RELÓGIO

PARTICIPE SENDO UM SEGUIDOR DO BLOG

www.stepaway-polio.com

Google+

MAPA MUNDI

free counters

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Se meus amigos estão querendo ter um jardim especial com plantas exoticas e ou de ornamentaçao procurem quem realmente pode lhes agradar 100%  visite o site ou o blog deste amigo que espero tambem ser de voces.


Compre Agora



BLOG DA PLANTAMUNDO

AQUI MAIS UM LOCAL PARA VOCÊ SE SENTIR BEM E MELHORAR A AUTOESTIMA


https://www.facebook.com/photo.php?fbid=263480113742415&set=a.263480103742416.61257.254384604651966&type=1

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Portal de Acessibilidade - Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PPDs e PPAHs no RS (FADERS)Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social


Ampliada isenção do ICMS sobre veículos para pessoas com deficiência

20/04/2012
Medida favorece ainda o representante legal ou assistente da pessoa com deficiência/Governo de Sergipe Medida beneficiará também pessoas com deficiência visual, intelectual e autistas

Pessoas com deficiência visual, intelectual e autistas também serão beneficiadas com a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) na compra de veiculo 0 km. Antes, o benefício era apenas para pessoas com deficiência física, com autonomia para dirigir. A decisão é do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), publicada no Diário Oficial da União na última segunda-feira (9), por meio do convênio 38.

A medida, que começa a vigorar partir de janeiro de 2013 em todos os estados do País, favorece ainda o representante legal ou assistente da pessoa com deficiência, que também terá direito a isenção. O valor do veículo, incluídos os tributos, não pode ser superior a R$ 70 mil.

Viver Sem Limite - A medida de desoneração fiscal faz parte do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Viver Sem Limite, lançado em novembro do ano passado, que promove a inclusão social e produtiva de cerca de mais de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, que corresponde a 23,91% da população brasileira. Ao todo, esse plano vai investir até R$ 7,6 bilhões em educação, saúde e acessibilidade na área até 2014.


Fonte: Segs



Cinema: Sony prepara óculos "do futuro" que mostra legendas


Imagem dos novos óculos para cinema da Sony.20/04/2012
A Sony anunciou que se uniu ao grupo americano de cinemas Regal Entertaiment Group para desenvolver um óculos especial para ser usado nas salas de exibição 2D e 3D em praticamente todos os cinemas digitais dos Estados Unidos.

O aparelho irá mostrar as legendas dos filmes no display do próprio óculos. O objetivo é que ele seja útil para as pessoas com deficiência auditiva, mas também poderá ser usado para a exibição de filmes estrangeiros com legendas específicas.

De acordo com o site Engadget, os óculos já começam a ser enviados para os cinemas nos próximos meses e, até o início de 2013, ele deve estar em todas as salas dos EUA. Há também uma versão de fones de ouvido que servirá com propósito semelhante: para deficientes visuais e com tradução para outras línguas.


Fonte: Portal Terra



Mercado de produtos para pessoa com deficiência deve crescer 20% neste ano

20/04/2012
Bens e serviços de tecnologia assistiva movimentaram R$ 1,5 bi no país em 2011; perspectiva é favorável, sobretudo, por apoio de novas linhas de crédito
O Brasil acostumou-se nos últimos anos a notícias sobre a pujança da economia doméstica. Dentre tantos setores beneficiados um se destaca pelo fato de que seu avanço é sinônimo de inclusão e melhoria da qualidade de vida de uma enorme população que, há décadas, esteve marginalizada: as pessoas com deficiência (PcD). O mercado de bens e serviços de tecnologia assistiva – voltado não apenas ao público que nasceu ou adquiriu ao longo da vida algum problema físico, visual, auditivo, etc, mas também ao crescente número de idosos no país – movimentou cerca de 1,5 bilhão de reais em 2011. A projeção em 2012 é de elevação de 20% do faturamento. Os dados são do Grupo Cipa Fiera Milano, organizador da XI Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade (Reatech), que acontece até este final de semana em São Paulo. Com 300 expositores, a estimativa é que 48.000 pessoas passem pelos estandes do Centro de Exposições Imigrantes nos quatro dias de evento.

Crédito para pessoa com deficiência:

Crédito para pessoas com deficiência Em janeiro deste ano, o Conselho Monetário Nacional (CMN) regulamentou a possibilidade de empréstimos de microcrédito serem utilizados para financiar bens e serviços para pessoas com deficiência. A linha é composta por uma fatia de 2% do dinheiro que os clientes depositam à vista nos bancos.

Em janeiro, esse montante superava 1 bilhão de reais. Segundo o CMN, as instituições poderão definir o quanto dessa linha será destinado a este tipo de crédito. Os empréstimos têm valor máximo de 30.000 reais e devem ter fins específicos, como aquisição de aparelhos, adaptação de veículos e reformas de imóveis. Ainda segundo o órgão, as taxas de juros devem ser menores que 2% ao mês.

Independentemente da determinação do CMN, alguns bancos já oferecem crédito específico para aquisição de produtos para pessoas com deficiência. HSBC, Bradesco e Santander possuem linhas de Crédito Direto ao Consumidor (CDC) para financiamento de equipamentos. Já o Itaú e a Caixa Econômica Federal (CEF) oferecem o produto por meio da política de microcrédito definida pelo CMN.

O Banco do Brasil, por sua vez, possui dois tipos de financiamento. O BB Crediário para Pessoas com Deficiência, que oferece até 50.000 reais parcelados em 36 vezes, e o BB Crédito Acessibilidade, com linha de até 30.000 reais e juros de 0,64% ao mês. Contudo, como os recursos provêm da mesma fonte do microcrédito, a renda mensal máxima dos tomadores desse tipo de empréstimo deve ser de dez salários mínimos


O crescimento do mercado de tecnologia assistiva deve-se a uma conjunção de fatores: desde a melhoria geral do ambiente econômico, passando pelo aumento do emprego das pessoas com deficiência, até a oferta de crédito especial por alguns bancos. Há ainda grande expectativa no setor em 2012 com o impacto do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Viver sem Limite), lançado em novembro pelo governo federal. No Brasil, segundo dados preliminares do Censo de 2010, existem cerca de 45 milhões de pessoas com deficiência, o equivalente a 23% da população.

