RELÓGIO

PARTICIPE SENDO UM SEGUIDOR DO BLOG

www.stepaway-polio.com

Google+

MAPA MUNDI

free counters

domingo, 28 de março de 2010

CABEÇA PENSANTE



Estive pensando a respeito deste blog se ele teria um carater exclusivamente pessoal ou se teria uma amplitude bem maior.
Claro como somos seres humanos e nao super-homens cometemos erros na trajetoria de nossa vida, e como estamos aqui neste mundo para termos a oportunidade do conhecimento, mesmo que para isso cometermos erros, o que servirá então estes erros? Servirá como apreendizado para não cometermos o mesmo novamente. O povo merece ter o conhecimento sobre o que não esta sendo ministrado pelo orgão maior que é o GOVERNO, então nós que possuimos o conhecimento devemos compartilhar com os necessitados. Então é para isso que este blog tem por finalidade. Dar informação do conhecimento que esta perdido ou não pela internet que tem um carater estritamente social e não comercial como muitos assim o dizem. Devemos usar a internet como se estivessemos em uma biblioteca publica.
Se tirarmos uma copia esta deve conter a fonte e os dados corretos do autor.
Tenho postado artigos capturados pela internet com o intuito exclusivamente de unificar tais conhecimentos de maneira que outras pessoas possam ter o conhecimento nescessario sobre a SPP.

domingo, 21 de março de 2010

CONDUTA INTERNA PARA MEDICO PERITO DO INSS

»Leia o NOVO Doc.TÉCNICO DA SÍNDROME PÓS-POLIOMIELITE29/9/09

11:02“CID” ORIENTAÇÃO INTERNA Nº 143

INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL

DIRETORIA DE BENEFÍCIOS

ORIENTAÇÃO INTERNA Nº 143 INSS/DIRBEN, DE 19 DE JUNHO DE 2006.

Disciplina a conduta médico pericial relativa à Síndrome Pós-Poliomielite.

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:


Lei nº 8.213, de 24/07/1991 e alterações posteriores


Decreto nº 3.048, de 06/05/1999 e alterações posteriores.


O DIRETOR DE BENEFÍCIOS DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS, no uso da competência que lhe confere os incisos II e VI do artigo 11 do Anexo da Estrutura Regimental do INSS, aprovada pelo Decreto nº 5.513, de 16 de agosto de 2005,
Considerando a necessidade de uniformizar a conduta médico-pericial relativa à Síndrome Pós-Poliomielite-SPP;
Considerando que a Síndrome Pós-Poliomielite é definida como um conjunto de sinais e sintomas que aparecem entre dez e quarenta anos um episódio agudo de poliomielite paralítica, resultando em diminuição da capacidade funcional e/ou surgimento de novas incapacidades,


RESOLVE:


Art. 1º Nos casos em que o Perito Médico concluir pela existência de incapacidade laborativa para o trabalho, causada pela Síndrome Pós-Poliomielite-SPP, esta deve ser considerada como entidade mórbida diversa de seqüelas pós-poliomielite, tendo em vista as características clínicas, principalmente o seu tempo de surgimento tardio, sobrepondo-se às seqüelas consolidadas.
Art. 2º A solicitação de informações ao médico assistente e/ou parecer de especialista (neurologista, fisiatra), são instrumentos auxiliares para subsidiar a decisão médico-pericial, inclusive na indicação de reabilitação profissional.
Art 3º Até que a Organização Mundial de Saúde inclua a SPP na Classificação Internacional de Doenças-CID, deve ser utilizado o código CID-10 – G 96.8.
Art. 4º Este ato tem caráter restrito, destinando-se a disciplinar procedimentos médico periciais de interesse interno, sendo sua publicação exclusiva em Boletim de Serviço-BS e entra em vigor na data de sua publicação.


BENEDITO ADALBERTO BRUNCA


Diretor de Benefícios


Publicado no BS nº 119 de 23/6/2006

quarta-feira, 17 de março de 2010

DESCONHECIMENTO NO SUS DE PORTO ALEGRE

Desconhecer ou nao ter interesse de conhecer talves seja este o motivo que os trabalhadores do SUS de Porto Alegre tem em relação a SPP - SINDROME POS POLIO.
Como pode estes servidores da Saude nao ter recebido as comunicações de curso que foram ministradas na cidade de Sao Paulo  pela UNIFEST a respeito da  SPP, ja  que estes simposios foram gratuitos e informados pelo MINISTERIO DA SAUDE ? Descaso ou interesse de nao participar de simposios sobre Saude. Fico a pensar como estes governantes de mentes curtas para a parte social nao ver que o povo esta crescendo politicamente e nao mais ficando de boca e maos atadas e que agora com internet podemos expressar nossas ideias de maneira mundial, onde muitas mentes que ainda pensam podem influenciar uma sociedade e mudar os rumos politicos de uma Nação.
Perguntei ao medico do PSF do bairro que resido e este informou que nunca ouviu falar sobre SPP e que o SUS nao informou e nao informa para a classe medica tal conhecimento sobre esta doença.
Nao posso dizer que é um problema de Brasil mas de Estado parte da Federação e este Estado que faço parte e sendo assim exijo que o poder Estadual e Municipal prestes atendimento e conhecimento de todas as patologias que existem em nivel de Brasil. Ou existe o respeito a Saude ou ...VOTOS
Mando emails para o Sus Estadual e Municipal e ate o momento nao tenho respostas a respeito da SPP.
Continuo indo pelo lado legal a solicitar , mas acho que terei de usar os meios de comunicação em massa para atraves de documentos a respeito da SPP mostrar para eles que tal doença existe e nao é ficção.

segunda-feira, 15 de março de 2010

SUA VIDA SUA ATITUDE

ESCRITO POR REGINA BRETT, 90 ANOS, CLEAVELAND, OHIO.


"Para celebrar o envelhecer, uma vez eu escrevi 45 lições que a vida me ensinou. :

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.



2. Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo pequeno passo.

3. A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.

4. Seu trabalho não vai cuidar de você quando você adoecer. Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.

5. Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.

6. Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.

7. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.

8. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele agüenta.

9. Poupe para a aposentadoria, começando com seu primeiro salário.

10. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão.

11. Sele a paz com seu passado, para que ele não estrague seu presente.

12. Está tudo bem em seus filhos te verem chorar.

13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que se trata a jornada deles.

14. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.

15 Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.

16. Respire bem fundo. Isso acalma a mente.

17. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeroso.

18. O que não te mata, realmente te torna mais forte.

19. Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.

20. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite "não" como resposta.

21. Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante. Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.

22. Se prepare bastante; depois, se deixe levar pela maré...

23. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.

24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25. Ninguém é responsável pela sua felicidade, além de você.

