ou seja, os membros inferiores, com dor e inflamação (inflamação), espécies reativas nos joelhos e coluna lombar, que muitas vezes encontram hiperlordose, escoliose e outras deformidades que podem também causar perturbação de raiz e vascular. Portanto, em caso de dúvida, exige uma investigação cuidadosa antes de atribuir a síndrome. Os utilizadores de ajudas técnicas para a estática e andar com mais freqüência sofrem a dor na coluna cervical e nas costas, mãos e cotovelos, que pode apontar déficit e fenômenos flogisticodegenerativi. A dor parece estar relacionada a processos de alongamento e artrite e entesite miotendinei, principalmente devido à sobrecarga funcional a que estão sujeitos a desequilíbrios musculares e as deformidades esqueléticas resultantes. Em outras palavras, a poliomielite assunto tende a preservar o máximo de sua capacidade de reposição, mesmo à custa do aumento dos custos de energia, especialmente o uso excessivo das estruturas facilmente adquirir dor vicária.
Outro sintoma típico da síndrome é a fraqueza muscular, que é definida como a incapacidade de gerar força e assim poder. Pode ocorrer, igualmente, contra os grupos musculares já afectados ou outras previamente aparentemente poupada. Mais freqüentemente, as pernas são fracas, e trinta por cento dos casos, os portadores. tutores, órteses e ajudas técnicas para a estática e andando eles se queixam da perda de peso excessivo da função ou a adesão eo medo crescente de lesão ou início da doença já caído.
Além da dor e fraqueza muscular, O sintoma mais pacientes é acusado pelo rápido esgotamentoEsta é definida como a incapacidade para rnantenere força do tempo e energia e é relatada uma progressão lenta ao longo de muitos anos até serem forçados a usar uma cadeira de rodas, por vezes, não de forma contínua.
Entre as possíveis causas central mencionar os relacionados com a transmissão de impulsos nervosos, entre os dispositivos, entretanto, aqueles do bloco do motor. Estes sintomas são também distinguidos pela sensação de dor e dificuldade de movimentos de partida, típico daqueles que já ferido e não em movimento. Outros sintomas são freqüentemente denunciadas cãibras e fasciculações que forma inconstante e inespecífica.
Com a participação no rescaldo da poliomielite síndrome pós-pólio bulbar causa freqüentemente mais transtornos respiratórios e cardiovasculares. Estudos em pacientes com essas complicações em um centro de pesquisa clínica no Rancho Los Amigos não apresentam respostas anormais nos testes de esforço respiratório e cardíaco e teste o tempo de recuperação.
O agravamento da respiração não é tanto atribuível a uma deterioração dos músculos respiratórios, como a gravidade do comprometimento inicial, que ofereceu uma capacidade limitada para compensar o dano causado pelo ganho de peso, cifoescoliose, tabagismo, infecções pulmonares recorrentes e outras doenças cardiopulmonares. Pouco compromisso para outros órgãos ou aparelhos, como gastrointestinal e que os resultados em pacientes com formas bulbar, deglutição e disfagia.

L. Halstead, um dos maiores estudiosos dell'argornento, proposto cinco parâmetros necessários para o diagnóstico da síndrome pós-pólio:
1) uma história de poliomielite paralítica aguda anterior;2) ou quase completa recuperação neurológica parcial ou funcional;3) a estabilidade dos resultados, pelo menos, quinze anos; 4) A próxima aparição de dois ou mais dos seguintes problemas: - fadiga significativo, dores musculares ou articulares, - nova fraqueza nos músculos afetados previamente ou aparentemente livres, perda da capacidade existente - intolerância ao frio, - atrofia novo;5) nenhuma explicação médica para esses problemas em indivíduos previamente afetada

PRIMEIRA VACINA

PRIMEIRA VACINA

FOTOS

FOTOS
NEUROMUSCULAR EM SÃO PAULO

Postagens populares

HIDROTERAPIA

HIDROTERAPIA