Automóveis – O segmento de automóveis é um dos que mais tem se beneficiado com o interesse das pessoas com deficiência. Do total movimentado pelo mercado de produtos de tecnologia assistiva no ano passado, cerca de 800 milhões de reais originaram-se apenas da compra e adaptação de veículos. Além do desejo natural de conquistar independência de locomoção, as vendas são favorecidas por preços mais convidativos. Afinal, as PcD’s podem comprar carros com isenção de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

A Cavenaghi – empresa do ramo de adaptações veiculares, que possui duas lojas e 40 concessionárias autorizadas no Brasil – prevê expansão de 20% no faturamento neste ano. Hoje a companhia adapta e transforma anualmente cerca de 5.000 carros. Cada consumidor gasta entre 800 e 6.000 reais em produtos da linha de direção, por exemplo. “O mercado está sofrendo muita mudança, principalmente graças à Lei de Cotas. Quando essas pessoas entram no mercado de trabalho, elas começam a ser remuneradas e a consumir”, diz Monica Cavenaghi, diretora comercial da empresa, que planeja abrir mais seis lojas até o final do ano em cidades-sede da Copa do Mundo. Criada em 1991 e regulamentada em 1999, a lei determina que empresas com mais de 100 colaboradores têm de incluir homens e mulheres com deficiência em seus quadros de profissionais. Do total de pessoas nesta condição no país, cerca de 11 milhões têm capacidade laboral, segundo estimativas do Ministério do Trabalho (MTE).

Estrangeiras de olho – Diante da perspectiva de crescimento bastante limitado dos mercados tradicionais de bens e serviços para PcD’s, como a Europa e os Estados Unidos, algumas empresas estrangeiras começam a traçar projetos de longo prazo para países emergentes como o Brasil. A prestigiada alemã Otto Bock – presente no mercado doméstico há 37 anos como fornecedora de próteses – começou a trazer mais recentemente para o país cadeiras de rodas e órteses (estruturas que auxiliam na melhoria das funções do corpo) e já faz novos planos. “Estudamos a possibilidade de ter uma produção local com o objetivo de fazer produtos mais adequados ao perfil do brasileiro”, afirma Wilson Zampini, diretor da empresa na América Latina.

Enquanto não tem fábrica no país, a companhia reclama da demora para obter autorização de importação na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Mesmo que, muitas vezes, seus produtos já possuam certificações europeias e americanas, a demora do órgão para liberar um bem que se almeja trazer do exterior pode levar de seis meses a um ano. Procurada pelo site de VEJA, a agência explica que a demora na aprovação geralmente ocorre pelo não cumprimento das exigências.

Programa governamental – Especialistas ouvidos pelo site de VEJA afirmam que o programa “Viver sem Limite” de 2011 coroa quase duas décadas de paulatino amadurecimento institucional em prol da inclusão plena da pessoa com deficiência na sociedade – e também na economia. Com previsão orçamentária de 7,6 bilhões de reais até 2014, o plano inclui linhas de financiamento para empresas especializadas em tecnologia assistiva, crédito para o consumidor final com juros inferiores aos de mercado, compras governamentais para adequação de escolas e moradias populares, além do fortalecimento de ações de reabilitação.

As mudanças legais e econômicas nesta área são merecedoras de comemoração, mas ainda há muito a evoluir. “Os avanços são inegáveis, mas as condições de trabalho para as pessoas com deficiência, por exemplo, podem melhorar sobremaneira”, diz a consultora Carolina Ignara, da Talento Incluir, que ajuda empresas a contratar PcD’s. De acordo com ela, as principais dificuldades enfrentadas são a falta de cultura inclusiva no país, o reduzido entendimento sobre a Lei de Cotas e o déficit sociocultural da pessoa com deficiência. “Gestores despreparados pela cultura social, empresas contratando para cumprir cota e pessoas com deficiência sem saber seus direitos e deveres. Por isso, defendo que a inclusão deve investir em cultura. O entendimento leva ao respeito e aumenta as chances de sucesso”, completa.

Deficiência x renda – De acordo com o Relatório Mundial Sobre Deficiência, da Organização Mundial de Saúde (OMS), há uma prevalência maior de deficiência em países de renda baixa que em nações de rendimento mais elevado. Grosso modo, os mais pobres, desempregados e com baixa qualificação profissional estão expostos a um risco mais alto de se enquadrar também nesta condição. “É preciso entender a deficiência como um fator que se insere na relação entre a limitação funcional e o ambiente em que ela está inserida”, diz Luis Mauch, coordenador-geral da Mais Diferenças, organização da Sociedade Civil (OSCIP) especializada em educação e cultura inclusivas. Na avaliação dele, esse mercado ainda tem muito a se expandir no Brasil em comparação a economias mais maduras, como a Alemanha, por exemplo, que investiu muito em políticas e tecnologia para inserir pessoas com deficiência no pós-guerra. “Quanto mais adequado for o ambiente, melhores ficam as condições para as pessoas com deficiência. Entender isso gera oportunidades e é bom para a economia. Essas pessoas querem ser incluídas e cobradas”, acrescenta.

Impostos – Renato Laurenti, cadeirante há 28 anos e sócio da Comoir, empresa de e-commerce especializada em produtos para pessoas com deficiência, afirma que o poder público pode contribuir muito para esse mercado por meio da redução de impostos e desoneração da cadeia produtiva. Para ele, o número de empresas no mercado nacional ainda é restrito e, por isso, muitos artigos têm de ser importados. “Esse tipo de produto é prioritário, pois garante qualidade de vida e independência para essas pessoas, mas alguns ainda são muito caros”, diz. “Fico o dia inteiro sentado na minha cadeira. Se ela não for bem feita, com boa almofada, não aguento ficar. As cadeiras nacionais vêm melhorando, mas ainda não se comparam com as importadas em atributos como peso, conforto e mobilidade”, lamenta.

O empresário Vitor Hugo Silveira, da Altra Importação & Exportação, que traz do exterior produtos de uso diário, como talheres e alcançadores, concorda que a tributação é um grande problema. “Alguns produtos que não têm sofisticação, mas que ajudam na rotina, como talheres, acabam taxados na mesma categoria de produtos normais”, explica. Um exemplo dado por ele é um prato com bordas mais altas e ventosas para prender na mesa. A empresa o compra da China por cerca de 7 reais (4 dólares) e é obrigada a revendê-lo por 42 reais no mercado interno. Vinte reais do preço total referem-se apenas à tributação.