26. Encare cada "chamado" desastre com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?

27.. Sempre escolha a vida.

28. Perdoe tudo de todos.

29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.

30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.

31. Indepedentemente de a situação ser boa ou ruim, irá mudar.

32. Não se leve tão a sério. Ninguém mais leva...

33. Acredite em milagres.

34. Deus te ama por causa de quem Ele é, não pelo que vc fez ou deixou de fazer.

35. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela agora.

36. Envelhecer é melhor do que morrer jovem.

37. Seus filhos só têm uma infância.

38. Tudo o que realmente importa, no final, é que você amou.

39. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos jogássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta.

41. Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.

42. O melhor está por vir.

43. Não importa como vc se sinta, levante, se vista e apareça.

44. Produza.

45. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente "

Os 7 passos para mudar de vida



 7 atitudes para uma vida feliz e saudável


7 atitudes para conquistar uma vida saudável


por Anderson Moço
design Robson Quinafélix
ilustração Eder Redder



Complemento. Página 1 de 4


1. Não fique ensaiando uma decisão

É normal imaginar o que se pode perder quando se faz uma escolha. O problema é superestimar os possíveis prejuízos isso acaba minando a força de vontade de qualquer um. Tem gente que desiste de começar a fazer exercícios só por se lembrar de que terá de levantar mais cedo por causa disso, conta o preparador físico Fábio Dias, coordenador de musculação da Triathon Academia, de São Paulo. Uma pesquisa feita pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, provou que, na verdade, as coisas acontecem de maneira bem diferente. Depois que se põe em prática a decisão tomada a duras penas, percebe-se que os aspectos negativos foram bem menores do que o imaginado.

2. Concentre-se nos ganhos

Você resolveu mudar seus hábitos à mesa, o que significa controlar frituras e doces. Desanimador. Como eu vou conseguir viver sem pastel ou brigadeiro? é provavelmente a pergunta. Em vez de pensar no que você vai perder, calcule o quanto vai ganhar. Sua pele ficará mais saudável, você vai perder alguns quilinhos, sua auto-estima e sua disposição crescerão e assim por diante, ressalta a nutricionista Sheila Pasquarelli, chefe do setor de nutrição do Hospital Santa Helena, da capital paulista. Ah, um pastel ou um brigadeiro de vez em quando estão, sim, liberados. Afinal, viver de restrições alimentares não tem a menor graça. O verbo que impera na busca da saúde é controlar, e não cortar.

3. Cometa, sim, pequenos deslizes

Esta terceira atitude é um complemento da anterior. Se você viajou e se fartou de comer durante um tempo ou numa semana agitada deixou de praticar caminhada, não use isso como desculpa na linha do "nunca vou conseguir". É preciso permitir-se verdadeiramente fugir da rotina saudável de vez em quando. Rigor em excesso só vai contribuir para aumentar o desânimo, que leva você sabe ao descontrole total.
Se você está passando por um momento particularmente difícil, aí mesmo é que sonha em ter uma rotina diferente, capaz de atenuar as turbulências. Muita calma nessa hora. Vamos assumir que, apesar desse desejo, as chances de você não seguir adiante são enormes. Só quem está bem emocionalmente consegue mudar alguma coisa em seu dia-a-dia, garante a psicóloga Ana Maria Rossi. Um estudo conduzido na Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, reforça esta relação: pacientes com lesões na área cerebral responsável pelo controle dos sentimentos não conseguem traçar metas e cumpri-las.

5. Cuidado com a pressão social

Não caia na besteira de tentar transformar seu corpo só porque alguém disse que você está acima do peso ou precisa ganhar músculos fortes. Busque o autoconhecimento e descubra o que está errado na sua rotina, isso sim. Evite as interferências alheias. Quando tentamos mudar para agradar aos outros e não a nós mesmos, o fracasso é quase inevitável, opina a psicóloga Ana Maria. Também não se desvie dos seus objetivos por mais que isso pareça difícil. Quem já tentou diminuir as doses de álcool, por exemplo, sabe como os amigos são persuasivos e querem convencê-lo de que mais uma tulipa de chope não vai fazer mal nenhum.

6. Comemore cada bom resultado (por menor que seja)

Quanto mais o objetivo traçado estiver perto do seu alcance, maior será o estímulo para alcançá-lo. Digamos que você se propôs transformar radicalmente a dieta, mas tudo o que conseguiu foi cortar os alimentos gordurosos. Não pense nisso como uma derrota, mas sim como uma grande vitória parcial. O próximo passo será excluir outros inimigos de uma refeição equilibrada e assim por diante.

7. Tenha sempre uma segunda opção

Às vezes o resultado de nossas escolhas fica muito aquém do que esperávamos. Entrar na academia não foi uma boa idéia? Nesse caso, procure praticar um outro esporte, em vez de se assumir um sedentário inveterado. Você precisa emagrecer, mas não está gostando de fazer dieta? Aumente seu gasto calórico, fazendo mais exercícios, encontrando a modalidade que mais bem se encaixe em seu estilo e sua personalidade, recomenda o preparador físico Fábio Dias. Não é porque o primeiro caminho não funcionou para chegar lá que você irá desistir, não é mesmo? Pense assim.




"Lembre-se:



quando você muda seu modo de pensar, muda suas crenças;


quando você muda suas crenças, muda suas expectativas;


quando você muda suas expectativas, muda suas atitudes;


quando você muda suas atitudes, muda seu comportamento;


quando você muda seu comportamento, muda seu sentimento;


quando você muda seu sentimento, você muda a SUA VIDA!!!"


O tempo passou e me formei em solidão...

Bons tempos...

Sou do tempo em que ainda se faziam visitas. Lembro-me de minha mãe mandando a gente caprichar no banho porque a família toda iria visitar algum conhecido. Íamos todos juntos, família grande, todo mundo a pé. Geralmente, à noite.
Ninguém avisava nada, o costume era chegar de paraquedas mesmo. E os donos da casa recebiam alegres a visita. Aos poucos, os moradores iam se apresentando, um por um.
– Olha o compadre aqui, garoto! Cumprimenta a comadre.
E o garoto apertava a mão do meu pai, da minha mãe, a minha mão e a mão dos meus irmãos. Aí chegava outro menino. Repetia-se toda a diplomacia.
– Mas vamos nos assentar, gente. Que surpresa agradável!
A conversa rolava solta na sala. Meu pai conversando com o compadre e minha mãe de papo com a comadre. Eu e meus irmãos ficávamos assentados todos num mesmo sofá, entreolhando-nos e olhando a casa do tal compadre. Retratos na parede, duas imagens de santos numa cantoneira, flores na mesinha de centro... casa singela e acolhedora. A nossa também era assim.
Também eram assim as visitas, singelas e acolhedoras. Tão acolhedoras que era também costume servir um bom café aos visitantes. Como um anjo benfazejo, surgia alguém lá da cozinha – geralmente uma das filhas – e dizia:
– Gente, vem aqui pra dentro que o café está na mesa.
Tratava-se de uma metonímia gastronômica. O café era apenas uma parte: pães, bolo, broas, queijo fresco, manteiga, biscoitos, leite... tudo sobre a mesa.
Juntava todo mundo e as piadas pipocavam. As gargalhadas também. Pra que televisão? Pra que rua? Pra que droga? A vida estava ali, no riso, no café, na conversa, no abraço, na esperança... Era a vida respingando eternidade nos momentos que acabam.... era a vida transbordando simplicidade, alegria e amizade...
Quando saíamos, os donos da casa ficavam à porta até que virássemos a esquina. Ainda nos acenávamos. E voltávamos para casa, caminhada muitas vezes longa, sem carro, mas com o coração aquecido pela ternura e pela acolhida. Era assim também lá em casa. Recebíamos as visitas com o coração em festa.. A mesma alegria se repetia. Quando iam embora, t ambém ficávamos, a família toda, à porta. Olhávamos, olhávamos... até que sumissem no horizonte da noite.
O tempo passou e me formei em solidão. Tive bons professores: televisão, vídeo, DVD, e-mail... Cada um na sua e ninguém na de ninguém. Não se recebe mais em casa. Agora a gente combina encontros com os amigos fora de casa:
– Vamos marcar uma saída!... – ninguém quer entrar mais.
Assim, as casas vão se transformando em túmulos sem epitáfios, que escondem mortos anônimos e possibilidades enterradas. Cemitério urbano, onde perambulam zumbis e fantasmas mais assustados que assustadores.
Casas trancadas.. Pra que abrir? O ladrão pode entrar e roubar a lembrança do café, dos pães, do bolo, das broas, do queijo fresco, da manteiga, dos biscoitos do leite...
Que saudade do compadre e da comadre!


José Antônio Oliveira de Resende


Professor de Prática de Ensino de Língua Portuguesa, do Departamento de Letras, Artes e Cultura,


da Universidade Federal de São João del-Rei

sexta-feira, 12 de março de 2010

USANDO AS ONDAS CEREBRAIS




SAPO Saúde » Notícias Arquivo » 2009 » Fevereiro «


Nova cadeira de rodas movida a impulso cerebral

Investigadores italianos criam uma nova cadeira de rodas, equipada com dois computadores de bordo, que responde aos comandos cerebrais do seu utilizador
Uma equipa de investigadores italianos apresentou uma cadeira de rodas inteligente, capaz de se mover dentro da casa do utilizador de acordo com seus impulsos cerebrais, segundo divulgou a edição on-line da BBC Saúde. A cadeira de rodas motorizada é equipada com dois computadores de bordo, que analisam as ondas cerebrais e orientam o movimento, com o auxílio de câmaras e dispositivos espalhados pela casa.
Os investigadores acreditam que a cadeira, que poderá ser usada por pessoas com diferentes graus de deficiência física e dificuldades de movimento, possa chegar ao mercado entre cinco a 10 anos. Sublinham também que o mesmo sistema poderá ser usado por cidades inteiras para permitir a locomoção de deficientes com a cadeira "inteligente".
O protótipo, resultado dos esforços de uma equipa multidisciplinar que envolveu o Departamento de Bioengenharia, responsável pela descodificação dos sinais humanos, além do hospital San Camillo, em Veneza, e da clínica de reabilitação Maugeri, em Verona, foi construído pelo Departamento de Inteligência Artificial e Robótica do Politécnico de Milão e está em fases de testes de aperfeiçoamento.
O projecto experimental usa processadores de última geração, com baixo consumo de energia e que são integrados a um aparelho capaz de registar graficamente as correntes eléctricas do cérebro. Dentro de um dos programas dos computadores foi inserida a planta de um apartamento. Os ambientes surgem diante do utilizador numa tela no braço da cadeira.
As palavras "sala", "cozinha", "casa de banho", "quarto", "primeiro andar" e "portaria" piscam continuamente. As opções luminosas estimulam a actividade cerebral. Ao concentrar-se numa das possibilidades, a pessoa altera os impulsos do cérebro. O sistema releva esta modificação através de electrodos, captura-a e interpreta-a.
A função destes terminais - os electrodos - é a de medir a actividade elétrica superficial do cérebro que, por via de uma pasta condutora de eletricidade, transmite os sinais ao computador.
«Eles estão presos a uma touca que cobre a cabeça do utilizador, em posição central para receber os sinais das áreas mais profundas do córtex cerebral», explica um dos investigadores, Bernardo Darseno. Uma interface entre o cérebro e o computador completa a operação.
«Uma das partes mais complicadas é a análise dos sinais do eletroencefalograma, pois são muito "sujos", sofrem algumas interferências e são frágeis. O utilizador precisa de muita concentração», explica o coordenador da pesquisa, Matteo Matteucci.
Os sinais capturados são transmitidos a uma calculadora. Eles contêm as informações sobre a reacção de um indivíduo aos estímulos externos, no caso, ao painel com as opções dos pontos de destino. Quanto maior for a quantidade de dados apurados e elaborados sobre um destino desejado pelo utilizador, maior é a possibilidade da cadeira de rodas tomar o rumo da opção escolhida.
Um gráfico estabelece o percurso previsto da cadeira e o regista-o para poder ser consultado mais tarde após a execução do movimento. A cadeira de rodas inteligente ainda anuncia com a voz sintetizada o destino escolhido e, pouco depois, a chegada até a opção desejada.
A cadeira de rodas orienta-se com o auxílio de uma câmara apontada para o tecto do apartamento. Em cada ambiente existe um dispositivo fixado no alto. São adesivos de plástico, diferentes uns dos outros, que permitem a exacta localização do utilizador, em tempo real.
«Neste programa colocamos não apenas a disposição dos ambientes como também todos os objectos e barreiras espalhados pela casa, como mesas, cadeiras, colunas e paredes. Dois sensores a laser, instalados na frente da cadeira, reconhecem obstáculos imprevistos, como a passagem de uma pessoa. Dependendo da distância, ela pode parar ou desviar, se houver espaços para a manobra. Ninguém corre o risco de ser atropelado», explica o professor Matteo Matteucci.
Todo o sistema, alimentado por uma bateria, pode ser operado de três maneiras: através do "touch screen", quando o usuário toca com as mãos no lugar onde quer chegar; o de alta-voz com os comandos dados através da fala; e o cérebro-computador, o mais sofisticado e complicado.
Para os cientistas, o desafio para o futuro é equipar cidades inteiras para que esta realidade possa ganhar as ruas. «Em princípio, sim, essa hipótese existe... Em casa usamos marcadores no tecto e isso ajuda a dar um erro de localização de poucos centímetros. Não pode haver no exterior um erro nem de baixo padrão. Com o GPS temos alguns metros de erro. Estamos a trabalhar para integrar o laser, o GPS e as câmaras para reduzi-los e levar a cadeira para o ambiente externo», explica o professor Matteo Matteucci.
Ele acredita que a cadeira com a interface cérebro-computador possa chegar ao mercado entre cinco e 10 anos, depende do volume de investimentos a ser feito. O protótipo foi feito após três anos de investigação e custou cerca de 30 mil euros, investidos pelo Politécnico de Milão, Região Lombardia e Instituto Italiano de Tecnologia. Ele faz parte de um projecto europeu com diferentes unidades de pesquisa em andamento na Suíça e na Alemanha. A China já possui um protótipo e outros países pesquisam soluções semelhantes.
Na Itália, segundo dados oficiais do governo, existem cerca de 1,2 milhão de pessoas com dificuldade de movimento.