A despeito de tantos problemas, cegos, surdos, pessoas com deficiência física, idosos com problemas de mobilidade, etc, conseguem viver melhor hoje que décadas atrás. A conquista é mérito de todos: legisladores, governos, entidades sociais, empresários e das próprias pessoas com deficiência. O futuro inspira esperança. Contudo, cabe ao poder público – municipal, estadual e federal – papel ainda mais destacado. Como muitos bens e serviços, pela combinação de oferta restrita e impostos altos, ainda têm preços proibitivos para a maioria da população com deficiência, os governos poderiam guardar parcela da exorbitante arrecadação de impostos para apoiar este grupo com políticas públicas. Na Europa, não é raro que um cadeirante vá a uma feira como a Reatech, escolha a cadeira de seus sonhos e volte para casa, onde redige o pedido para compra do equipamento a ser endereçado ao governante local. E o mais interessante é que ele é atendido. O Brasil ainda tem de avançar muito para chegar lá.


Fonte: Veja

terça-feira, 24 de abril de 2012

PRECISANDO DE UM ÓTIMO ATENDIMENTO PARA SUA WEB E COMPUTADOR UTILIZE OS SERVIÇOS DE UM PROFISSIONAL COMPETENTE.

segunda-feira, 23 de abril de 2012



UNINOVE  PROJETO 2012 PARTICIPE 





Estamos recrutando indivíduos portadores de Síndrome Pós-Poliomielite, para participar de uma pesquisa cientifica sobre os efeitos da terapia aquática na qualidade de vida, fadiga e dor. O atendimento será gratuito e terá a duração de 10 sessões.
Os interessados devem comparecer a clinica de fisioterapia da UNINOVE (NO ENDEREÇO ABAIXO) dia 27/04 ou 04/05 as 12h00min com todos os exames comprovando o diagnóstico. (não há garantia de vagas para todos; atendimento por ordem de chegada).

O local de atendimento será na clínica de Fisioterapia da Universidade Nove de Júlio, localizada na Rua: Prof.ª Maria José Fernandes, 300 – VILA MARIA -CEP: 02117-021, São Paulo, SP

Referência: travessa da Av. Guilherme Cotching - Vila Maria - Zona Norte - São Paulo Capital. 
Duvidas no telefone 76069559 - Patricia

quinta-feira, 19 de abril de 2012

DR. LAIR RIBEIRO - O RISCO DE BEBER ÁGUA ENGARRAFADA


Tudo sobre o Gengibre!


Tudo sobre o Gengibre!


O gengibre é uma planta herbácea com muitos benefícios à saúde. Como planta medicinal, o gengibre é uma das mais antigas e populares do mundo. Suas propriedades terapêuticas são resultado da ação de várias substâncias, especialmente do óleo essencial, que contém canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona.
O gengibre possui sabor picante e pode ser usado tanto em pratos salgados quanto nos doces. Pode ser usado em diversas formas: fresco, seco, em conserva, em capsulas (em pó) ou cristalizado.

Benefícios do Gengibre

Ele é bastante indicado para programas de desintoxicação do organismo, além de ser considerado um poderoso anti-inflamatório, anticoagulante, antioxidante e bactericida.
O gengibre é utilizado para tratamento de náuseas, vômito, dor de cabeça, congestão do peito, cólera, gripe, diarreia, dor de estômago, reumatismo e doenças nervosas. Essa planta é um excelente remédio para inflamação da garganta, asma, bronquite, além de ser excelente no combate ao câncer.
O gengibre pode ser utilizado como antibiótico, além de possuir componentes que tratam a depressão. Os extratos de gengibre estimulam os centros vasomotor e respiratório.

Gengibre em pó

Tudo sobre o Gengibre!
O gengibre em pó tem o sabor mais suave e diferente do fresco. Por isso, o gengibre em pó não pode substituir o gengibre cru, como em receitas por exemplo. É muito usado em confeitarias e padarias para fazer bolos diversos, pães, biscoitos e tortas. Também combina com frutas e legumes e faz parte de várias misturas de temperos.
O gengibre em pó pode ser feito em casa: Deixe secar o gengibre, retire a casca e moa-o inteiro. Ou você pode comprar pronto em pacotes ou em forma de cápsulas.

Como fazer o chá de gengibre

Tudo sobre o Gengibre!
  • Aqueça ½ litro de água; não precisa ferver. (O gengibre perde as propriedades em água muito quente).
  • Despeje o líquido sobre 2 colheres (sopa) do gengibre cru, ralado ou esmagado.
  • Tampe e deixe em repouso por cerca de dez minutos.

O chá de gengibre ajuda a emagrecer?

O chá de gengibre poderá ajudar na sua dieta, pois estimula a digestão, alivia a constipação e é um tônico cardíaco. Ele trata a obesidade, pois ajuda acelerar o metabolismo e queima calorias.
Para facilitar a digestão, queimar calorias e reduzir peso, o recomendado é tomar ½ litro da bebida por dia, dividido em cinco doses iguais. Tome o chá sempre depois das refeições.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Portal de Acessibilidade - Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PPDs e PPAHs no RS (FADERS)Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social


FADERS capacita agentes de fiscalização de trânsito de Porto Alegre/RS


Imagem dos agentes de fiscalização da 12ª turma, posicionados em pé no auditório da EPTC, acompanhados da Psicóloga Iara Moraes, coordenadora do curso, e da psicóloga Eva Loreni, uma das técnicas ministrantes. Foto Divulgação.11/04/2012
A FADERS, cumprindo seu papel de articulação da politica pública para pessoas com deficiência e pessoas com altas habilidades, realizou o curso “Atenção à Pessoa com Deficiência – Abordagem com Cidadania”, capacitando 478 agentes de fiscalização de trânsito de Porto Alegre.

A capacitação que foi realizada de 07.03 à 11.04.2012, totalizando 48h de treinamento, teve como objetivo instrumentalizar a EPTC para o cumprimento da Resolução 15/2011, que estabelece a obrigatoriedade de qualificação dos agentes de fiscalização de trânsito no atendimento adequado às pessoas com deficiência.