quinta-feira, 11 de março de 2010

NOTICIAS SOBRE SPP PELO MUNDO


Memória



Morre Arthur C. Clarke



18 de março de 2008
NOTICIAS DO SITE VEJA.COM

O escritor britânico de ficção científica Arthur C. Clarke morreu nesta terça-feira, em sua casa, no Sri Lanka, aos 90 anos de idade. Clarke tem mais de 100 livros sobre o espaço e é autor do clássico 2001: Uma Odisséia no Espaço, que se tornou sucesso de bilheteria nos cinemas de todo o mundo na adaptação do cineasta Stanley Kubrick, em 1968.
Clarke sofria de problemas respiratórios e lutava contra a síndrome de pós-pólio desde 1960. De acordo com a Associação Brasileira de Síndrome Pós-Poliomielite, a síndrome é uma desordem neurológica caracterizada por nova fraqueza ou fadiga muscular anormal em indivíduos que tiveram poliomielite aguda, muitos anos antes. Por causa da doença, anda apenas em cadeira de rodas.


Considerado um visionário, foi especialista em radares durante a II Guerra, na força aérea britânica, e em 1945 Clarke já falava sobre comunicação via satélite.

quarta-feira, 10 de março de 2010

BRASIL ENTRANDO NO PRIMEIRO MUNDO NA SPP-CID 10, G 14.

BRASIL NO PRIMEIRO MUNDO  SPP- CID 10, G 14

São Paulo, 25 (AE) - Por iniciativa de médicos pesquisadores brasileiros, o Brasil obteve a inclusão inédita junto ao Comitê Internacional de Classificação de Doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS) de uma nova doença conhecida por Síndrome Pós-Poliomielite (SPP). A SPP é um transtorno neurológico caracterizado por nova fraqueza muscular e/ou fadiga muscular anormal em indivíduos que tiveram poliomielite aguda há décadas, normalmente quando crianças, motivo pelo qual é conhecida popularmente como "paralisia infantil".

A síndrome encontra-se na categoria das doenças do neurônio motor em virtude dos quadros clínico e histológico estarem intimamente relacionados com a disfunção dos neurônios motores inferiores. O Setor de Investigação de Doenças Neuromusculares da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), juntamente como o Centro de Prevenção e Controle de Doenças da COVISA/SMS-SP (CPCD/SP), solicitaram a inclusão da SPP no Código Internacional de Doenças, revisão 2010 (CID 10), após realizarem a documentação técnica da doença. O principal argumento baseou-se no fato da síndrome não ser uma sequela da poliomielite, mas uma nova doença que necessita de terapias específicas, diferentes daquelas empregadas para os pacientes com sequelas de poliomielite. A solicitação de inclusão foi aceita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e incluída a partir de 2010, dentro dos tópicos das doenças do neurônio motor - CID 10, G 14.
A primeira linha de pesquisa para conhecer as características clínicas da SPP na população brasileira foi iniciada em 2003, pelo fisioterapeuta Abrahão Augusto Juviniano Quadros, MsC e fisioterapeuta do ambulatório de SPP da UNIFESP. Ambulatório este, criado no mesmo ano para atender esses pacientes de forma multidisciplinar, com profissionais das áreas de neurologia, fisioterapia motora de solo e água, fisioterapia respiratória, nutrição, fonoaudiologia e psicologia.
Em 2004, os profissionais da UNIFESP, juntamente com o CPCD/SP, elaboraram o primeiro documento técnico da SPP. Três anos depois, com o avanço das pesquisas, foi publicado o manual "Síndrome Pós-Poliomielite (SPP): Orientações para os Profissionais de Saúde", elaborado pela mesma equipe, com a participação da Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, na busca da sedimentação e construção das abordagens coletadas ao longo dos anos.
Com o reconhecimento e a inclusão na revisão 2010 do CID, surgem importantes desdobramentos. Primeiro, a promoção e valoração da classe médica e do Brasil junto a OMS, onde o nosso país tem acento. Segundo, pelo fato do ineditismo e pioneirismo no que se refere à iniciativa do registro da nova doença, com reflexo para o mundo inteiro. Terceiro, em relação ao aspecto da garantia à saúde a todos os cidadãos - com a regularização da doença e atendimento digno não apenas no Sistema Único de Saúde mas, inclusive pelos planos de saúde - e ao avanço das pesquisas - proporcionando aos pacientes com a síndrome, alcançar uma melhor qualidade de vida. Quarto, a garantia e a construção dos direitos trabalhistas aos portadores da moléstia. Quinto, a possibilidade de ampliação das pesquisas tanto no que se refere à questão medicamentosa, quanto ao próprio tratamento. Sexto, a possibilidade de um tratamento focado não mais no encaminhamento para outra área da medicina como, por exemplo, a psiquiatria, quando da descrição dos sintomas e a não identificação exata da síndrome. Por fim, o sétimo desdobramento trás a possibilidade de o Estado direcionar ações específicas no trato da doença nos pacientes por estes se encontrarem revestidos de legitimidade.


Em continuidade a esse trabalho é de primordial importância que os profissionais estejam prontos a diagnosticar e tratar pacientes acometidos por essa nova doença. Para sua consecução o Ministério da Saúde oferece, atualmente, aos profissionais da área de saúde, curso de capacitação sobre a Síndrome, em parceria com UNIFESP, visando a multiplicação de profissionais aptos ao trato da doença.


Só buscando parcerias no cuidado aos pacientes acometidos pela Síndrome Pós-poliomielite é possível melhorar a qualidade de vida do indivíduo.

(*) Dr. Acary Souza Bulle de Oliveira é médico e professor doutor em Neurologia pela UNIFESP.

segunda-feira, 8 de março de 2010

NOVAS TECNICAS DE CIRURGIAS


Cirurgia minimamente invasiva resolve problemas ortopédicos



Pacientes com lesões no joelho, quadril e coluna são beneficiados com novos aparelhos e técnica

Novas técnicas e avanços na ortopedia prometem resolver, com o mínimo de sofrimento para os pacientes, os problemas de joelho, quadril e coluna. São as chamadas cirurgias minimamente invasivas, que através de novos aparelhos e técnicas, reduzem os riscos, as chances de anestesia geral e o tempo de internação. O assunto foi discutido por profissionais da área durante o II Simpósio Internacional de Técnicas Minimamente Invasivas Aplicadas à Ortopedia e à Coluna Vertebral, realizado pela Associação de Assistência à Criança Deficiente (Aacd) em São Paulo.
Essas novas técnicas contam com um aparelho de última geração, o navegador - uma espécie de GPS que atua nas cirurgias ortopédicas. Com ele, é possível detectar, numa operação de joelho, os pontos onde serão feito os cortes, reduzindo muito as chances de erro. "Ele tem um cálculo matemático que reconhece toda a articulação. O médico passa a ter domínio absoluto do joelho", explica Antônio Carlos Fernandes, diretor clínico da Aacd. Com o GPS, que detecta os pontos através de luz infra-vermelha, também é possível introduzir parafusos na coluna - nos casos de problemas mais graves na região - com maior precisão. "Se colocar um parafuso torto, ele pode ferir um nervo, uma raiz nervosa. O uso da navegação cirúrgica diminui as chances de isso acontecer", exemplifica.
No entanto, pacientes que possuem problemas graves na coluna, desgastes do quadril ou lesões nos joelhos têm pouco acesso a esse tipo de cirurgia. A técnica é realizada em alguns poucos hospitais do país - como a Aacd -, sendo que a maioria dos convênios não cobre as despesas, e o valor é bastante alto. No caso da Aacd, uma instituição filantrópica, essas cirurgias onerosas são realizadas para atender a uma causa nobre: obter recursos para os pacientes da área de reabilitação, a maioria crianças. "É um avanço para adquirir recursos e tratar os pacientes carentes", explica Fernandes.



Fonte: http://www.correiodabahia.com.br/


Procedimentos de Reabilitação




Os procedimentos de reabilitação são praticados para prevenir e tratar lesões e melhorar o desempenho e a qualidade de vida das pessoas.



◦FISIOTERAPIA

A fisioterapia é a área da saúde que estuda o movimento humano a fim de preservar, desenvolver, manter e restaurar o movimento, a capacidade funcional e a qualidade de vida dos indivíduos. A fisioterapia age visando a promoção da saúde e bem estar, prevenindo limitações e incapacidades funcionais e agindo na restauração dos sistemas essenciais.



◦HIDROTERAPIA

A hidroterapia é um importante recurso da fisioterapia que é aplicado em piscina aquecida, utilizando técnicas no sentido de prevenir e tratar doenças. Devido às propriedades, pressão e temperatura da água, contribui para excelentes resultados curativos, além de promover a saúde, tratar e reabilitar distúrbios funcionais e proporcionar reintegração social aos pacientes. Por atenuar a atuação da gravidade sobre o corpo, esse ramo da fisioterapia é indicado para tratamentos da coluna vertebral. Pelo mesmo motivo, a hidroterapia pode ser utilizada por pacientes com obesidade.



◦PROPRIOCEPÇÃO

Propriocepção é a capacidade do indivíduo de saber onde está cada parte do corpo no espaço, ou seja, a percepção que temos de nós mesmos.
Os exercícios de propriocepção são simples e eficazes, aumentando a percepção das sensações físicas e posturais, melhorando a consciência corporal e sensorial.



TRABALHAR OU VIVER A CUSTA DOS OUTROS

 O pensamento abaixo foi escrito em 1931 e ainda está bem atual.



Há tempos não leio algo tão simples e didático para entendermos que o assistencialismo disfarçado em bolsa família, vale gás, etc. nunca levará esse país para frente!
Não quero elucubrar sobre o Socialismo...mas na minha opinião a teoria é linda na faculdade, porém na prática, ainda estamos longe de viver suas maravilhas. Então após lerem esse texto tirem suas próprias conclusões.

Um experimento Socialista

Um professor de economia na universidade Texas Tech disse que ele
nunca repetiu um só aluno antes, mas tinha, uma vez, repetido uma classe inteira.
Esta classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente
funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e 'justo. '
O professor então disse, "Ok, vamos fazer um experimento socialista
nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas em testes."
Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e
portanto seriam 'justas. ' Isso quis dizer que todos receberiam as
mesmas notas, o que significou que ninguém repetiria.
Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia um A...
Depois que a média das primeiras provas foram tiradas, todos receberam Bs.
Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se
esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando o segundo teste foi aplicado, os preguiçosos estudaram ainda
menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que
tinham estudado bastante no início, resolveram que eles também se
aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra
suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um
resultado, a segunda média dos testes foi D.Ninguém gostou.
Depois do terceiro teste, a média geral foi um F.
As notas não voltaram a patamares mais altos, mas as desavenças entre
os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da
atmosfera das aulas daquela classe. A busca por 'justiça' dos alunos
tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de
injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das
contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala.
Portanto, todos os alunos repetiram... Para sua total surpresa.
O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque
ele foi baseado no menor esforço possível da parte de seus
participantes.Preguiça e mágoas foi seu resultado. Sempre haveria fracasso na
situação a partir da qual o experimento tinha começado.
"Quando a recompensa é grande", ele disse, "o esforço pelo sucesso é
grande, pelo menos para alguns de nós.
Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos
outros sem seu consentimento para dar a outros que não batalharam por
elas, então o fracasso é inevitável."
(estão aí as "bolsas " do governo que não os deixa mentir, até'auxílio reclusão' pra quem tá preso, eu não autorizei, você autorizou?)



O pensamento abaixo foi escrito em 1931

"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações
que punem os ricos pela prosperidade.
Cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber.
O governo não pode dar para alguém aquilo que não tira de outro alguém.
Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois
a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra
metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a
primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.
É impossível multiplicar riqueza dividindo-a."