Ações como essas, visam prevenir situações como a ocorrida em São Paulo (veja a matéria), onde uma pessoa com deficiência física foi penalizada em função da falta de treinamento dos agentes que a abordaram.

A FADERS também promoverá treinamento da Rede Hoteleira e Gastronômica de Porto Alegre, instrumentalizando o SINDPOA no atendimento com excelência às pessoas com deficiência nos jogos da Copa 2014.


Fonte: Assessoria Técnica da Faders






Coordenador da Lei Seca assume erro de agentes em multa a deficiente

11/04/2012
Por Roberta Hoertel

Com flores, coordenador da Lei Seca se desculpa por falha. Foto Marcelo Theobald/Extra
Com flores, coordenador da Lei Seca se desculpa por falha. Foto Marcelo Theobald/Extra.

Cinco dias atrás, Esther Braescher Naveira e Silva passou por um constrangimento ao ser parada numa blitz da Lei Seca no Jardim Botânico. Apesar de ser deficiente — ela tem a metade esquerda do corpo paralisada — e não conseguir soprar o bafômetro, foi multada por ter supostamente ingerido bebida alcoólica e teve a carteira apreendida. Ontem à noite, após o EXTRA contar a história de Esther, ela recebeu a habilitação de volta, a suspensão da multa e anulação dos pontos na carteira. E não só isso. A analista de sistemas de 36 anos ganhou flores e um pedido de desculpas, em nome do governo do estado, do coordenador da Lei Seca, major Marco Andrade.

Em nome do governo, venho pedir desculpas pela avaliação que nossos agentes tiveram nesse caso, que precisava de medidas especiais — afirmou ele. — Não temos problemas em assumir nossos erros. O caso serve como aprendizado para o futuro.

Independência
Apesar de agradecer a medida tomada pelo governo, Esther afirma que ainda irá entrar com uma ação contra o Estado pelo constrangimento causado na blitz e os prejuízos sofridos durante os dias em que não pode dirigir.

Como deficiente, Esther afirma que o carro, mais do que um meio de locomoção, é a maneira de garantir sua independência.

— Não consigo fazer nada desde sexta-feira porque não posso dirigir. Não consegui nem ir ao supermercado, porque dependo de amigos para tudo — explica ela. — O carro era minha independência, e perdi isso por erro deles.

Agentes vão passar por treinamento
Segundo o coordenador da Lei Seca, os agentes que abordaram Esther agiram conforme manda a legislação. Foi a mesma posição de uma nota da Secretaria estadual de Governo. Mas o major afirmou que houve erro ao não avaliar o caso como uma abordagem especial.

— Nossos agentes fizeram uma avaliação errada. O caso era especial e precisava de uma avaliação especial e medidas específicas — assumiu o major.

O coordenador acredita que o país ainda não está preparado para lidar com esse tipo de caso.

— A sociedade ainda engatinha com relação aos deficientes — afirmou.

De acordo com o major, os agentes da Lei Seca passarão por um novo treinamento, para evitar erros durante abordagens de pessoas com deficiência. Ele fez questão de ressaltar que os agentes da Lei Seca têm como objetivo constranger os motoristas e, por isso, decidiu pedir desculpas pessoalmente a Esther:

— Queremos salvar vidas, mas também erramos.


Fonte: globo.com




Começa a valer nova legislação para melhorar mobilidade urbana nas grandes cidades

13/04/2012
Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

Brasília - Melhorar a acessibilidade e a mobilidade das pessoas e cargas nos municípios e integrar os diferentes modos de transporte são alguns dos objetivos da Lei 12.587/2012, que começa a vigorar hoje (13). A legislação, que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, foi sancionada em janeiro e dá prioridade a meios de transporte não motorizados e ao serviço público coletivo, além da integração entre os modos e serviços de transporte urbano.

A legislação prevê instrumentos para melhorar a mobilidade urbana nas grandes cidades, como a restrição da circulação em horários predeterminados, a exemplo do que já existe em São Paulo. Também permite a cobrança de tarifas para a utilização de infraestrutura urbana, espaços exclusivos para o transporte público coletivo e para meios de transporte não motorizados, além de estabelecer políticas para estacionamentos públicos e privados. O texto também esclarece os direitos dos usuários, como o de ser informado sobre itinerários, horários e tarifas dos serviços nos pontos de embarque e desembarque.

Para o coordenador do Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade, Nazareno Stanislau Affonso, a nova legislação coloca o Brasil dentro da visão de mobilidade sustentável. “Atualmente, a política de mobilidade do país dá prioridade ao uso do automóvel, que é uma proposta excludente. O que essa lei fala é que agora a prioridade deve ser dada a veículos não motorizados, a calçadas, ciclovias, ao transporte público e à integração do automóvel a um sistema de mobilidade sustentável”.

Segundo ele, a aplicação da lei também vai depender da pressão dos usuários para que os governos locais de fato mudem a sua política, e o automóvel seja integrado de forma mais racional. “Quem tem carro vai perder privilégios e quem usa transporte público vai ganhar direitos”.

A nova lei vai exigir que os municípios com mais de 20 mil habitantes elaborem planos de mobilidade urbana em até três anos, que devem ser integrados aos planos diretores. Atualmente, essa obrigação é imposta aos municípios com mais de 500 mil habitantes. As cidades que não cumprirem essa determinação podem ter os repasses federais destinados a políticas de mobilidade urbana suspensos. “O governo federal não vai poder liberar nada contrário à lei, então, quanto mais rápido os municípios fizerem seus planos, mais fácil será a liberação de seus projetos”, alerta Affonso.

Para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a nova lei não é suficiente para garantir a sustentabilidade das cidades, com a necessária ampliação dos investimentos, redução dos congestionamentos e da poluição do ar e a melhoria da qualidade dos serviços públicos de transporte. Para o Ipea, que apresentou um estudo sobre a nova política de mobilidade urbana, é preciso o engajamento da sociedade para “fazer a lei pegar”, além da capacitação dos agentes municipais, que terão que adequar e implementar as diretrizes e instrumentos da lei à realidade de suas cidades.

Principais pontos da Política Nacional de Mobilidade Urbana:

- Prioridade dos modos de transporte não motorizados e dos serviços públicos coletivos sobre o transporte individual motorizado
- Restrição e controle de acesso e circulação, permanente ou temporário, de veículos motorizados em locais e horários predeterminados
- Estabelecimento de padrões de emissão de poluentes para locais e horários determinados, podendo condicionar o acesso e a circulação aos espaços urbanos sob controle
- Possibilidade de cobrança pela utilização da infraestrutura urbana, para desestimular o uso de determinados modos e serviços de mobilidade. A receita deverá ser aplicada exclusivamente em infraestrutura urbana destinada ao transporte público coletivo e ao transporte não motorizado e no financiamento do subsídio público da tarifa de transporte público
- Dedicação de espaço exclusivo nas vias públicas ao transporte público coletivo e a modos de transporte não motorizados
- É direito dos usuários participar do planejamento, da fiscalização e da avaliação da política local de mobilidade urbana

Edição: Graça Adjuto


Fonte: Agência Brasil





Alimentação saudável reduz o risco de gripe


Pode a sua dieta reduzir o risco de apanhar gripe? A especialista em nutrição Dr.ª Lisa Hark, Directora do Programa Educacional de Prevenção e Nutrição da Universidade de Medicina de Pensilvânia, está convicta que sim. A Dr.ª Hark explicou-nos como uma dieta saudável pode ajudar a reduzir o aparecimento de espirros, narizes entupidos, irritação do frio e até a miserável gripe.

De acordo com a Dr.ª Hark, uma alimentação saudável amplifica e reforça o seu sistema imunitário, e pode mesmo impedir que fique de cama com gripe. A chave é não esperar até ficar doente para fazer estas mudanças; precisa rever a sua dieta alimentar e estilo de vida antes que o vírus da gripe ataque.

Estes são os coselhos da Dr.ª Hark:

Confie em alimentos saudáveis, não em vitaminas.

Alimentos saudáveis são muito melhores que suplementos para a prevenção da gripe, porque através de alimentos conseguimos todo um pacote nutricional. Por exemplo, comer uma laranja é melhor do que tomar vitamina C porque a laranja oferece-lhe um conjunto de nutrientes - magnésio, potássio, folato, vitamina B6 e flavonóides ricos em antioxidantes.

Mesmo sabendo que a vitamina C é importante para um sistema imunitário saudável, os estudos não mostram que tomar doses massivas de vitamina C consegue impedir o vírus da gripe de actuar. Contudo, sabemos também que comer frutas e vegetais ricos em vitamina C ajuda a tornar o sistema imunitário mais forte. O seu sistema imunitário é o que o protege de infecções virais, e os alimentos que comemos têm um impacto muito significativo na sua capacidade de combater vírus como o da gripe. A razão para os frutos e vegetais serem melhores para o sistema imunitário é porque também contêm vitaminas A e E, tal como os flavonóides que trabalham em conjunto com a vitamina C para tornar o sistema imunitário, e todo o corpo, saudável.

Coma mais frutas e vegetais

Agora que sabemos que precisamos de comer bastante frutas e legumes para tornar o sistema imunitário forte, o próximo passo é tornar este conceito numa realidade. As tendem a comer menos frutos e produtos hortícolas no inverno, o que é precisamente o contrário daquilo que deve ser feito. Toda a gente deve ingerir pelo menos 5 doses de frutos e legumes por dia de modo a obter as vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes que necessita - tudo o que precisamos para um sistema imunitário forte e saudável.

Uma das formas mais simples de aumentar a ingestão de fruta e legumes é incorporar sumos naturais na sua dieta. Contudo, nem todos os sumos são adequados. Certifique-se que escolhe sumos com 100% fruta, porque os outros sumos contêm açucares extra e calorias. Para os melhores preços, tome especial atenção à sua mercearia local ou mercado municipal em busca de produtos da temporada. As laranjas, por exemplo, são geralmente mais baratas no inverno, o que contribui para a prevenção das gripes através dos citrinos.

A Drª Hark assegura que comer frutas e legumes congelados é outra forma económica e conveniente de melhorar os seus hábitos alimentares e prevenir-se das gripes. A oferta de legumes congelados varia desde as ervilhas ou espinafres até exóticas combinações de pratos vegetarianos que apenas precisa de colocar no microondas.

Certifique-se que as frutas e legumes fazem parte de todas as suas refeições. Basta adicionar bagas ou banana fatiada à sua taça de cereais ao pequeno almoço e beber um sumo natural de laranja. Junte uma maçã ao seu almoço e junte fatias de tomate, abacate e alface às suas sandes. Comece o jantar com uma salada ou sopa de vegetais. Habitue-se a manter a fruteira cheia para saciar o apetite entre refeições.

Mantenha a sua dieta saudável

Enquanto se foca em manter, ou aumentar, a quantidade de fruta e legumes que ingere, não se esqueça de complementar com outros alimentos saudáveis que o seu sistema imunitário necessita. Uma dieta bem balanceada com carnes magras, peixe, legumes, lactícinios magros, cereais e frutos secos fornece ao organismo tudo o que necessita para uma alimentação saudável. E um corpo saudável tende a possuir um sistema imunitário forte.

Fontes proteicas como carnes magras, lactícinios, ovos e legumes são especialmente importantes porque fornecem os aminoácidos que o corpo precisa para construir os componentes do sistema imunitário. As carnes magras também contêm ferro e zinco; a deficiência nestes minerais pode causar uma quebra no sistema imunitário.

Claro, evitar comida pouco saudável é muito importante. Mantenha-se afastado de açucares e gorduras, como as gorduras saturadas. A Drª Hark sugere que se prepare com lanches saudáveis de modo a não cair na tentação da fast food.

E se ficar doente?

Uma alimentação saudável e nutrição eficaz é também muito importante se apanhar gripe. A Drª Hark afirma que mesmo que fique doente e perca o apetite, precisa alimentar-se o melhor possível e sempre que possa. Tente três refeições diárias por dia, e não se esqueça das frutas e legumes. é fundamental ir buscar a energia que precisa para a recuperação, já que o seu corpo está a esforçar-se ao máximo para melhorar. A Drª Hark também salienta a importância de prevenir a desidratção. Beba muitos fluidos ao longo do dia, preferencialmente água e sumos com 100% fruta.