Adrian Rogers, 1931

CARROS ADAPTADOS PARA "PNE"


Para tirar a Carteira de Habilitação, o portador de deficiência deve:


• Matricular-se numa auto-escola


Qualquer auto-escola pode habilitar um portador de deficiência. Porém, existem escolas especializadas, com carros automáticos e adaptados.
• Fazer o exame médico e psicotécnico


A lei exige que somente o Detran faça os exames, que são bem simples. O médico irá apenas fazer perguntas a respeito da deficiência e, em casos mais graves, examinar o membro defeituoso.
• Fazer o exame de legislação e cursar a auto-escola


A legislação para o exame teórico é igual para todos os aspirantes a motoristas. O dia e horário do teste teórico serão marcados pelo Detran. Aprovada no exame de legislação, a pessoa portadora de deficiência está apta a começar as aulas de direção.
Dois tipos de carros suprem as necessidades dos portadores de deficiência: os equipados com câmbio automático e os adaptados. O exame médico irá demonstrar quais dessas adaptações são necessárias para cada tipo de deficiência.
• Fazer o exame prático no Detran
Assim como o exame de legislação, o teste de direção não apresenta diferença em relação ao exame feito pelos demais candidatos à CNH. Se esta etapa for efetuada com sucesso pelo candidato, ele estará habilitado para dirigir veículos, de acordo com o tipo de carteira solicitada.



Adaptação de Veículos


Introdução - Conforme o nível e gráu da lesão, dependendo dos movimentos e força que permaneceram e/ou retornaram, uma pessoa poderá ou não dirigir veículos adaptados com comandos manuais. Caso tenha condições físicas e econômicas, é muito importante voltar ou aprender a dirigir, pois as cidades brasileiras, na grande maioria, não dispõem de transporte público com acessibilidade. Os ônibus, trens, metros e suas estações, rodoviárias, aeroportos e outros, na grande maioria, não possuem acessibilidade, ou seja, condições para que todas as pessoas, sejam elas andantes, cadeirantes, idosos, grávidas e pessoas com mobilidade reduzida, tenham acesso, pois faltam elevadores, rampas, espaços, etc, para que todos possam exercer o direito de ir e vir de todo cidadão. Além disso, nossos governantes também não cuidam das calçadas e guias, dificultando ainda mais o transporte. Quando há adaptações, na maioria das vezes, são mau feitas ou não funcionam, dificultando ainda mais a vida das pessoas. Tudo isso, pode acabar atrapalhando ou dificultando a reintegração social, profissional, afetiva e sexual das pessoas com mobilidade reduzida.

Tipos de lesão e Adaptações

Conforme o nível da lesão e o gráu de comprometimento dos movimentos e força, uma pessoa necessitará de determinados equipamentos para dirigir, pois as adaptações devem ser desenvolvidas de acordo com as diferentes necessidades. Estes trabalhos deverão ser feitos por profissionais especializados, com conhecimentos em lesão medular e seus comprometimentos. Existem alguns profissionais no mercado e, caso não atendam as solicitações e necessidades, não exite em procurar outro. Qualquer veículo pode ser adaptado, desde os mais simples e acessíveis, até os mais caros e sofisticados. As adaptações também variam muito de preço, sofisticação e tecnologia. Importante: Os veículos com câmbio automático são mais confortáveis, fáceis e seguros para tetra e paraplégicos dirigirem. Além disso, as adaptações ficam mais baratas e de manutenção próxima a zero(requer pouca manutenção), pois são mais simples do que aquelas para veículos com câmbio mecânico(aqueles que tem que trocar marchas).

Adaptações para pessoas com tetraplegía

Dependendo do nível da tetraplegia, uma pessoa não terá certos movimentos de braços e/ou dedos, ou então, movimentos com força reduzida. Nestes casos, para controlar o volante, botões diversos, breque de mão e outros, deverão ser desenvolvidas adaptações para substituir a prensão dos dedos. Para possibilitar e/ou facilitar a dirigibilidade, o veículo deverá ter direção hidráulica e câmbio automático, o que proporcionará também, maior conforto e segurança. Comandos elétricos, como os de vidros, espelhos e travas, ajudarão bastante na independência.

Tipos de adaptações

Volante - Poderão ser utilizadas uma espécie de alça para encaixe da mão ou, encaixes de dois ou três pinos, onde serão encaixados o punho e/ou dedos. Um pomo giratório(espécie de bola achatada), também poderá ser utilizado, caso exista alguns movimentos de dedos. Todas estas adaptações são presas ao volante e giram sob seu próprio eixo, possibilitando todas as manobras.


Freio e acelerador - Para estes comandos, pode ser utilizada uma única alavanca que, quando puxada para traz, acelera o veículo e, quando empurrada para frente, aciona o breque. Existem outros meios para executar tais tarefas, más o citado é o mais simples, barato e requer pouca manutenção. Para ajudar e facilitar a dirigibilidade para pessoas com fracos movimentos de extensão dos braços, a alavanca poderá ser alongada em direção ao corpo da pessoa, ficando mais próxima.


Freio de mão - Existe uma forma bem fácil e prática para soltar e acionar este breque, para carros de passeio. Com cuidado e destreza, batendo com mão no botão do breque, a alavanca descera. Para acioná-lo, encaixando a mão na alavanca ou, utilizando da pinça dos dedos, ou ainda, provocando uma espasticidade para a mão fechar em torno da alavanca, uma pessoa poderá puxá-la e acionará o freio. Caso estes métodos não sejam possíveis, poderão ser feitas adaptações para soltar e acionar os freios, através de "alças" para acionamento e diferentes métodos para soltá-lo. Dica: o câmbio automático possui a posição P - Parking, que trava o carro na posição de estacionamento. Tal artifício deve ser utilizado com cuidado, somente com o carro parado, afim de não estragar o câmbio.


Demais comandos - Os diversos botões para acionamento dos controles dos vidros, espelhos, faróis, seta, travas e outros, poderão ser adaptados de acordo com as necessidades e conveniência.

Adaptações para pessoas com paraplegía

Pessoas com paraplegía, por ter todos os movimentos e força dos braços, poderão dirigir qualquer tipo de veículo, com ou sem direção hidráulica e, com ou sem câmbio automático, podendo escolher entre várias opções de adaptações para acelerador, freio e câmbio. Poderão também, adaptar quadriciclos, triciclos e motocicletas com side-car.

Veículos com câmbio automático

Em um veículo com câmbio automático, a única adaptação que uma pessoa com paraplegia irá precisar, será a alavanca para freiar e acelerar, se constituindo na mais simples, acessível(baixo custo) e de manutenção praticamente zero. Algumas pessoas utilizam o pomo giratório, pra auxiliar nas curvas e manobras. Também poderão ser utilizados aceleradores localizados no volante, com acionamento mecânico, elétrico ou eletrônico, subindo assim, o custo.