O que mais se pode fazer para prevenir as gripes

Uma alimentação saudável é só parte da solução. A Drª Hark tem outros conselhos para o ajudar a manter-se saudável:

Lave as mãos. As suas mãos estiveram em contacto com germes durante todo o dia. A melhor de livrar-se deles é lavar vigorosamente as mãos. Lave as mãos antes de preparar as refeições, depois de mexer em carnes cruas e antes de servir os alimentos. Certifique-se que toda a gente à mesa segue as mesmas práticas de higiene.

Descanse. Hoje em dia, a maioria das crianças e adultos não dorme o suficiente. Quando o corpo não descansa o suficiente, existem maiores probabilidades de adoecer.

Vacine-se contra a gripe. A Drª Hark diz que independentemente da idade, a vacina contra a gripe é sempre um excelente meio de prevenção. A vacinação adquire uma especial importância para pessoas idosas com problemas respiratórios.

Faça exercício. Existem fortes indicadores que dizem que quem pratica desporto adoece com menor frequência. O exercício é importante durante todo o ano, mesmo durante o inverno. Tenha um plano para manter-se activo durante o inverno, como vídeos de exercícios, saltar à corda ou praticar natação. Não se esqueça de levar os seus utensílios de treino quando viaja, praticamente todos os hotéis possuem ginásios e piscinas cobertas onde poderá praticar um pouco de desporto.

FONTE: http://www.alimentacaosaudavel.org/Artigo-prevenir-gripe.html

quarta-feira, 11 de abril de 2012

SENADO FEDERAL
Secretaria-Geral da Mesa
Acompanhamento de Matérias

As seguintes matérias de seu interesse sofreram ações em: 10/04/2012


Ementa: Dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial à pessoa com deficiência filiada ao Regime Geral de Previdência Social....
10/04/2012 SEXP - SECRETARIA DE EXPEDIENTE
Situação: REMETIDA À CÂMARA DOS DEPUTADOS

Anexado Ofício SF nº 501 de 10/04/12, ao Senhor Primeiro-Secretário da Câmara dos Deputados comunicando que o Senado Federal aprovou, em revisão, substitutivo ao Projeto de Lei da Câmara nº 40/10-Complementar (fls.116 a 119).
TOTAL: 1



PLC - PROJETO DE LEI DA CÂMARA, Nº 40 de 2010  - Complementar
 
Autor:DEPUTADO - Leonardo Mattos
Ver imagem das assinaturas
Ementa:Dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial à pessoa com deficiência filiada ao Regime Geral de Previdência Social.
Explicação da ementa:
Concessão de aposentadoria especial à pessoa com deficiência filiada ao Regime Geral da Previdência Social, submetida a condições próprias de tempo de contribuição ou de idade, conforme o caso; critérios de cálculo para definição da renda mensal da aposentadoria devida ao segurado com deficiência; definição de pessoa com deficiência para os fins da lei.
Assunto:Social - Direitos humanos e minorias
Data de apresentação:30/04/2010
Situação atual:
Local: 
10/04/2012 - SECRETARIA DE EXPEDIENTE

Situação: 
10/04/2012 - REMETIDA À CÂMARA DOS DEPUTADOS
Matérias relacionadas:RQS - REQUERIMENTO 73 de 2011
RQS - REQUERIMENTO 214 de 2012
Outros números:
Origem no Legislativo:
CD  PLP  00277 / 2005
Indexação da matéria:
Indexação: REGULAMENTAÇÃO, CONSTITUIÇÃO FEDERAL, CRITÉRIOS, CONCESSÃO, APOSENTADORIA ESPECIAL, SEGURADO, REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA, REDUÇÃO, IDADE, TEMPO, CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA, SOLICITAÇÃO, ÓRGÃO PÚBLICO, (INSS), REALIZAÇÃO, PERÍCIA MÉDICA, EMISSÃO, CERTIDÃO, ATESTADO MÉDICO.
Observações: (REDUZ A IDADE E O TEMPO DE SERVIÇO DO SEGURADO DO REGIME DE PREVIDÊNCIA SOCIAL PORTADOR DE DEFICIÊNCIA, LEVANDO EM CONTA O GRAU DE DEFICIÊNCIA. REGULAMENTA A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988).

segunda-feira, 9 de abril de 2012




Como perder os quilinhos que ganhou na páscoa?


Dieta pós-Páscoa. Saiba como perder os quilinhos que ganhou comendo chocolate

A Páscoa oferece delicias das mais diversas. São ovos de chocolate branco, ao leite, crocante, meio amargo, além das saborosas e calóricas Colombas Pascoais. Com tantas guloseimas, fica praticamente impossível não ganhar uns quilinhos extras. Mas existe uma maneira de voltar ao peso.

1 - Equilibre seu cardápio com frutas e legumes. Dê preferência a estes alimentos para desintoxicar o organismo.

2 - Aumente a quantidade de água. Neste período é importante ingerir mais de 2 litros.

3 - Tome chás. Ingerir chás sem açúcar ajuda a limpar o organismo e a saciar a sensação de fome.

4 - Dê preferência a carnes brancas como peixes e aves.

5 - Faça lanches leves com iogurte desnatado e frutas.

6 - Evite carboidratos como pães, massas e batatas. Procure comer este tipo de alimento somente pela manhã.

Nenhuma dieta deve ser radical. O ideal é consumir todos os alimentos com moderação.


FONTE: http://comunidade.bemsimples.com/beleza/w/beleza/dieta-p-243-s-p-225-scoa-saiba-como-perder-os-quilinhos-que-ganhou-comendo-chocolate.aspx
Portal de Acessibilidade - Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PPDs e PPAHs no RS (FADERS)Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social


Acessibilidade universal na estação aeroporto

09/04/2012
Reforma predial e ampliação da acessibilidade preparam estação para a chegada do Aeromovel e da Copa do Mundo de 2014.


Conforme já foi feito nas estações Mercado e Canoas/La Salle, a Trensurb promove manutenção predial e implantação de acessibilidade universal na Estação Aeroporto. Já foram instalados 600 metros de corrimão nas passarelas de acesso à estação e o sistema de proteção contra descargas atmosféricas. Em breve, a borda de basalto será instalada na plataforma, em substituição à granitina.

Os usuários serão beneficiados, ainda, com um elevador (de uso restrito a portadores de necessidades especiais) de acesso à plataforma da estação – além de outro para acesso à sede da Trensurb – e piso podotátil (para auxiliar deficientes visuais), além da reforma do piso existente e adequação de sanitários. Tais medidas são necessárias para a compatibilização com o sistema Aeromovel, a ser integrado à estação para ligá-la ao Terminal 1 do aeroporto, e com a Copa do Mundo de 2014. Haverá mudanças também na comunicação visual, com placas de informações trilíngue (português, inglês e espanhol).

“A Estação Aeroporto é muito importante no sistema, pois terá ligação direta com o Aeroporto Salgado Filho através do Aeromovel. Qualificar a acessibilidade é preparar-se para receber um grande público, inclusive internacional”, afirma o gerente de Operações, Rubenildo Ignácio.

Duas empresas participaram do processo licitatório para a execução das obras, que teve como vencedora a Rumo Engenharia Ltda. A publicação no Diário Oficial da União ocorreu no dia 1º de dezembro de 2011. Com economia de 8% do valor calculado no início do projeto, o investimento será de R$ 1,14 milhão.

Foto: Marco Pecker, da Trensurb


Fonte: Comunicação Trensurb



Com iluminação azul, Senado apoia conscientização sobre autismo

05/04/2012
Paulo Cezar Barreto

Imagem do prédio do Senado, a noite, com iluminação em azul. Foto Ana Volpe
Imagem do prédio do Senado, a noite, com iluminação em azul. Foto Ana Volpe.

O Senado Federal, seguindo o exemplo de vários prédios e monumentos pelo mundo, está sob luz azul desde segunda-feira (2), Dia Mundial de Conscientização do Autismo. A iluminação permanece até domingo (7).

A cor azul é símbolo da data porque a incidência do autismo é quatro vezes maior entre meninos. Também ganharam iluminação azul, entre outros marcos brasileiros, o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; o Teatro Amazonas, em Manaus; e o Monumento às Bandeiras, em São Paulo.

No ano passado, o Senado aprovou a criação da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (PLS 168/2011), que agora aguarda votação no Plenário da Câmara dos Deputados, onde tramita como PL 1.631/2011.

Em pronunciamento na última segunda-feira (2), o senador Paulo Paim (PT-RS) salientou a importância do projeto, que reconhece o autista como pessoa com deficiência e prevê garantia de diagnóstico precoce, tratamento multidisciplinar, acompanhamento para as famílias, educação adequada, direito ao lazer, estatísticas e direito a horário especial no trabalho.


Fonte: Agência Senado

Portal de Acessibilidade - Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para PPDs e PPAHs no RS (FADERS)Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Secretaria da Justiça e do Desenvolvimento Social


RS Sem Limite beneficiará 2,5 mil pessoas com deficiência


Diretor Presidente da FADERS Cláudio Silva, apresenta Plano RS Sem Limite, em cerimônia no Palácio Piratini. Foto: Camila Domingues.02/04/2012
O Governo do Estado lançou, nesta sexta-feira (30), no Palácio Piratini, um conjunto de ações nas áreas de educação, saúde, acessibilidade e inclusão social. O plano RS Sem Limite deverá contemplar 2,5 milhões gaúchos, número estimado de pessoas com deficiência no Rio Grande do Sul de acordo com o censo de 2010.

A proposta envolve 12 secretarias e soma R$ 258,5 milhões com recursos do Executivo gaúcho e da União. Na mesma solenidade, que contou com representantes de várias entidades que trabalham com este público, foi formalizada a adesão do Estado ao Viver Sem Limite, versão nacional do plano.

Na solenidade, o vice- governador, Beto Grill, ressaltou os avanços ocorridos no País na área dos direitos humanos e conclamou a todos para viabilizar as ações do plano gaúcho. "A luta continua, mas temos muito que avançar. Tenho a certeza que estamos no caminho certo, sem limites para a cooperação. Vamos trabalhar", afirmou Grill.

A ministra da Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência, Maria do Rosário, disse que é "um orgulho" para o Brasil e o Rio Grande do Sul os planos Viver Sem Limite e RS Sem Limite pelo fato de respeitarem os direitos humanos. "Os nossos planos se dirigem a todos os brasileiros, mas especialmente às pessoas com deficiência", destacou.

Representando a Secretaria da Justiça, a diretora do Departamento de Direitos Humanos, Tâmara Biolo Soares, destacou a força de articulação das pessoas com deficiência, responsáveis, segundo ela, pela elaboração do RS Sem Limite juntamente com o Governo do Estado. "Hoje, as pessoas com deficiência estão inviabilizadas, sem autonomia. Queremos dar autonomia às pessoas com deficiência. Esse é o objetivo do plano", afirmou Tâmara.

RS Sem Limite
Elaborado pelo Comitê Gestor de Políticas Públicas, criado pelo Governo do Estado e coordenado pela Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos (SJDH), o RS Sem Limite prevê oficinas de capacitação específicas para jovens com deficiência dentro das Casas de Juventude, vagas no POD Pré-Vestibular gratuito, formação de professores, projeto de pesquisa para a deficiência auditiva e obras de acessibilidade nas escolas.

Na área da saúde estão contemplados a reabilitação visual, física, auditiva e de acessibilidade, teste da orelhinha e capacitação. No que se refere à inclusão social estão relacionados roteiros acessíveis no Estado, Carteira Nacional de Habilitação Acessível (CNH), unificação do passe livre intermunicipal e contratação de pessoas com deficiência. Na área da acessibilidade, estão previstos o Plano de Microcrédito de Pessoas com Deficiência Empreendedoras, acessibilidade aos parques da Copa 2014 e garantia de acessibilidade em obras públicas do Estado.

Estas e outras ações serão viabilizadas até 2014 e foram apresentadas, na solenidade pelo presidente da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência (Faders), Cláudio Silva. Na oportunidade, ele enfatizou o fato de o Governo do Estado respeitar os direitos desta parcela da sociedade.

Repasses
Antes do lançamento do plano, a Secretaria da Justiça e Direitos Humanos, ainda no final do ano passado, assinou convênios para a liberação de R$ 400 mil para seis entidades que atendem a este público, em Porto Alegre e no Interior.