Veículos com câmbio mecânico

Nos veículos com câmbio mecânico, a embreagem deverá ser automatizada, através de sistemas que, com o toque da mão no câmbio ou pressionamento da alavanca de freio, o pedal da embreagem é acionado, deixando o carro pronto para receber ou desengatar as marchas. Ao acelerar, o pedal da embreagem sobe, dando o movimento ao veículo.

Como comprar um carro



As pessoas poderão adquirir veículos novos ou usados.



Antes de comprar, deverá ser feita uma análise minuciosa, dando ênfase para os seguintes detalhes:

Altura do veículo e do banco do motorista - a altura irá influenciar diretamente nas transferências(entrar ou sair do veículo). Se for muito alto ou muito baixo, dificultará ou tornará impossível as transferências com o auxílio de tábuas de transferências ou em transferências sem a utilização das tábuas, ou ainda, em transferências com o auxílio de duas pessoas. O ideal, é que a altura do banco do carro seja o mais próximo possível da altura do assento da cadeira de rodas.


Abertura da porta do motorista - a abertura da porta também influencia nas transferêcias. Quanto maior for o seu angulo de abertura, mais fácil será para fazer as transferências, pois será possível ficar bem próximo ao banco.


Altura do volante - um volante muito baixo, pode atrapalhar na montagem das adaptações do acelerador e freio, que ficam fixadas abaixo da coluna do volante. Isso também, pode dificultar a passagem das pernas em uma transferência, além de dificultar na acomodação das mesmas.


Largura das portas - a largura das portas é mais ítem que pode dificultar nas transferências. Veículos com quatro portas ou portas muito extreitas, podem não apresentar espaço o suficiente para que uma pessoa se transfira.


Peso do volante e freios - veículos sem direção hidráulica ou com direção hidráulica muito pesada, dificultarão toda a dirigibilidade, desde as manobras, até as curvas mais abertas, pois, durante a maior parte do tempo ou em sua totalidade, as pessoas dirigirão com apenas uma das mãos no volante, pois a outra estará controlando o acelerador e o freio.


Porta-malas - é importante que o porta-malas acomode pelo menos a cadeira de rodas, ou aparelhos e equipamentos essenciais à locomoção e/ou bem estar da pessoa.

Isenções de Impostos

Veículo Novo - Para pessoas que possuem a carteira nacional de habilitação para deficientes - CNH - e farão a compra de um veículo nacional zero kilômetro, terão direito à isenção de impostos, proporcionando generosos descontos sobre seu valor. Se a potência do motor não ultrapassar 127 CV (cavalos a vapor), uma pessoa terá direito à isenção do IPI e ICMS, totalizando um desconto de cerca de 33% do valor do veículo. Caso a potência seja superior a 127 CV, a isenção será apenas do IPI, correspondendo a um desconto que fica em torno de 22%. Para veículos populares, a isenção será do IPI e ICMS, más o valor em porcentagem será inferior a 33%, pois o tributo sobre estes é menor. Este veículo será de uso do deficiente e, seu documento e posse será intransferível por 3(três) anos, portanto a pessoa não poderá vender o carro durante este período. Passado este tempo, o veículo poderá ser vendido e a aquisição de um outro zero kilômetro será pemitida, com as mesmas regras e condições do anterior. Existe também, a isenção do IPVA, sem prazo para término.


Veículo Usado - Os veículos usados, não possuem isenções de impostos para a sua aquisição, pois estes foram recolhidos lógo que deixaram as montadoras. A isenção do IPVA, pode ser requerida para estes casos.


Informações adicionais - A isenção do IPVA é concedida à apenas um veículo, portanto, se uma pessoa possuir mais que um carro, terá que eleger um para gozar da isenção. A isenção do IOF também poderá ser requerida, em casos de financiamento. Todo o processo para a obtenção das isenções, poderá ser feito pelo próprio requerente ou por despachantes.


Concessionárias Especializadas - Existem algumas concessionárias especializadas na venda de veículos para pessoas com deficiências. Nestas, fica mais fácil a aquisição, pois os funcionários tem um maior conhecimemto de como proceder com este trabalho.


Como conseguir a Carteira de Motorista - Se uma pessoa habilitada sofrer uma lesão medular, sua carteira de habilitação perderá a validade, mesmo antes da data de vencimento, devido às mudanças físicas. Com isso, será preciso tirar uma nova carteira, passando por um exame médico e prático. Não haverá a necessidade de refazer os exames teórico e psicotécnico. Uma pessoa que não era habilitada, deverá passar pelos 4(quatro) exames. Todo o processo poderá ser feito através de auto-escolas ou por conta própria, visitando os órgãos competentes das regiões, como DETRAM, Ciretrans, clínicas especializadas em exames médicos e psicotécnicos, etc. Existem algumas auto-escolas especializadas em habilitação para deficientes. Algumas dispõe de veículos adaptados que, de acordo com a deficiência e seu grau de comprometimento, poderão ser utilizados para fazer as aulas e o exame prático. A carta será da categoria B, com algumas observações quanto a tipo de câmbio, adaptação e outros. À uma pessoa com deficiência física e carteira de habilitação especial para deficiente físico, será vetada a atividade remunerada, ou seja, ela não poderá trabalhar como taxista, motorista de ônibus, caminhão, particular e outros. Uma das formas permitidas de uso do carro para o trabalho, são com veículos utilizados para a venda de sanduíches, bebidas e demais artigos, não caracterizando um trabalho remunerado ao dirigir um veículo, pois o mesmo ficará estacionado durante o período de trabalho.

Equipamentos diversos que facilitam o dia a dia

Controles alternativos diversos - Existem algumas adaptações que "trazem" os controles dos faróis, seta, buzina, limpadores de para-brisa e outros, mais próximas ao corpo do motorista, com acionamento alternativos, podendo usar a cabeça, cotovelo ou outras partes do corpo para fazê-lo.


Elevadores - Lifts e Plataformas - O lift é uma espécie de guincho ou elevador, com um braço de funcionamento manual ou por motor elétrico. Na ponta deste braço, são presas correias oriundas de uma espécie de bolsa, onde uma pessoa é encaixada para ser "issada", a fim de ajudar nas transferências entre o veículo e a cadeira de rodas. Este aparelho pode ser acoplado ao carro ou ser móvel, com rodas para que alcance os lugares desejados. As desvantagens destes aparelhos, estão no tamanho, peso e instalação no veículo, sendo mais recomendado para uso em carros grandes e espaçosos.
As plataformas são espécies de elevadores acoplados à vans, ônibus, caminhões e outros, onde uma pessoa sobe com sua cadeira de rodas, aciona um controle para subida ou descida e é conduzida até a altura necessária para entrar ou sair do veículo.