Os recursos foram destinados à União Espírita Bageense Caminho da Luz, de Bagé; à Associação Pedritense do Deficiente Físico, de Dom Pedrito; à Casa do Excepcional Santa Rita de Cássia, de Porto Alegre; e às Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes) de Jaguarão, Santana do Livramento e São Leopoldo.

Texto: Jaqueline Silveira
Foto: Camila Domingues


Fonte: SECOM



Estudantes deficientes têm direito à acessibilidade na escola garantido

02/04/2012
Pais podem acionar o Ministério Público ou a Defensoria Pública e processar a instituição de ensino que se negue a cumprir o que manda a lei.


Mais do que um lugar para aprender a ler e escrever, a escola é o lugar onde a criança começa a desvendar o mundo e a conviver em sociedade. Para viver essas experiências de forma plena e em pé de igualdade, os alunos com deficiência devem ter garantido o direito à acessibilidade. Pelo menos, é o que diz a lei. O artigo 24 do decreto 5296, de 2004, trata especificamente da acessibilidade nos estabelecimentos de ensinos públicos e privados, e determina que as escolas devem proporcionar condições de utilização de todos os seus ambientes ou compartimentos para pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, inclusive salas de aula, bibliotecas, auditórios, ginásios e instalações desportivas, laboratórios, áreas de lazer e sanitários. Para concessão de autorização de funcionamento, o estabelecimento deve provar que está cumprindo as normas. De acordo com Priscilla Selares, advogada do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência (IBDD), os estabelecimentos tinham 30 meses, a partir da data de promulgação do decreto, para fazer as mudanças nas escolas.

Priscilla Selares, advogada do IBDD, é deficiente visual (Foto: Divulgação)
Priscilla Selares, advogada do IBDD, é deficiente visual (Foto: Divulgação).

“Existe um movimento de mudança por parte das escolas, mas o prazo expirou em 2007 e menos de 50% das instituições está adaptada. Ainda existem escolas que colocam a turma no primeiro andar para que o aluno deficiente possa assistir à aula, já que os prédios não têm rampas. Isso não é educação inclusiva de verdade”, diz Priscilla.
Andreza Mesquita Chaves, mãe de Camila, de seis anos, sofre junto com a filha as consequências da falta de acessibilidade no colégio particular onde a menina estuda. Como o prédio não tem rampa ou elevador, Andreza precisa carregar a criança no colo, todos os dias, até o quinto e último andar, onde fica sua sala de aula, além de ficar a postos para levá-la nos braços sempre que é realizada uma atividade extra. Camila tem hidrocefalia e mielomeningocele, uma má formação congênita da coluna vertebral.

“Eu gostaria que pelo menos eles mudassem a turma para o primeiro andar, o que já pedi, mas não foi feito. Ainda tenho que carregar a cadeira de rodas. Às vezes, encontro quem me ajude, outras não. Só não tirei minha filha de lá porque a escola tem um bom ensino e fica perto de casa”, desabafa.

Para orientar pais e mães que enfrentam o mesmo problema que Andreza, a advogada Priscilla dá orientações: “O responsável pode fazer uma requisição formal em duas vias para a escola, pedindo que eles adaptem o local para receber o aluno com deficiência, e protocolar a cópia no colégio. A escola pode se negar a fazer as mudanças, mas está violando a lei. Os pais podem acionar o Ministério Público ou Defensoria Pública para que processem a escola. Como colégio é uma instituição de direito coletivo, não pode ser exigido um direito individual. Ou seja, a família não pode processá-la diretamente. O que pode ser feito individualmente é exigir uma indenização pelo constrangimento que a criança está sofrendo, de não poder circular pela escola. A escola também pode ser condenada a pagar uma multa, variável dependendo do caso. Em último caso, a instituição pode ser fechada, mas é pouco provável que isso aconteça”, explica Priscilla.

Por uma escola mais acessível
O Ministério da Educação (MEC) disponibiliza para as escolas, desde 2009, o Manual de Acessibilidade Espacial, um guia que identifica problemas e oferece soluções para as instituições de ensino. O manual é uma das iniciativas do programa Escola Acessível, que busca adequar o espaço físico das escolas estaduais e municipais, a fim de promover acessibilidade nas redes públicas de ensino. De acordo com Martinha Clarete, diretora de Políticas de Educação Especial do MEC, o ministério vai repassar R$ 100 milhões a 3433 municípios, até 2014, para adequar escolas às necessidades dos alunos com deficiência. O dinheiro pode ser usado na aquisição de material para a construção de rampas, alargamento de portas, adequação de corredores, sanitários, bibliotecas e quadras de esportes.

Manual de Acessibilidade Espacial do  MEC. Foto: Fabiana Carvalho/Divulgação)
Manual de Acessibilidade Espacial do MEC. Foto: Fabiana Carvalho/Divulgação).

“As escolas interessadas em participar devem apresentar suas demandas de acessibilidade no Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE Escola). Nós avaliamos o pedido e disponibilizamos o financiamento. As escolas têm um ano para executar as obras, se não conseguirem, podem replanejar. Cabe ao conselho estadual ou municipal fiscalizar se as escolas estão cumprindo as normas de acessibilidade. O manual, que se baseia no Decreto 5296/2004 e na Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para acessibilidade, serve para orientar as escolas e oferece várias soluções, que podem ser adequadas segundo a estrutura da instituição. A acessibilidade não é só física, inclui sinalização tátil, visual, chão com relevo... No Censo Escolar de 2000, tínhamos 4000 escolas acessíveis, já em 2011, contabilizamos 32 mil escolas prontas para receber alunos com deficiência. Não dá para mudar de uma hora para outra, mas esse número significativo mostra que estamos tentando”, completa a diretora.

Martinha Clarete, diretora de Políticas de Educação Especial do MEC. (Foto: Wanderley Pessoa/Divulgação)
Martinha Clarete, diretora de Políticas de Educação Especial do MEC. Foto: Wanderley Pessoa/Divulgação
 


Fonte: globo.com




PRIMEIRA VACINA

PRIMEIRA VACINA

FOTOS

FOTOS
NEUROMUSCULAR EM SÃO PAULO

Postagens populares

HIDROTERAPIA

HIDROTERAPIA