Rampas - Uma pessoa usuária de cadeira de rodas, poderá usar rampas para entrar ou sair dos veículos. Poderão ainda, utilizar a própria cadeira para dirigir ou ser transportada, de acordo com o tipo de veículo e cadeira ou, poderão transferir-se para o banco do carro.

Bancos Facilitadores de Acesso - Alguns veículos possuem bancos com sistemas que facilitam as transferências. Um dos sistemas, consiste na condução do banco para fora do veículo, para que uma pessoa "estacione" sua cadeira de rodas ao lado e faça a transferência e, posteriormente, o sistema é acionado, para transportar o banco juntamente com a pessoa para o interior do veículo. Outro sistema, corresponde a um banco do veículo que se acopla a uma base com rodas, se "transformando" em uma espécie de banco de rodas.

terça-feira, 2 de março de 2010

DESABAFO BRASILEIRO

O TEXTO É IMPERDÍVEL.



Estou fazendo minha parte , e VOCÊ?...

- Brasileiro é um povo solidário. Mentira. Brasileiro é babaca.


Eleger para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari, só porque tem uma história de vida sofrida;
Pagar 40% de sua renda em tributos e ainda dar esmola para pobre na rua ao invés de cobrar do governo uma solução para pobreza;
Aceitar que ONG's de direitos humanos fiquem dando pitaco na forma como tratamos nossa criminalidade. ..
Não protestar cada vez que o governo compra colchões para presidiários que queimaram os deles de propósito, não é coisa de gente solidária.
É coisa de gente otária.
- Brasileiro é um povo alegre. Mentira. Brasileiro é bobalhão.
Fazer piadinha com as imundices que acompanhamos todo dia é o mesmo que tomar bofetada na cara e dar risada.
Depois de um massacre que durou quatro dias em São Paulo , ouvir o José Simão fazer piadinha a respeito e achar graça, é o mesmo que contar piada no enterro do pai.
Brasileiro tem um sério problema.
Quando surge um escândalo, ao invés de protestar e tomar providências como cidadão, ri feito bobo.
- Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira.
Brasileiro é vagabundo por excelência.
O brasileiro tenta se enganar, fingindo que os políticos que ocupam cargos públicos no país, surgiram de Marte e pousaram em seus cargos, quando na verdade, são oriundos do povo.
O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado ao ver um deputado receber 20 mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o saco o resto da semana, também sente inveja e sabe lá no fundo que se estivesse no lugar dele faria o mesmo.
Um povo que se conforma em receber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nada e não aproveita isso para alavancar sua vida (realidade da brutal maioria dos beneficiários do bolsa família) não pode ser adjetivado de outra coisa que não de vagabundo.
- Brasileiro é um povo honesto. Mentira.
Já foi; hoje é uma qualidade em baixa.
Se você oferecer 50 Euros a um policial europeu para ele não te autuar, provavelmente irá preso.
Não por medo de ser pego, mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas.
O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado com o mensalão, pensa intimamente o que faria se arrumasse uma boquinha dessas, quando na realidade isso sequer deveria passar por sua cabeça.
- 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira.
Já foi.
Historicamente, as favelas se iniciaram nos morros cariocas quando os negros e mulatos retornando da
Guerra do Paraguai ali se instalaram.
Naquela época quem morava lá era gente honesta, que não tinha outra alternativa e não concordava com o crime.
Hoje a realidade é diferente.
Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como 'aviãozinho' do tráfico para ganhar uma grana legal.
Se a maioria da favela fosse honesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora, porque podem matar 2 ou 3 mas não milhares de pessoas.
Além disso, cooperariam com a polícia na identificação de criminosos, inibindo-os de montar suas bases de operação nas favelas.
- O Brasil é um pais democrático. Mentira.
Num país democrático a vontade da maioria é Lei.
A maioria do povo acha que bandido bom é bandido morto, mas sucumbe a uma minoria barulhenta que se apressa em dizer que um bandido que foi morto numa troca de tiros, foi executado friamente.
Num país onde todos têm direitos mas ninguém tem obrigações, não existe democracia e sim, anarquia.
Num país em que a maioria sucumbe bovinamente ante uma minoria barulhenta, não existe democracia, mas um simulacro hipócrita.
Se tirarmos o pano do politicamente correto, veremos que vivemos numa sociedade feudal: um rei que detém o poder central (presidente e suas MPs), seguido de duques, condes, arquiduques e senhores feudais (ministros, senadores, deputados, prefeitos, vereadores).
Todos sustentados pelo povo que paga tributos que têm como único fim, o pagamento dos privilégios do poder. E ainda somos obrigados a votar.
Democracia isso? Pense !
O famoso jeitinho brasileiro.
Na minha opinião, um dos maiores responsáveis pelo caos que se tornou a política brasileira.
Brasileiro se acha malandro, muito esperto.
Faz um 'gato' puxando a TV a cabo do vizinho e acha que está botando pra quebrar.
No outro dia o caixa da padaria erra no troco e devolve 6 reais a mais, caramba, silenciosamente ele sai de lá com a felicidade de ter ganhado na loto... malandrões, esquecem que pagam a maior taxa de juros do planeta e o retorno é zero. Zero saúde, zero emprego, zero educação, mas e daí?
Afinal somos penta campeões do mundo né?? ?
Grande coisa...
O Brasil é o país do futuro. Caramba , meu avô dizia isso em 1950. Muitas vezes cheguei a imaginar em como seria a indignação e revolta dos meus avôs se ainda estivessem vivos.
Dessa vergonha eles se safaram...
Brasil, o país do futuro !?
Hoje o futuro chegou e tivemos uma das piores taxas de crescimento do mundo.
Deus é brasileiro.
Puxa, essa eu não vou nem comentar...
O que me deixa mais triste e inconformado é ver todos os dias nos jornais a manchete da vitória do governo mais sujo já visto em toda a história brasileira.


Para finalizar tiro minha conclusão:


O brasileiro merece! Como diz o ditado popular, é igual mulher de malandro, gosta de apanhar. Se você não é como o exemplo de brasileiro citado nesse e-mail, meus sentimentos amigo, continue fazendo sua parte, e que um dia pessoas de bem assumam o controle do país novamente.
Aí sim, teremos todas as chances de ser a maior potência do planeta.
Afinal aqui não tem terremoto, tsunami nem furacão.
Temos petróleo, álcool, bio-diesel, e sem dúvida nenhuma o mais importante: Água doce!


Só falta boa vontade, será que é tão difícil assim?


FAÇA A SUA PARTE (SE QUISER)

PRIMEIRA VACINA

PRIMEIRA VACINA

FOTOS

FOTOS
NEUROMUSCULAR EM SÃO PAULO

Postagens populares

HIDROTERAPIA

HIDROTERAPIA